‘O Brasil deve temer a doença, nunca o remédio’, diz a Sociedade Brasileira de Pediatria

A entidade afirma que a vacinação infantil é um direito e deve ser assegurado, e que essa estratégia é importante para reduzir mortes por covid nessa faixa etária

40
Menino recebe vacina no braço
Na nota, a entidade destaca estudos que comprovam segurança e eficácia da vacina infantil

Leia em 2 minutos

Diante de comentários de autoridades sobre possíveis riscos decorrentes da imunização de crianças de cinco a 11 anos contra a covid-19, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou uma nota de repúdio a posicionamentos contrários à vacinação infantil, em que reforça a importância de imunizar crianças no país. Abaixo, veja aspectos destacados pela SBP na nota.

1)   A população não deve temer a vacina, mas, sim, a doença que ela busca prevenir, bem como suas complicações, como a covid longa e a Síndrome Inflamatória Multissistêmica, manifestações que consolidam a necessidade da imunização do público infantil.

2)   O acesso das crianças à vacina contra a covid-19 é um direito que deve ser assegurado, o qual conta com o apoio da maioria dos brasileiros, conforme expresso em consulta pública realizada sobre o tema pelo Ministério da Saúde.

3)   A vacinação desse público é estratégia importante para reduzir o número de mortes por conta da covid-19 nessa faixa etária, no Brasil, cujos indicadores são mais expressivos do que em outras nações.

4)   Até o momento, os estudos realizados apontam a eficácia e a segurança da vacina aplicada na população pediátrica, a qual é fundamental no esforço para reduzir as formas graves da covid-19.

5)   A vacina previne a morte, a dor, sofrimento, emergências e internação em todas as faixas etárias. Negar este benefício às crianças sem evidências científicas sólidas, bem como desestimular a adesão dos pais e dos responsáveis à imunização dos seus filhos, é um ato lamentável e irresponsável, que, infelizmente, pode custar vidas.

No último dia de 2021, a SBP e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) já haviam divulgado um posicionamento conjunto sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos portadoras de cardiopatias contra a covid-19 com a vacina Comirnaty (Pfizer/BioNTech).

Para as entidades, os benefícios da vacinação nesta faixa etária superam os eventuais riscos associados e reforçam apoio à decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em autorizar a vacinação deste público.

Leia aqui a íntegra do documento.


LEIA TAMBÉM


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui