Crianças no Carnaval: 10 dicas para curtir a folia com segurança

Ong ChildFund Brasil destaca importância de redobrar os cuidados com os pequenos nesta época do ano

60
Crianças brincam com confetes e serpentina de Carnaval
Roupas confortáveis permitem aproveitar melhor a folia
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Estamos na época mais festiva do ano, o Carnaval! Essa é uma boa oportunidade para fortalecer vínculos e reforçar a confiança entre as crianças e os pais ou responsáveis, seja por meio de atividades, brincadeiras, leituras ou passeios. Vale, por exemplo, fazer a fantasia e a máscara com o filho, além de escutar músicas que ele goste e ir a blocos infantis.

Mas, independentemente de onde forem passar a data, na cidade ou na praia, em meio à folia ou na calmaria, é importante tomar alguns cuidados quanto à segurança e saúde das crianças durante o Carnaval. Para ajudar pais e responsáveis na tarefa de proteger seus filhos, veja lista abaixo, elaborada com a ajuda do ChildFund Brasil, que atua na promoção e defesa dos direitos da criança e do adolescente.

1. Pulseira de identificação

Para lugares com grande concentração de pessoas, é essencial que as crianças tenham uma pulseira de identificação. Neste site, há uma sugestão de como fazer uma, mas também vale utilizar alguma pulseira já existente, desde que dê para incluir nela o nome da criança e do responsável, e números de telefone para contato. Além disso, nas crianças menores, escreva na etiqueta da roupa o seu número de telefone. Com os filhos mais velhos, dá para combinar ainda um lugar de encontro, caso alguém se perca. E independentemente da idade, vale orientá-los quanto a não aceitar convites, alimentos ou bebidas de desconhecidos, e a pedir ajuda de um policial ou alguém com fardamento, se preciso.

2. Não perca de vista

Além do uso da pulseira, é necessário ficar de olho quando a criança se afastar para brincar. Um minuto de distração pode ser o suficiente para perdê-la de vista ou até mesmo para que corra um risco maior como ser levada por alguém mal intencionado. 

3. Blocos de acordo com a idade

Procure sempre por blocos de Carnaval que se encaixem com a idade das crianças, isso porque muitos são voltados apenas para o público adulto. Há atrações focadas somente nos pequenos, com músicas, trajes e até mesmo locais preparados para atender o público infantil. Veja aqui programação de blocos infantis em São Paulo.

LEIA TAMBÉM:

4. Protetor solar e repelente

Diante do alto número de casos de dengue, em diversas cidades do país, é fundamental passar repelente nas crianças, seja na praia, seja nos bloquinhos de rua na cidade. Especialistas orientam a aplicar o filtro solar em casa, e aguardar a absorção por alguns minutos, para em seguida passar o repelente e só depois vestir a roupa. Como os pequenos costumam levar as mãos aos olhos e à boca, o que pode provocar irritação, é indicado que um adulto passe o produto nas próprias mãos para então aplicar na criança. Para saber quais os tipos de repelentes mais indicados, clique aqui.

5. Hidratação e lanchinhos

Para enfrentar o calor, capriche na hidratação corporal dos pequenos. Uma forma de cuidar para não desidratar é oferecer líquidos como água mineral e água de coco, além de frutas, castanhas, sanduíches, chips assados e barras de cereal.

6. Brinquedos

Confetes, serpentinas e outros brinquedos da época ajudam a entreter os pequenos. Oriente, porém para que não sejam jogados nos olhos nem na boca, e que a serpentina não seja enrolada no pescoço. Atenção aos sprays de espuma, que podem causar alergia e irritação na pele e nos olhos, e não devem ser inalados nem ingeridos. 

7. Fantasias

Ainda que chamem a atenção pela beleza, o principal é que as fantasias sejam confortáveis. Tecidos leves, como o algodão, são mais indicados que os sintéticos, que esquentam demais. Evite que as crianças usem adereços exagerados para o Carnaval. Quanto aos sapatos, prefira tênis ou outros que fiquem firmes nos pés e não causem desconforto. Do contrário, são grandes as chances da criança pedir para tirar a roupa ou mesmo querer voltar para casa.

8. Redes sociais

É comum querer registrar momentos dos pequenos fantasiados para o carnaval e divulgar nas redes sociais, a fim de mostrar para familiares e amigos. Contudo, ao mesmo tempo em que é possível receber diversos comentários carinhosos, há a chance de as imagens caírem nas mãos de criminosos, que poderão utilizar as fotos para outros fins. Por esse motivo, busque deixar as redes sociais fechadas. 

9. Tempo de festa

Por mais que o Carnaval esteja animado, as crianças não aguentam ficar muitas horas seguidas na folia, com barulho, aglomerações e calor. Atente para sinais de sono ou irritação, que indicam a hora de ir para casa.

10. De olho na violência

Além de cuidarmos das nossas crianças e filhos, é nosso dever ficar de olho e zelar pela segurança de crianças e adolescentes que vivem em situação de rua ou que se encontram desacompanhados em meio a folia. “Caso você veja alguma situação estranha ou desconfortável, deve sempre avisar à polícia ou algum órgão responsável. Há ainda a possibilidade de ligar para o Disque 100, que denuncia violação de direitos humanos”, destaca Mauricio Cunha, diretor de país do ChildFund Brasil. 

Outros fatores como o acesso ao álcool, sexualização, negligência de responsáveis e uso do trabalho infantil contribuem para o aumento da vulnerabilidade deste público no período de Carnaval. É nesta época do ano que denúncias relacionadas à violência sexual contra crianças, adolescentes e mulheres aumentam cerca de 20%, de acordo com dados do Disque 100 e Ligue 180, divulgados pelo Governo Federal. 

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui