Propostas para aproximar as crianças do mundo da dança

Inês Bogéa, diretora da São Paulo Companhia de Dança, fala sobre a importância da dança na infância e traz dicas divertidas

463
Propostas para aproximar as crianças do mundo da dança; ilustração do balé
Ilustração do balé "O Corsário", de Charles Lima, para o podcast "Contos do balé"/Divulgação

“A dança é uma arte que nos leva a perceber o mundo em que vivemos, a sonhar com outros mundos e a criar mundos imaginários”, diz Inês Bogéa, diretora da São Paulo Companhia de Dança. São muitos os benefícios que o movimento e a dança podem trazer, principalmente durante a infância. É uma possibilidade para estimular a sensibilidade e a criatividade dos pequenos. “Tem um caráter lúdico da dança, de autoconhecimento, de percepção do seu corpo no espaço e da sua relação consigo mesmo”, acrescenta.

Além disso, a dança pode contribuir para o desenvolvimento motor e cognitivo das crianças. Assim como em toda a atividade física, o cérebro libera serotonina, substância que traz a sensação de alívio, melhorando aspectos como o humor e o sono. Para quem já admira essa forma de arte e pretende apresentá-la para os pequenos, Inês Bogéa tem várias indicações. A São Paulo Companhia de Dança disponibilizou diversas atividades para entreter as crianças e toda a família. Confira!


Leia também: Atividades culturais presenciais e online para curtir as férias com as crianças


Brincar e dançar

Cecília Valadares em Brincar e Dançar/Foto: Marcelo Machado/ Divulgação

“Durante o momento de pandemia todos nós tínhamos muita falta de nos movimentar, então, resolvemos convidar as pessoas a dançarem e brincarem com seus familiares no ambiente da casa”, diz a diretora. Idealizada em dezembro de 2020 por Inês Bogéa, a websérie “Brincar e Dançar” traz diversas atividades para crianças de todas as idades soltarem a criatividade e experimentarem a dança de forma lúdica e divertida. Em cada episódio, há uma arte-educadora que apresenta as propostas, acompanhada pelos bailarinos da companhia e pela pianista. “Com a participação dos bailarinos, você vê a ideia principal executada no corpo de muitas pessoas diferentes para que você em casa se sinta totalmente confortável para dançar e brincar conosco”, relata.

Na primeira temporada, composta por 10 episódios, de aproximadamente 15 minutos, a pedagoga convidada foi Elizabeth Menezes da Silva, que sempre tem um objeto como inspiração. Ela ensina a transformar uma caixa de papelão em um boi, uma meia em uma bola para fazer massagens e muitas outras atividades. Na segunda temporada, a arte-educadora Márcia Strazzacappa trouxe novas propostas, como fazer uma escultura viva e uma versão bem interessante da brincadeira “Cabeça, ombro, joelho e pé”. 

“Com tudo isso, a gente vai inspirando as crianças a perceber como formas simples de movimentos podem virar uma dança individual, também ajudando-as a se manterem ativas e com saúde física dentro de casa”, aponta Inês Bogéa. A websérie está disponível gratuitamente no site da São Paulo Companhia de Dança, já foram publicados 5 episódios da nova temporada, os 5 restantes serão lançados a partir de 17 de julho, sempre aos sábados. Pode ser uma boa opção de diversão e momentos em família durante as férias.

Acesse em: https://spcd.com.br/educativo/brincar-e-dancar/


Leia também: Ballet, música, circo… atividades extracurriculares funcionam no online?


Contos do balé

Arte de “A Flauta Mágica”, por Giovanna Medeiros/ Divulgação

Baseado em livros escritos por Inês Bogéa, o podcast “Contos do Balé” traz contações de histórias de famosos balés de repertório, como “O lago dos cisnes” e “A bela adormecida”. “Eu sempre ouvi muitas histórias contadas pelos meus pais. A partir dessa memória infantil e do meu desejo como bailarina de conhecer as histórias do balé, eu escrevi esses livros. Agora surgiu esse desejo de dividir os contos com as pessoas”, relata a diretora.

Inês Bogéa é acompanhada por Luca Baldovino, superintendente de produção na Associação Pró-Dança, e Rodolfo Dias Paes (DiPa), músico e técnico de som da São Paulo Companhia de Dança, para contar as histórias. Os narradores incorporam os personagens e, junto com efeitos sonoros, fazem o ouvinte mergulhar na trama. “Essas histórias dos grandes balés são atemporais, porque elas falam das emoções humanas, falam de amor, de medo, de alegria, de desejo e às vezes elas trazem sonhos. Com isso, as crianças podem viajar pelas narrativas”, diz Inês Bogéa.

O podcast pode ser uma forma divertida de introduzir os pequenos ao mundo do balé clássico. “Quando você assiste o balé conhecendo a história, você pode interagir mais, entender os personagens e seus sentimentos, isso vai contribuir ainda mais para a sua fruição do espetáculo”, aponta a diretora da companhia. Os episódios são lançados mensalmente e estão disponíveis gratuitamente.

Acesse em: https://spcd.com.br/educativo/podcasts/


Leia também: 4 brincadeiras para gastar a energia das criançada dentro de casa


Livretos ‘Brincadeiras de Dança

Volume 2 de “Brincadeiras de Dança”/Divulgação

A São Paulo Companhia de Dança também elaborou diversos jogos e atividades inspirados em balés da companhia, segundo Inês Bogéa. No site, é possível encontrar o jogo dos sete erros, ligue os pontos, labirinto e palavras cruzadas, por exemplo. Os livretos estão disponíveis para baixar e imprimir gratuitamente.

Acesse em: https://spcd.com.br/educativo/brincadeiras-de-danca/ 

Apresentações abertas e oficinas educativas

Inês Bogéa conta que uma preocupação da São Paulo Companhia de Dança é proporcionar atividades educativas e de sensibilização de plateia para as crianças. Para isso, são realizados espetáculos abertos para estudantes, que permitem que jovens alunos possam assistir apresentações gratuitas e conhecer um pouco sobre os bastidores das produções. Durante a pandemia, é preciso conferir a disponibilidade dos espetáculos pelo link.

Também há aulas abertas e oficinas de dança e técnicas, em que os responsáveis pelo som e luz, por exemplo, contam sobre como é a vida dessa profissão. “Isso permite que as crianças entendam que fazer parte da rede da dança significa poder atuar em vários lugares”, relata Inês Bogéa. Para ela, é uma forma diferente de aproximar as crianças da dança, mostrando que é possível participar deste universo estando em cena ou atrás das cortinas. “São várias atividades que buscam revelar um pouco do dia a dia da nossa profissão e possibilitar experimentação e conhecimento para todos que se interessam por essa arte, para crianças de todas as idades”, finaliza.


Leia também: Óperas de Mozart e Carlos Gomes inspiram contação de histórias infantis


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui