Ministério da Saúde recomenda uso polêmico de remédios para crianças e gestantes

Em resposta, Sociedade Brasileira de Pediatria reiterou seu posicionamento contrário ao uso dos medicamentos em crianças e adolescentes

1038
Imagem mostra comprimidos brancos em matéria que fala sobre ampliação da recomendação do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para crianças e gestantes.
Não há evidências científicas que provem a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. Foto: James Yarema/Unsplash
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Na última segunda-feira (15), o Ministério da Saúde anunciou a ampliação da recomendação do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para gestantes e crianças com Covid-19, mesmo em casos leves. A prescrição dos medicamentos fica a critério do médico e é preciso haver a vontade declarada do paciente, com assinatura de termo de consentimento. Não há evidências científicas que comprovem a eficácia da cloroquina no tratamento contra a Covid-19. 

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que já havia se posicionado contra o uso dos dois medicamentos em crianças e adolescentes em documento divulgado no dia 29 de maio, reiterou seu posicionamento. A entidade considera a prescrição das substâncias para crianças e adolescentes inadequada, seja para pacientes com sintomas leves, seja para aqueles com manifestações graves da doença. O motivo é a “inexistência de evidências consistentes e reconhecidas pela comunidade científica como válidas” que comprovem que o tratamento funcione, segundo nota da entidade

Leia também – Como fazer com que seu filho mantenha a distância recomendada de outras pessoas 

“A ausência dessas evidências sólidas impede o uso seguro dessas drogas, seja por que não há confirmação sobre seus efeitos terapêuticos positivos contra a Covid-19, seja por que ainda não foram mensurados com exatidão seus possíveis efeitos colaterais”, continua a nota da SBP. 

A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) não se pronunciou sobre a ampliação do protocolo de uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para crianças e gestantes. Mas, em nota divulgada no início de junho, antes da ampliação do protocolo, a entidade abordou o uso dos medicamentos em gestantes com Covid-19. A nota explica que os dois medicamentos em questão estavam entre os possíveis tratamentos para Covid-19 que estavam sendo estudados, mas acrescenta que “não existem evidências científicas suficientes para indicação formal de qualquer uma dessas terapias na gestação“.

Leia também – Como falar sobre questões LGBTI+ com as crianças 

Na contramão 

No mesmo dia do anúncio do Ministério da Saúde aqui no Brasil, a U.S. Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora de remédios nos Estados Unidos, retirou a autorização de emergência para uso de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, justamente por falta de evidências que apontassem sua eficácia. Para a FDA, “tendo em vista a observação de eventos cardíacos adversos e outros possíveis efeitos colaterais graves, os potenciais benefícios da cloroquina e da hidroxicloroquina são menores que os potenciais riscos de seu uso autorizado”.

Leia também – Consumo de adoçantes por crianças só aumenta; especialista alerta para riscos à saúde 

Na quarta-feira (17), Organização Mundial da Saúde (OMS), pela segunda vez, os testes com hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19. A entidade justificou a decisão dizendo que as evidências científicas apontam que a substância não reduz a mortalidade em pacientes internados com a doença.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis!

3 COMENTÁRIOS

  1. A hidroxicloroquina e a ivermectina funcionam muito bem contra a Covid 19, desde que tomadas aos primeiros sintomas da doença e até o 4o dia. Conheço mais de 700 casos de sucesso, sem uma única internação.

    • Olá, Mauro, tudo bem? Não há até agora comprovação científica de que esses dois medicamentos sejam eficazes no tratamento contra a covid-19. A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) não recomenda tratamento precoce para Covid-19 com qualquer medicamento, porque os estudos existentes até agora não comprovam benefício, podendo, inclusive, causar efeitos colaterais. A orientação da SBI está alinhada com as recomendações de sociedades médicas científicas e outros organismos sanitários nacionais e internacionais.

  2. Ai, gente, que susto. Muda esse título, pelamordedeus, rs… ficou parecendo que vcs estavam de acordo com essa bomba que o governo enfiou goela abaixo da galera

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui