Os videogames são um bom exemplo de que, na vida, errar faz parte do jogo

226
Os videogames são um bom exemplo de que os erros fazem parte do jogo
No jogo e na vida, quando errarmos –e vamos errar–, poderemos tentar de novo, diz a colunista Bete P. Rodrigues

Leia em 3 minutos

Qual sua visão de erro? O que você ouvia sobre erros quando era criança? Provavelmente, que não podia cometê-los! Afinal, aprendemos a associar os erros a sentimentos de fracasso, ineficiência, incapacidade, humilhação, vergonha, culpa. Ninguém quer se sentir assim, né? E tampouco ser punido por ter errado. Por isso, logo aprendemos a esconder nossos erros e omiti-los – o que, na verdade, é mentir – para não “ser pego” e isso não afetar nossa imagem social.

Alfred Adler (psicólogo austríaco) e Rudolf Dreikurs (psiquiatra e educador austriaco) nos ensinaram a olhar também para os erros como maravilhosas oportunidades de aprendizagem e não como atestados de fracasso. Isso vale para os erros dos outros e para os nossos. 

Uma excelente oportunidade de ensinar às crianças e adolescentes esse novo olhar para os erros é refletir com eles sobre como o erro é visto nos jogos de vídeo game. Fazem parte do jogo! Você provavelmente não vai se sentir humilhado ou envergonhado se não conseguir ir para a próxima fase – você simplesmente segue tentando. É preciso errar muito (e aprender com seus erros) antes de passar para a próxima fase do jogo (ser um jogador/pessoa melhor)! 

Leia também: Limites ajudam as crianças a pensar criativamente

No jogo – e na vida- quando errarmos podemos tentar de novo. Observe: quando errarmos. Porque vamos errar. Somos humanos e não existem humanos que não cometem erros. Aliás, Rudolf Dreikurs em 1957  proferiu um discurso sobre aCoragem de ser imperfeito”.

Pais, mães e educadores podem demonstrar como ter essa coragem. Que tal:

– ser humilde e responsável e quando você cometer erros, mencioná-los em voz alta, rindo de si mesmo (quando couber) ou procurando repará-los, assumindo a responsabilidade pelos próprios erros (veja os passos abaixo). 

– abrir um espaço regular de confiança e liberdade para falar sobre “coisas que deram errado”.  Que tal durante as reuniões de classe/família? 

– ouvir e responder com empatia e compaixão aos erros dos filhos/alunos ou outros adultos, evitando julgamento, culpa e sermões.

– quando for adequado, fazer perguntas curiosas para ajudar o outro a explorar as consequências das suas próprias escolhas. 

Leia também: O que você diz sobre o seu filho (e para ele) pode influenciar seus pensamentos e atitudes para sempre

Você provavelmente já conhece os 4 R da Recuperação dos Erros da Disciplina Positiva, mas aqui vai um resumo:

  1. Reconheça seu erro – você pode até sentir constrangimento e arrependimento, mas procure desapegar desses sentimentos (autoperdão) e focar no próximo passo. Seria como dizer mais ou menos isso: “Ops! Errei…”.
  2. Responsabilize-se com conscientização e responsabilidade em vez de culpa ou vergonha. Caberiam aqui frases como: “… quando gritei com você”. (não cabe falar o que o OUTRO fez)
  3. Reconcilie-se pedindo desculpas sinceras para criar conexão (quando outras pessoas estiverem envolvidas). Por exemplo: “Desculpe, filho…”.
  4. Resolva o problema focando em soluções e, se adequado, junto com outras pessoas. Uma possibilidade: “…como podemos resolver isso juntos para que não aconteça de novo?”.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui