Nos livros, até os vilões têm ponto fraco!

O escritor Leo Cunha comenta duas obras infantis que falam de vilões assustadores, que se acham invencíveis. Mas o mundo é redondo e dá muitas voltas...

164

Leia em 2 minutos

Todo malvado se acha invencível, todo vilão pensa que é irresistível. “Ninguém pode comigo!”, eles parecem dizer, com olhar penetrante e um risinho de lado. E, realmente, é difícil não ter medo de figuras como o Capitão Gancho, a Cruella ou a Madrasta da Branca de Neve. É ou não é? Mas lembre que o mundo é redondo e dá muitas voltas…

No livro “O mal do Lobo Mau”, de Cláudio Fragata, nem preciso dizer que o vilão é o nosso velho conhecido. Porém o que ninguém conhecia – ou não esperava – é que ele também tem um ponto fraco. Serão os dentes? Serão os olhos? Serão as garras? Que nada: é o coração. Ó, Lobo Mau, pra que esse coração tão grande? “É pra me apaixonaaaaaar!”. Ué, como assim? Só mesmo lendo pra descobrir. Escrito em versos rimados e cheio de humor, o livro acaba de ser relançado no capricho pela Elo Editora, com ilustrações de Heitor Neto.


Leia também: Livros como aliados: 10 dicas preciosas da Biblioteca Amarela


Imagine se um dia a Magali se transformasse em uma planta carnívora, que devora tudo pela frente? Seria um monstro perigosíssimo! É por aí a personagem do divertido e absurdo “Uma planta muito faminta”, criado por Renato Moriconi. Mestre dos livros sem texto, como Bárbaro (meu super favorito) e Telefone sem fio (este em parceria com Ilan Brenman), Renato tem se aventurado também no texto, onde confirma sua capacidade de espantar e surpreender o leitor. No novo livro (inspirado em Eric Carle, segundo o autor), a criatura que tudo devora parece destinada a engolir o mundo inteiro. Mas calma lá, vilã: uma surpresa te aguarda nas últimas páginas!

Ficha Técnica:
O MAL DO LOBO MAU. Texto de Cláudio Fragata e ilustração de Heitor Neto. Elo Editora, 2020.
UMA PLANTA MUITO FAMINTA. Texto e imagens de Renato Moriconi. Cia das Letrinhas, 2021.

Sobre os autores
Cláudio Fragata, paulista, é jornalista e escritor, autor de dezenas de livros. Heitor Neto, baiano, é ilustrador, quadrinista e publicitário.
Renato Moriconi, paulista, é artista plástico, ilustrador e escritor.


Leia também: Ler em telas e em livros: o que é melhor para a criança?


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

O escritor Leo Cunha publicou mais de 60 livros, como “Um dia, um rio”; (Ed. Pulo do Gato), “Virando a página”; (Ed. FTD), “Infinitos”; (Ed. Melhoramentos) e “O Livro Maluco das Poções Mágicas”; (Ed. do Brasil). Recebeu os principais prêmios da literatura infantil brasileira, como Jabuti, Nestlé, FNLIJ, Biblioteca Nacional e João- de-Barro. É também jornalista, tradutor e professor universitário.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui