Novo estudo diz que a dislexia não é um distúrbio e sim uma adaptação do cérebro

Segundo psicóloga, é preciso pensar em modelos de ensino adequados aos ritmos das crianças com dislexia, para que consigam consolidar habilidades de leitura

1042
Menino escreve em caderno
Estudos mostram uma habilidade em explorar o desconhecido e observar o quadro geral das coisas por parte das pessoas com dislexia
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

A dislexia do desenvolvimento é vista hoje como um distúrbio neurocognitivo que dificulta a leitura e a escrita e o aprendizado como um todo nas crianças. Porém, um novo estudo afirma que a dislexia não é um distúrbio e sim parte da evolução da espécie humana, que teve um papel essencial na nossa sobrevivência.

A conclusão, feita por cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, partiu da análise de uma série de estudos de psicologia e neurociência relacionados à cognição, comportamento e cérebro, que mostram uma habilidade em explorar o desconhecido e observar o quadro geral das coisas por parte dos disléxicos. É a primeira vez que uma abordagem interdisciplinar usando uma perspectiva evolutiva é aplicada na análise de estudos sobre dislexia.

O estudo, publicado na revista Frontiers in Psychology, explica que as pessoas com dislexia de desenvolvimento costumam ter certos pontos fortes – particularmente em domínios como descoberta, invenção e criatividade – que as teorias centradas no déficit não podem explicar. A pesquisa investigou se esses pontos fortes refletem uma especialização exploratória subjacente.

LEIA TAMBÉM:

Isso ajudaria a explicar por que pessoas com dislexia têm dificuldades com tarefas relacionadas à ler e escrever, mas parecem ter facilidade para profissões que exigem habilidades relacionadas à exploração, como artes, arquitetura, engenharia e empreendedorismo.

Com base nessas descobertas, os pesquisadores defendem que a dislexia passe a ser vista apenas como um funcionamento diferente do cérebro, que está em constante adaptação e é fundamental para a sobrevivência da espécie humana.

— Essa questão de que os transtornos do desenvolvimento, como autismo e dislexia, devem ser analisados de uma perspetiva de potencialidade em vez de fragilidade é muito interessante para reduzir o estigma e procurar entender o cérebro como uma estrutura que busca adaptação — diz a psicóloga Claudia Berlim de Mello, docente do departamento de psicobiologia da Unifesp, para o jornal O Globo.

Diagnóstico surge durante a alfabetização

Cerca de 20% da população mundial tem dislexia e o diagnóstico costuma ocorrer durante o período de alfabetização. Entre os sinais que podem indicar o distúrbio estão a troca de letras, principalmente, com sons parecidos; pular ou inverter sílabas na hora de ler ou escrever; e erros de ortografia.

Justamente por ser uma maneira diferente de funcionamento do cérebro, a dislexia não tem cura e se apresenta em diferentes graus de intensidade. O tratamento consiste em criar estratégias para que as crianças possam superar as dificuldades e aprender a ler e escrever. Ainda assim, para pessoas com dislexia, a leitura nunca será um processo “automático” como é para quem não tem dislexia, e a dificuldade de aprendizado na escola no geral traz muito sofrimento a essas crianças.

Mello alerta para a necessidade de haver uma mudança no sistema de alfabetização, que considere essas diferentes formas de funcionamento cerebral e adote alternativas para que essas crianças consigam consolidar as habilidades de leitura.

— A dislexia precisa de uma abordagem sistêmica, que envolve a criança, os professores e os pais, e mudanças nos modelos de ensino, para que eles sejam adequados ao ritmo dessas crianças — ressalta a psicóloga.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui