É possível que as crianças estejam dormindo melhor durante a pandemia?

Enquanto há crianças que sofrem com ansiedade e com as mudanças de rotina, outras estão conseguindo dormir mais e melhor

911
Criança dormindo, em ilustração à matéria sobre como está o sono das crianças na pandemia.
Estudo realizado na China mostrou que crianças estavam dormindo mais e melhor durante a pandemia

Seus filhos estão dormindo bem na quarentena? Por incrível que pareça, algumas crianças e adolescentes têm conseguido dormir mais e melhor durante a pandemia do novo coronavírus, enquanto outros não estão conseguindo ter um sono tão tranquilo, pois têm dificuldades para se adaptar às mudanças de rotina e sofrem com ansiedade. É o que mostra uma pesquisa realizada na China e publicada no Journal of Sleep Research. 

No estudo, pesquisadores investigaram hábitos do sono de 1619 crianças durante a pandemia, quando elas estavam em quarentena havia cerca de um mês. As crianças tinham 4, 5 e 6 anos de idade. Os pais e cuidadores responderam a um questionário e os padrões de sono observados foram comparados a um grupo analisado em 2018. Os resultados mostraram que o grupo da pandemia estava dormindo mais durante a noite do que o grupo de 2018 e dormindo menos durante o dia. Segundo os pesquisadores, “de forma inesperada”, os questionários do grupo da pandemia também relataram menos problemas do sono, como sonolência diurna, despertar noturno, resistência à hora de dormir e ansiedade do sono. 

Leia também – Crianças que crescem em áreas mais verdes têm maior QI, diz estudo

Zhijun Liu, professor do departamento de psicologia aplicada na Zunyi Medical University e líder do estudo, afirmou ao jornal americano The New York Times que a expectativa era de que os resultados mostrassem que o confinamento teve um impacto negativo no sono das crianças. A hipótese dos pesquisadores para explicar as crianças com menos problemas do sono na pandemia é que vários fatores teriam ajudado a reduzir o estresse dos pequenos: horários mais flexíveis, maior atenção dos pais e um menor “fardo” em relação a tarefas escolares. 

Outro padrão observado pelos pesquisadores é que crianças com menos problemas do sono eram de famílias que tinham uma alimentação regrada, uma atmosfera familiar harmoniosa e um aumento na comunicação entre pais e filhos, enquanto as com mais problemas dividiam a cama ou tinham aumentado o tempo de uso de dispositivos eletrônicos. 

Leia também – A importância da rotina entre os 0 e os 6 anos de idade

O uso desses dispositivos, inclusive, é o inimigo número um do sono segundo Adiaha Spinks-Franklin, pediatra de desenvolvimento comportamental no Children’s Hospital do Texas, principalmente neste momento em que os pais estão relaxando limites. A pediatra ressalta a necessidade de pelo menos uma hora sem telas antes de dormir e recomenda que os pais resistam a todos os argumentos para deixar o celular entrar no quarto da criança à noite, se necessário até mesmo trancando os dispositivos no próprio quarto do casal e dormindo com a chave no pescoço. 

Judith Owens, co-diretora de medicina do sono no Children’s Hospital de Boston, nos Estados Unidos, e co-autora do estudo chinês, afirma que é possível observar em seus próprios pacientes tanto efeitos positivos quanto efeitos negativos das mudanças de padrões de sono durante a pandemia. Segundo ela, muitos adolescentes que entravam muito cedo na escola, antes da pandemia começar, agora conseguem dormir muito mais de acordo com seus ritmos circadianos. Ela destaca que a regulação do ritmo circadiano também depende de uma rotina estabelecida, com refeições sempre nos mesmos horários, por exemplo, além de exposição à luz natural e prática de exercícios físicos. 

Leia também – Rita Lee lança dois novos livros da coleção do ratinho Dr. Alex

Na ocasião de retomada das aulas presenciais, alguns hábitos de sono adquiridos durante a pandemia terão que ser abandonados. Mesmo para as crianças que não têm problemas para dormir, por exemplo, mas estão indo para cama e acordando mais tarde, os pais terão que tentar reajustar os horários. Os especialistas recomendam que isso seja feito acordando a criança cada vez mais cedo, não deixando ela passar o dia na cama e não deixando que ela cochile durante o dia. Além de evitar dispositivos eletrônicos uma hora antes de cama, também é possível expor a criança à luz natural da manha, assim que ela acordar.  

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis! 

Jornalista formada pela Unesp. Foi trainee do jornal O Estado de S. Paulo e colaboradora em jornalismo da TV Unesp. Na faculdade, atuou como repórter e editora de internacional no site Webjornal Unesp e como repórter do Jornal Comunitário Voz do Nicéia. Também fez parte da Jornal Jr., empresa júnior de comunicação, e teve experiências como redatora e como assessora de comunicação e imprensa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui