Debate sobre educação financeira nas escolas é essencial

Recentemente, uma deputada estadual fez um pronunciamento que gerou polêmica sobre o ensino de educação financeira nas escolas; para o economista Carlos Eduardo F. Costa perdeu-se ali uma boa oportunidade de discutir o assunto

378
Menina de chapéu de formatura apoia mão sobre cabeça de forma pensativa
Para Carlos Eduardo, o ensino da educação financeira deve fazer parte do currículo escolar
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Recentemente, uma polêmica tomou as redes sociais. Uma deputada estadual gaúcha fez um pronunciamento contra a educação financeira nas escolas estaduais. Ela dizia que em uma situação de pobreza, a educação financeira não tem como ajudar. Para ela, as famílias não têm como fazer opções em seus orçamentos. A escolha é comer ou não comer. Sua fala passou a ser compartilhada. E como em quase todos os temas atualmente no Brasil, a discussão se politizou. De um lado, se acusava uma deputada de um partido de esquerda de dizer que a educação financeira não é importante. E de outro, a defendiam por mostrar a realidade social do país.

E perdeu-se uma boa oportunidade de se discutir sobre a importância da educação financeira nas escolhas. Para mim, que trabalho com esse tema há quase vinte anos, ela é fundamental. Para o presente, uma vez que as crianças são parte efetiva da vida financeira de qualquer família, e para o futuro delas. Mas também tenho ciência de que a educação financeira sozinha não é capaz de mudar a realidade social do país. Não concordo com a linha de que pobres são pobres por pensar e agir como pobres.

Uma andorinha só não faz verão. Como diz a professora Vera Rita de Melo Ferreira, a maior autoridade em psicologia econômica do país, é preciso um “Quinteto Fantástico” para começar a mudar a realidade de nosso país. O primeiro elemento é a educação financeira, buscando hábitos saudáveis na relação com o dinheiro. O segundo é a psicologia econômica, usando os conhecimentos já existentes sobre o funcionamento de nossa mente, o processo de tomada de decisões e as ciladas que podemos cair. O terceiro integrante do grupo é uma rede de proteção e defesa do consumidor para diminuir as assimetrias que existem por exemplo entre o consumidor e o mercado financeiro. O quarto é o governo com a regulação e supervisão do mercado financeiro, evitando situações de informações privilegiadas e impondo sanções quando necessário. E por último, a arquitetura de escolhas desenhando o contexto para facilitar o processo de tomada de decisões.

E mesmo o Quinteto Fantástico não consegue mudar a realidade social sozinho. São necessárias políticas públicas para diminuir as desigualdades sociais em nosso país. E você, enxerga a importância da educação financeira nas escolas?


LEIA TAMBÉM:


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui