Crianças que crescem em áreas mais verdes têm maior QI, diz estudo

Pesquisa foi conduzida por universidade na Bélgica e apontou que mais verde em ambientes urbanos também reduz níveis de comportamentos difíceis das crianças

828
Criança e mãe em área com árvores; imagem ilustra matéria sobre como crescer em áreas mais verdes aumenta QI das crianças.
Pesquisa usou imagens de satélite para medir o nível de verde nos bairros
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Uma pesquisa realizada por pesquisadores da Universidade Hasselt, na Bélgica, apontou que crescer em áreas urbanas mais verdes aumenta a inteligência das crianças e diminui níveis de comportamentos difíceis. O estudo analisou mais de 600 crianças entre 10 e 15 anos de idade, constatando que um aumento de apenas 3% no verde do bairro causou um crescimento de em média 2,6 pontos no quociente de inteligência (QI) das crianças. O efeito foi identificado tanto em áreas ricas quanto em áreas mais pobres. 

Foi observado que o aumento de QI foi particularmente significante para crianças na extremidade inferior do espectro, onde pequenos aumentos já fazem uma grande diferença. A pesquisa, que foi publicada no periódico Plos Medicine, usou imagens de satélite para medir o nível de verde nos bairros. A pontuação de QI média foi 105, mas os pesquisadores observaram que 4% das crianças em áreas com menos verde pontuaram abaixo de 80, enquanto nenhuma criança pontuou menos de 80 em áreas mais verdes. Dificuldades comportamentais, como falta de atenção e agressividade, também foram analisadas nas crianças, através de uma escala de classificação padrão, e a média foi 46. Os autores do estudo identificaram que, com um aumento de 3% no verde dos arredores, os problemas comportamentais tinham uma redução de dois pontos. 

Leia também – Rita Lee lança dois novos livros da coleção do ratinho Dr. Alex

Tim Nawrot, professor de epidemiologia ambiental na Universidade Hasselt, comentou a ligação entre áreas verdes e o desenvolvimento das crianças. “Há cada vez mais evidência de que arredores verdes estão associados com nossas funções cognitivas, como memória, habilidades e atenção”, afirmou, segundo o The Guardian. As causas são incertas, mas pesquisadores acreditam que estão ligadas a níveis mais baixos de estresse, a mais oportunidades para brincadeiras, atividades físicas e contato social e a um ambiente mais quieto. 

Várias pesquisas já relacionaram as áreas verdes com uma melhora de vários aspectos do desenvolvimento cognitivo das crianças, mas este estudo é o primeiro a analisar o QI. Os benefícios de áreas mais verdes identificados em áreas urbanas não foram percebidos no subúrbio ou em áreas rurais. A hipótese de Nawrot é que esses lugares têm verde suficiente para todas as crianças que vivem neles se beneficiarem. 

Leia também – 3 práticas simples para começar a meditar com as crianças em casa – e ajudá-las nas atividades escolares

O estudo não menciona os tipos de áreas verdes (árvores, fazendas, etc.) que afetam o QI, um fator que se mostrou importante em outros estudos. Os pesquisadores destacaram que os resultados indicam que as áreas verdes são benéficas para o desenvolvimento intelectual e comportamental das crianças que vivem em áreas urbanas, o que é relevante para planejar ambientes ideais para que as crianças desenvolvam todo o seu potencial. 

Veja abaixo maneiras de aumentar a capacidade intelectual: 

  • Praticar exercícios físicos. Vários estudos apontam a ligação entre atividades físicas e uma melhor saúde mental, mas, neste ano, pesquisadores descobriram uma associação a uma maior capacidade intelectual: na Universidade do Texas, um estudo mostrou que exercício aeróbico melhora o fluxo sanguíneo para regiões do cérebro relacionadas à memória. 
  • Alimentação. Há alimentos que já foram associados com uma performance cerebral melhorada, como peixes ricos em ômega 3, castanha e até chocolates amargos.
  • Meditação. A meditação tem sido ligada a vários benefícios neurológicos. Além disso, pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriram que a meditação a longo prazo pode ajudar o cérebro a combater os efeitos do envelhecimento. Confira matéria sobre três práticas simples para começar a meditar com as crianças em casa, clicando aqui

Com informações do The Guardian.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis! 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui