Crianças desafiadoras: Isa Minatel fala sobre como lidar com elas

Quando as coisas não saem como o esperado, há crianças que pendem para a ação e a raiva, enquanto outras se recolhem na tristeza; psicopedagoga orienta os pais quanto a como ajudá-las

889
Duas imagens mostram menina comexpressão de raiva e a mesmacom expressão de tirsteza
Pais têm de se informar para saber lidar com os comportamentos difíceis das crianças, diz Isa Minatel
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

“As crianças desafiadoras são aquelas que nos convidam mais à presença, a buscar informações, porque só do jeito que a gente aprendeu, a gente não consegue lidar com elas”, explica a psicopedagoga Isa Minatel, palestrante TEDx e autora dos livros “Crianças Sem Limites” e “Temperamentos Sem Limites”. 

Durante palestra no 3o Congresso Internacional de Educação Parental, Isa falou sobre os desafios em educar as “crianças da raiva” e as “da tristeza”, divisão que se baseia na teoria dos quatro temperamentos – colérico, sanguíneo, fleumático e melancólico. “As crianças predominantemente coléricas e sanguíneas vão para a raiva quando as coisas não saem do jeito que elas gostariam, então a gente fala que são as “crianças da raiva”, e, muitas vezes, elas são consideradas desafiadoras”, relatou Isa. 

Isa Minatel

Segundo a psicopedagoga, as crianças com esse perfil partem para a ação, têm muita energia e força, e agem assim em situações de frustração, falta de autonomia e de independência, por exemplo, quando o adulto não as deixa ter um mínimo de controle sobre sua vida. 

“Tem criança “terrível” que não é terrível, só que está sofrendo tanta frustração desnecessária que ela fica assim, porque os pais não sabem outra forma de educar e criam um ambiente que não está adequado ao seu crescimento e desenvolvimento”, afirmou a especialista. São essas crianças que durante momentos de crise dizem frases como “eu não gosto mais de você”, “vou achar outra casa para morar sozinho, sem mamãe nem papai”. 

Isolá-las e mandá-las para o quarto não vai funcionar, melhor é apoiá-las e ver o que precisam, avalia Isa, que disse também ser importante orientar os filhos a usar a raiva de forma produtiva, para que consigam o que querem. Se as notas em matemática não estão boas, em vez de socar a almofada ou a parede e se chatear, a criança deve focar em melhorar as notas, exemplificou.

Crianças da tristeza

As “crianças da tristeza” são aquelas de temperamento melancólico ou fleumático, que guardam para si suas mágoas e desapontamentos e não costumam expressar o que sentem. Logo, é importante que os pais atentem se algo não vai bem e evitem usar a chantagem emocional – dizendo que ficaram tristes com tal comportamento do filho – se isso realmente não for verdade, pois o fará se sentir ainda pior. Mais indicado é conversar com a criança, explicar o porquê da inadequação de seu comportamento, recomenda Isa.

“A criança da tristeza já vem de fábrica. A tristeza faz você pensar, refletir, e não agir, pensar no outro, por que ele fez aquilo, por que agiu daquela forma. A criança empatiza na hora que as coisas não vão bem. Ela fica mal por ter decepcionado o outro, acha que a culpa é dela, que fez tudo errado, e cresce pensando assim”, comentou a psicopedagoga. Para filhos com esse perfil, portanto, é preciso cuidar para não reforçar tais características, prejudicando-os ainda mais. 

Assim como a raiva promove a ação, a tristeza também tem as suas vantagens. “Ela é maravilhosa, sem tristeza, não tem empatia, não tem refazimento para seguir a vida depois de uma dor, de uma perda, de um luto. Sem tristeza é difícil se conectar com o sagrado, porque da tristeza vem o recolhimento, para se escutar, se sentir, se ouvir”, analisa a especialista. 

E ainda que as crianças sejam diferentes de acordo com seus temperamentos, haverá momentos em que as “da tristeza” terão momentos de raiva e explosão, e vice-versa. “Bater é certo ou errado? Depende. Faz uma semana que ela está apanhando e hoje ela bateu. Ela está certa. Demorou!”, afirmou Isa. Ela destacou, porém, que não se deve limitar a educação dos filhos apenas ao certo e ao errado, sendo preciso deixar espaço para as individualidades de cada criança – ainda que especialistas tendam a defender a resolução de conflitos de forma pacífica.

Cantinho do pensar

Isa também falou sobre o cantinho do pensamento, prática que sugere deixar o filho pensando sobre o que fez em algum canto da casa, quando se comporta de modo inadequado. “O ser humano vai ali e pensa, mas não pensa o que a gente queria que ele pensasse, isso não funciona com ninguém, só reforça a raiva para a “criança da raiva”, assim como reforça a tristeza, para a criança triste.”

Abrir a cabeça e entender com quem estamos lidando é fundamental. A psicopedagoga lembra que toda criança traz desafios e é preciso estudar para saber lidar com eles.

“A gente está olhando a criança desafiadora como algo a ser resolvido, consertado, e na verdade, o que precisa ser consertado é o tamanho da nossa ignorância. Quanto mais conhecimento eu busco, menos desafiadora é a criança. Se a gente souber o que fazer, a criança pode ter o temperamento que ela tiver”, disse Isa Minatel. 

Ela declarou ainda que lidar com os comportamentos difíceis dos filhos é um desafio lindo, que nos coloca olhando para nós mesmos, para dentro da nossa história. “E nos permite sair do outro lado melhor do que entramos se aceitarmos o convite da vida de passar pelo portal do maternar com consciência. É lindo de viver”.

LEIA TAMBÉM:

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui