Veja lista de remédios para levar nas viagens com as crianças

O pediatra Daniel Becker destaca medicamentos e outros cuidados que podem ser muito úteis diante de acidentes e imprevistos nas férias

8088
Kit de remédios para as férias, roupas de criança e brinquedos
Além dos remédios, protetor solar e repelente também devem fazer parte da "farmacinha" das férias
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Durante as viagens em família, seja no fim de semana, no feriado ou nas férias, ninguém quer que as crianças adoeçam. Mas, se isso acontecer, pode ser muito útil ter à mão um kit de medicamentos para os problemas mais comuns, de uma diarreia a um enjoo, uma febre ou picadas de inseto.

Pensando nisso, o pediatra Daniel Becker, do Rio de Janeiro, preparou uma lista dos remédios que não podem faltar na mala da viagem. Ele afirma que “saber quais remédios podem ser utilizados, faz toda a diferença” para garantir um passeio tranquilo.

Para saber os nomes comerciais, as dosagens e checar as recomendações dos medicamentos, Becker aconselha os pais a conversar com o pediatra da criança, ou ir num posto de saúde, antes de viajar. “Cada criança tem suas especificidades e alguns desses remédios, que são de uso geral e seguro, podem não ser indicados para seu filho”, destaca. Ele também orienta a verificar com antecedência onde a criança pode ser atendida em caso de emergência na cidade de destino. “Lembre de levar alegria e leveza também”, complementa o médico. A seguir, veja a lista de remédios para a “farmacinha” de emergência nas viagens em família.

Náuseas e vômitos

Para crianças que enjoam em viagens de carro, barco, avião, o pediatra recomenda levar o remédio dimenidrato ou a ondansetrona, sendo este último o mais eficaz e seguro para uso a partir de 2 anos. “Nesse caso, para náusea e vômitos, sugiro uma dosagem geral: um comprimido de 4 mg para dissolver na boca ou em água, podendo ser repetido a cada 8 horas”. Entre 1 e 2 anos, Becker orienta a consultar o pediatra sobre o uso de meio comprimido de 4 mg.

Diarreia

Para o caso de uma diarreia a recomendação é para levar um probiótico. Os dois tipos comerciais principais podem ajudar: um contém o Saccharomyces boulardii, e o outro, o Bacilus clausii. “Lembrando que é fundamental hidratar vigorosamente a criança que vomita ou tem diarreia. Com água, soro caseiro, água de coco e sopas, dados aos poucos e com frequência”, destaca Becker.

Febre e dores

O antitérmico/analgésico não pode faltar, para os casos de febre alta e dores mais intensas. Os três tipos principais são úteis. “Para bebês de menos de seis meses prefira o paracetamol. Para febres altas e dores mais fortes, a dipirona geralmente funciona melhor, além de dar um soninho bom”, afirma o pediatra. Ele acrescenta que o ibuprofeno não deve ser usado no início de uma febre indefinida, sem outros sintomas, pois é contraindicado na dengue. Mas pode ser indicado para uma amigdalite, por exemplo. Para saída de dentes em bebês, ele orienta a dar o picolé materno.

Nariz congestionado

A lista de viagem não pode deixar de fora o soro para lavagens nasais. “Você pode escolher entre os frascos de soro de 500ml com uma seringa, ou a garrafinha de lavagem com sachês, usando água filtrada. Outra ideia é levar um nebulizador para inalações com soro. Mel (para os maiores de um ano) ou um xarope natural para tosse também é uma opção”, indica o pediatra. Saiba mais aqui sobre lavagem nasal.

Alergias

Um antialérgico pode ser muito útil – para uma crise de rinite, uma alergia a picada de inseto ou urticárias, por exemplo. Becker relata que a hidroxizina é uma boa opção para alergias que evoluem com coceira, mas dá sono, o que pode ser bom, se ministrado à noite. Já a fexofenadina é melhor para alergias do tipo rinite e não provoca sonolência.

Para a pele, é recomendado contar com um creme de hidrocortisona a 1%, que poderá ser usado em picadas, eczemas, inflamações leves e localizadas, até ter uma orientação do pediatra. Não é remédio mas também é importante levar o filtro solar e o repelente, priorizando as marcas sem parabenos, conservantes que podem fazer mal à saúde dos pequenos.

Ferimentos

Para pequenos ferimentos, o kit de primeiros socorros inclui um antisséptico, os curativos adesivos, gaze e esparadrapo. Ainda, um pacote de gel para congelar pode ser muito útil nas pancadas, entorses e afins.

Casos de urgência

Finalmente, um frasco de Prednisolona pode ser útil numa situação extrema. Becker faz a ressalva de que esse é um remédio perigoso, prescrito muitas vezes sem indicação ou mesmo usado como automedicação, e por isso deve ser usado com muita cautela. “Mas numa alergia grave, ele salva uma vida. Imagine se seu filho come algum alimento e começa a inchar a boca, os olhos… Ele pode ter uma obstrução respiratória rapidamente. Nesse caso, uma dose única do remédio (junto com o antialérgico) a caminho do hospital pode salvar a vida. É bom ter à mão. Peça a seu pediatra para calcular a dose”, alerta.

Não esqueça os remédios do dia a dia

Além dos medicamentos listados acima, durante as viagens, é preciso lembrar dos remédios que a criança usa no dia a dia ou para problemas específicos. Uma criança asmática, por exemplo, deve levar os medicamentos necessários para uma crise eventual. 

Além dessas sugestões, vale sempre ter uma máscara à mão para o caso de lugares aglomerados e ou que exijam uso da proteção. Com esse kit em mãos, não haverá sustos durante o período fora de casa. Boa viagem e boas férias!

LEIA TAMBÉM:

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui