Conflitos na escola: uma oportunidade para o aprendizado

Coordenadora pedagógica explica que os desentendimentos fazem parte do cotidiano escolar e, mais que evitá-los, é preciso ensinar as crianças a lidar com eles

332
Alunos apontam para menina que esconde rostocom as mãos
Na relação com os amigos, na escola, os alunos experimentam diferentes conflitos
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Por Vanessa Inagaki* – A escola, enquanto instituição de destaque na formação do indivíduo, desempenha papel crucial não somente na promoção da formação acadêmica, mas, sobretudo, ao proporcionar um cenário para a construção da cidadania global. Nesse contexto, a criança explora e experimenta as genuínas interações sociais, constituindo-se como um cidadão do mundo. 

Iniciamos, portanto, nosso diálogo a fim de dissertar sobre um tema inesgotável nas instituições educativas: o conflito entre os estudantes. Faço aqui uma provocação ao leitor: os conflitos representam um problema ou, ao contrário, servem como um facilitador de aprendizados concretos na escola?

Para fundamentar nossa discussão, trago à tona o entendimento da neurociência, a qual enfatiza que o universo infantil está imerso no âmbito emocional. Nesse sentido, as emoções na primeira infância orientam o comportamento e as ações. Assim, é natural que alunos com idades entre 3 e 10 anos experimentem variados conflitos em suas relações interpessoais. 

LEIA TAMBÉM:

Considerando que a escola constitui o ambiente onde as crianças interagem com indivíduos externos a seu núcleo familiar, que carregam consigo valores e crenças de um microcosmo simbiótico, como esperar que tais relações entre pares, dotados de bagagens distintas e por vezes conflitantes, transcorram sem desafios?

Aqui está o cerne da promoção do desenvolvimento integral do ser humano, que envolve os pilares educacionais do “aprender a ser”, juntamente com os demais: “aprender a conviver”, “aprender a fazer” e “aprender a conhecer”. Diante disso, o conflito assume o papel de elemento formativo no processo educativo, não mais de mero problema.

Como nutrimos a empatia pelo próximo? Como aprendemos a externalizar nossos sentimentos? Como desenvolvemos a habilidade de reparar atitudes impulsivas?

É por meio da formulação de questionamentos pertinentes em situações conflituosas que proporcionamos às crianças ferramentas para descobrirem respostas e estratégias para enfrentarem desafios. 

Consideremos dois alunos, ambos com oito anos, envolvidos em uma briga pelo uso de uma mesa de pebolim. Um mediador adulto poderia induzir a uma reflexão por meio de simples indagações: “o que ocorreu?”, “conseguiram resolver a situação da forma como agiram?”, “como se sentem?”, “poderiam ter usufruído melhor o intervalo jogando pebolim?”, “como podemos corrigir o incidente?”, “como agiriam caso se deparassem com uma situação similar no futuro?”.

Minha vivência de duas décadas no campo pedagógico já me proporcionou inúmeras oportunidades de mediação, cujos impactos demonstraram-se positivos. Entretanto, é necessário considerar algumas ressalvas substanciais. Primeiramente, é crucial avaliar o estado emocional das crianças, pois, se agitados, dificilmente atingiremos nosso objetivo de estimular reflexões e aprendizados. Logo, o acolhimento e a tranquilização são primordiais. Ademais, a neutralidade é um aspecto essencial, uma vez que nosso papel é o de educadores, não juízes.

Concluo estas reflexões salientando uma observação de relevância inegável: conflitos futuros atravessarão a trajetória das crianças, tanto na escola quanto fora dela. Por conseguinte, é imperativo que a escola e a família tenham uma trajetória convergente. Não se trata de evitar que as crianças se envolvam em conflitos, mas, sim, de transformar o conflito em uma oportunidade de aprendizado, munindo-as de um vasto repertório para lidar com divergências e, sobretudo, cultivar a convivência harmoniosa e respeitosa.

*Vanessa Inagaki é coordenadora pedagógica do ensino fundamental I (anos inciais) do Colégio Vital Brazil

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns, pela materia Vanessa inagaki isso me reflete na minha adolecência eu com meus 13 a 16 anos no ginásio e colégio na época dos anos 70 eu era muito rebelde como líder de grupos e turmas, conflitos entre amigos e como sempre deixa disso, mas muita amizades na época , bons tempos., precisamos muito dessa tese e estímulos de assunto na atualidade, mas ainda vejo a pobreza de leitura na atualidade de hoje , pq o celular bate recorde em “besteiras” e incentivos a violência nas crianças de hoje, quem sou eu p/ mudar o mundo. Parabéns também a “canguru news”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui