Dois livros sobre galos e seus cantos

O escritor Leo Cunha comenta duas obras infantis que abordam, de diferentes formas, a imagem poderosa e sugestiva do canto do galo

73

Leia em 2 minutos

O canto do galo é um símbolo forte: pode representar o dia que nasce, claro, mas também o incômodo, a voz que não se cala, a importância de marcar posição. Não é à toa que Chico Buarque, em uma de suas canções mais emblemáticas dos anos 1970,
“Apesar de você”, emplacou o inesquecível verso contra a censura e o arbítrio: “como vai proibir, quando o galo insistir em cantar…”

A literatura infantil não deixou passar batida a imagem tão poderosa e sugestiva do canto do galo. Destaco, este mês, dois livros que abordam o tema, sendo um lançamento e um já clássico.

Sylvia Orthof, nossa grande mestra do humor e da crítica social para crianças, lançou “Galo, galo, não me calo”, em 1992, com ilustrações do também saudoso Cláudio Martins. O galo da história, morador de uma grande cidade, adorava fazer o que melhor sabia: soltar o gogó a cada manhã, em homenagem ao sol. Porém a vizinhança, impaciente e irritada com a cantoria, une-se para protestar e para encontrar um jeito de esconder do galo o sol. Leia para descobrir como o galo vai se safar dessa.

O outro livro, “O galo que não cantava”, foi lançado em 2020. É a história da menina Guadalupe, que certo dia cai na tristeza quando o galo, sem nenhuma explicação, decide parar de cantar. O silêncio repentino cala fundo no coração da garota, que não consegue entender aquela perda, muito menos uma outra que a atormentava: a partida do pai. O texto de Ana Rapha Nunes é delicado e repleto de referências a obras importantes da literatura para crianças.

Ficha Técnica:
GALO, GALO, NÃO ME CALO. Texto de Sylvia Orthof, ilustrações de Claudio Martins. Editora Formato, 1992.

O GALO QUE NÃO CANTAVA. Texto de Ana Rapha Nunes, imagens de Paula Kranz. Elo Editora, 2020.

Sobre os autores:
Sylvia Orthof, carioca, foi uma das principais autoras da literatura infantojuvenil brasileira, com mais de 100 obras publicadas.
Cláudio Martins foi um escritor, ilustrador e fotógrafo mineiro.
Ana Rapha Nunes, carioca radicada no Paraná, é professora e escritora, com obras premiadas no Brasil e no exterior.
Paula Kranz, paranaense, é ilustradora de livros infantis.


Leia também: 8 livros infantis para falar com as crianças sobre as emoções


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

O escritor Leo Cunha publicou mais de 60 livros, como “Um dia, um rio”; (Ed. Pulo do Gato), “Virando a página”; (Ed. FTD), “Infinitos”; (Ed. Melhoramentos) e “O Livro Maluco das Poções Mágicas”; (Ed. do Brasil). Recebeu os principais prêmios da literatura infantil brasileira, como Jabuti, Nestlé, FNLIJ, Biblioteca Nacional e João- de-Barro. É também jornalista, tradutor e professor universitário.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui