Criança adora fazer birra. Será?

Os pais precisam saber que choros e comportamentos agressivos podem ter outras motivações que não a birra, diz a psicóloga Patrícia Nolêto

2134
Toda criança adora fazer birra, mas será que é birra mesmo?; imagem mostra menina com o cabelo preso dos dois lados de camiseta rosa clara num cenário rosa choc
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Uma das coisas que mais escuto no consultório quando atendo pais é um pedido de socorro em relação às birras dos filhos. Geralmente são pais aflitos que acreditam que fazer birra é algo que só acontece na casa deles. A primeira coisa que faço é normalizar. Acreditem, é esperado que crianças saudáveis façam birras todos os dias.

Muitas vezes os pais associam as birras a falta de respeito, enfrentamento aos pais, falta de limites, provocação. Porém, no geral, a birra não está associada a isso, e sim a uma necessidade de desenvolvimento de autonomia. Entre 2 e 5, anos de idade, temos um “bum” na autonomia da criança. Se você olha para seu filho e sofre pensando que ele já é um menininho, não é mais um bebê, é nessa fase que ele está (rsrsr).

LEIA TAMBÉM: Seu filho se ‘comporta mal’? Ele pode estar querendo lhe dizer algo

Nessa idade a criança passa a ter mais voz, mais capacidade de escolhas, mais segurança em executar, mais habilidade motora, mais capacidade verbal, maior diferenciação entre o mundo e ela mesma e um fortalecimento da sua identidade própria. Lembrando que uma parte importante da personalidade é construída até os 6 primeiros anos de vida. É nesse período que acontece o desfralde, a criança aprende a comer sozinha, trocar a própria roupa, expressar verbalmente e de forma clara seus desejos, andar de bicicleta, escrever o nome, reconhecer algumas letras e aprende a contar. É também quando ocorre uma ampliação significativa de seu vocabulário, ela desenvolve o raciocínio lógico e tem um salto no desenvolvimento da linguagem. E tudo isso acontece cercado por emoções!

Esse é um outro aspecto importante que os pais precisam saber sobre as birras: nem sempre é birra! Isso mesmo, geralmente, quando as crianças choram, batem o pé, tem comportamentos agressivos, falam com raiva, emburram, os pais categorizam tudo como birra. Mas pode ser apenas uma inundação emocional.

LEIA TAMBÉM: 5 dicas para ajudar a combater o mau comportamento do seu filho

A inundação emocional é muita parecida com uma birra (costumo explicar que é como se existissem dois tipos de birra). A criança chora, grita, joga coisas no chão, às vezes ameaça bater, morder, diz que não nos ama mais, às vezes, nos xinga e também sente
raiva.

Como saber quando é birra e quando é inundação emocional? Na birra, a criança consegue parar, ela escolhe ter aqueles comportamentos. Sabe quando a gente ignora e a criança para de chorar, ou quando a gente sai de perto, ela levanta, vai atrás da gente e quando nos acha começa a chorar de novo? Isso é birra!

Na inundação emocional a criança não tem esse controle. Ela está se afogando nas emoções, não consegue parar o choro, entra num loop e não consegue sair. Nessas situações distrair não funciona, nem ignorar, nem se afastar. A criança está inundada por uma enxurrada de emoções, ela está alagada, se afogando e a única coisa que ela precisa nesse momento é de resgate.

Então nesse momento, nós pais, só temos uma escolha: mergulhar na água e trazer nossos filhos de volta. O resgate acontece com empatia, compaixão, abraço, afeto, colo, com uma mão estendida oferecendo ajuda. Treine o seu olhar, aprenda a reconhecer inundações emocionais do seu filho. Você vai perceber como será mais fácil manejar não só as emoções dele, mas as suas também quando a inundação aparecer.

LEIA TAMBÉM: Como lidar com filhos que fazem birra ou ficam agressivos?

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui