‘Eu gosto mais do meu pai do que de você’

A maioria das famílias disse já ter ouvido essa frase dos filhos, segundo pesquisa realizada com mais de 80 mães e pais; disputas entre genitores pode ser a causa de tal afirmação, avalia o educador parental Mauricio Maruo

254
Menina abraça o pai no sofá
Para 80% dos pais, gostar mais deles pode ser fruto da “paternidade ativa” que eles dizem exercer; já para 90% das mães, a frase não demonstra o que a criança está sentindo
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

“Eu gosto mais do meu pai do que de você.”

Você já ouviu essa frase do seu filho ou da sua filha? Se sim, o que sentiu?

Hoje vamos falar sobre um assunto bem delicado, afinal ninguém gosta de receber uma frase dessas assim na lata.

Muitas crianças são espontâneas, isso não é novidade nenhuma, mas as crianças podem ser também imediatistas, impulsivas e, na maioria das vezes, copiadoras – sim, a palavra copiadora está correta.

Em todas as minhas palestras sempre ressalto que até certa idade as crianças são como esponjas, elas replicam comportamentos e atitudes de adultos de referência ou de outras crianças maiores.

Então a frase “Eu gosto mais do meu pai do que de você” pode ter alguns outros sentidos, ou quem sabe, seja isso mesmo. 

A questão é: quais as motivações que levam as crianças a dizer isso?

Com muitos movimentos e intenções de conscientização da sociedade sobre a importância da “paternidade ativa“, muitos homens/pais estão abraçando essas transformações masculinas e se tornando pais mais conscientes, afetuosos, amorosos e por que não dizer, mais responsáveis, não somente pela sua paternidade, mas por tudo que cerca a criação e educação da criança.

Alguns pais hoje são tão presentes que “aos olhos da sociedade” chegam a ofuscar a força da maternidade. Isso também é percebido pelas crianças (lembra que as crianças são iguais a uma esponja?).

A pergunta que fica é:

Estamos mesmo preparados para uma paternidade consciente e responsável?

LEIA TAMBÉM:

Porque em tese a “paternidade ativa” não necessariamente significa que mães e pais têm a mesma opinião sobre a educação dos filhos. Homens e mulheres apresentam diferentes formas de maternar e paternar.

Pensando nessa pergunta, saí para fazer uma pesquisa: conversei com mais de 80 pais e mães de filhos(as) entre 4 até 10 anos, fazendo apenas 3 perguntas:

  • Você já ouviu essa frase do seu filho ou da sua filha, ou algo parecido neste sentido?
  • O que você sentiu?
  • Por que você acha que ele(a) disse isso?

A estatística mostra que:

Obs: Fiz um recorte estatístico somente das pessoas que já haviam ouvido a frase.

  • 92% disseram já ter ouvido a frase ou algo parecido.
  • 83% dos homens que ouviram a frase se sentiram orgulhosos, porém, com medo da reação da companheira. Se sentiram também perdidos em relação aos cuidados da relação conjugal x relação paterna.
  • 98% das mulheres sentiram uma sensação de um luto, misturada com uma revolta, seguida de uma raiva muito grande.
  • 80% dos homens acreditam que a frase é resultado da “paternidade ativa” que eles dizem exercer.
  • Somente 18% dos homens acreditam que as crianças falam isso para provocar a mãe.
  • 74% das mulheres afirmaram que seus filhos(as) falaram isso em um momento de revolta ou estresse.
  • Quase 90% das mulheres acreditam que essa frase não demonstra necessariamente o que a criança está sentindo.
  • Somente 5% das mulheres confirmaram que seus companheiros exercem melhor a paternidade do que a sua maternidade e estão bem com isso.

E agora, quais conclusões podemos tirar desses dados?

Acredito que cada pessoa que leu o texto até aqui, deve ter alguma conclusão específica para o assunto, porém devo lembrar que as entrevistas foram feitas com os adultos e não com as crianças, ou seja, a percepção das crianças sobre o “gostar” é diferente da nossa percepção.

Na minha opinião, a tal frase vem porque existe alguma disputa (voluntária ou involuntária) entre o pai e a mãe, seja sobre as formas de criação dentro de casa, sobre o tipo de educação que cada um acredita ou até mesmo sobre as questões de relacionamento que a criança desenvolve com outras crianças.

As crianças não são bobas, elas sentem vibrações diferentes que existem dentro das disputas familiares e entendem que elas têm opções de escolha, ou seja, elas sabem qual é o melhor lado para elas naquele momento.

Como educador parental, sugiro aos pais e as mães e responsáveis que não se sentiram bem ouvindo essa frase dos (das) filhos(as), revisitar suas pequenas disputas ou os acordos sobre tudo que envolve a criação da criança.

Lembrando que as disputas ou acordos não tão bem acordados são gatilhos para o conflito, então minha última sugestão, tenham maturidade para o diálogo.

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News, sempre no último sábado do mês, no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui