Como ajudar a criança que apresenta comportamentos difíceis na escola

Envolvimento da família é essencial para uma colaboração eficaz no ambiente de ensino, ressalta a psicóloga Helen Mavichian

145
Menina esconde rosto em frente à lousa de sala de aula escolar
Abordagens individualizadas podem atender melhor as especificidades de cada criança
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Por Helen Mavichian* – Lidar com comportamentos desafiadores de uma criança na escola requer habilidade para saber como manejar as situações de conflito. Uma abordagem compreensiva e colaborativa entre pais, professores e profissionais de saúde é imprescindível. A comunicação e o diálogo aberto entre todas as partes responsáveis e envolvidas na vida da criança são essenciais para entender a natureza do comportamento e desenvolver estratégias consistentes em casa e na escola para ajudar com os comportamentos difíceis. 

Para tanto, é importante entender se há causas subjacentes, relacionadas, por exemplo, a problemas emocionais, dificuldades de aprendizado, situações de bullying ou questões familiares. 

Auxiliar os pequenos a desenvolver habilidades sociais para lidar com os demais pode ajudar muito nesse sentido. Ao trabalhar a empatia, a resolução de conflitos e a comunicação – que seja sincera, aberta e clara – a criança se torna capaz de interagir de maneira mais positiva com os colegas e professores no ambiente escolar. 

LEIA TAMBÉM:

Ensinar práticas de autorregulação também é válido: à medida que ela aprende técnicas de respiração, pausas e outras formas de manejo, poderá lidar com a frustração e o estresse de forma mais construtiva e equilibrada, sem ferir os colegas e cuidadores.

Outro maneira para ajudar no desenvolvimento do autocontrole é organizar a rotina da criança e estabelecer compromissos previsíveis durante a semana, proporcionando assim segurança e estrutura à sua vida. Isso pode contribuir para reduzir a ansiedade e conquistar estabilidade emocional.

Para a realização desse trabalho, é essencial envolver profissionais de saúde mental, como psicólogos infantis, que possam contribuir com a orientação da criança e dos pais e responsáveis no ambiente escolar. Inclusive, uma avaliação profissional pode identificar possíveis condições que contribuem para o comportamento desafiador como algum transtorno ou distúrbio associado às ações praticadas pelos menores.

Incentivar o envolvimento familiar na vida escolar da criança é uma prática positiva e necessária. Isso promove uma colaboração eficaz entre escola e família, criando um suporte consistente para a criança se desenvolver. Cada criança é única, diferente, e abordagens individualizadas podem ser funcionais. A paciência, a compreensão e a cooperação entre todas as partes interessadas são fundamentais para enfrentar e superar os desafios comportamentais na escola. 

*Helen Mavichian – psicoterapeuta especializada em crianças e adolescentes e mestre em distúrbios do desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui