O trabalho de cuidado realizado pelas mães atípicas

Enquanto as mães assumem praticamente todas as tarefas relacionadas aos filhos, o pai atípico mantém sua carreira e, muitas vezes, ainda abandona a família

167
Mãe brinca com filho com deficiência em cadeira de rodas
A sobrecarga e falta de reconhecimento do trabalho realizado com os filhos pode acabar adoecendo as mulheres que, não raro, enfrentam um burnout parental
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Além do cuidado convencional que um filho exige, a jornada da mãe atípica ainda é permeada por muitas barreiras impostas pelo preconceito e desafios médicos, terapêuticos, financeiros e emocionais, o que exige bastante resiliência e provoca uma carga mental extra. 

No geral, o trabalho de cuidar recai de maneira desproporcional sobre as mulheres. São elas que ficam responsáveis pela higiene, alimentação, planejamento da rotina, marcação de médico e terapias, reuniões na escola, acordar à noite e garantir todo o cuidado necessário para manutenção da vida dos filhos que têm alguma deficiência, transtorno ou doença rara.

Essas mães, muitas vezes, têm que abrir mão do estudo, da carreira e do lazer, para se dedicar às atividades de cuidado constante e garantir o bem-estar dos filhos. Seus esforços, que acontecem nos bastidores, frequentemente passam despercebidos. Elas não são remuneradas por isso e muitas vezes, vistas como mulheres que “não trabalham”.

Já o pai atípico não costuma afetar a sua carreira, já que no geral ele continua na esfera pública ou privada ganhando dinheiro e tendo o seu trabalho e valor reconhecido. E muitos, diante dos desafios, ainda abandonam a família.

LEIA TAMBÉM:

Burnout parental

Essa invisibilidade, desvalorização e sobrecarga, podem acabar adoecendo as mulheres. Muitas entram num estado de esgotamento e exaustão chamado de burnout parental. Os sintomas podem variar de pessoa para pessoa, mas geralmente incluem uma combinação de fatores emocionais, físicos e comportamentais como: sentimentos persistentes de tristeza; ansiedade ou irritabilidade; dificuldade em lidar com as emoções dos filhos; sensação de desespero ou impotência; baixa autoestima; cansaço constante, problemas de sono, dores no corpo e de cabeça; dificuldade em se concentrar nas tarefas diárias; isolamento social e um sentimento constante de culpa.

Recentemente, eu estava em um grupo de mães atípicas, desenvolvendo um trabalho como educadora parental, quando escutei de uma delas: 

— Mônica, eu estou exausta, cheia de dores no corpo. Lá em casa sou eu que faço tudo. Meu marido não ajuda nos cuidados com nossos dois filhos autistas e recentemente ameaçou ir embora. Eu não estou aguentando mais viver assim.

O pedido de socorro dessa mãe ficou ecoando na minha cabeça a ponto de eu ter uma enxaqueca por dois dias seguidos e desabar no choro. Me senti impotente e lembrei que já tínhamos perdido uma outra mãe em agosto, que faleceu aos 38 anos, com fibromialgia e estava em tratamento de câncer, enquanto exercia a maternidade solo de um filho diagnosticado com autismo e TOD (transtorno opositor desafiador). 

No meu trabalho, vejo mulheres-mães que amam seus filhos e gostam de cuidar deles, mas não querem a sobrecarga de ter que cuidar sozinhas. Elas também têm a necessidade de descanso e autocuidado, mas não conseguem um tempo para si, por falta de amparo.

É fundamental que a sociedade reconheça e valorize o trabalho de cuidado das mães atípicas e ofereça apoio. É preciso também que o poder público promova uma escuta a fim de entender as demandas e criar políticas públicas eficazes do cuidado como: a remuneração das mães cuidadoras; investimento em serviços de saúde e assistência social; oferta de programas de treinamento e capacitação das mães com educadoras parentais e psicólogas; investimento e preparo dos profissionais da educação para receber as crianças com deficiência nas escolas e creches; construção de moradias assistidas para jovens e adultos com deficiência, já que as mães envelhecem e junto ao envelhecimento, vêm as limitações físicas; oferta de horários flexíveis e redução da jornada de trabalho para as mães cuidadoras; extensão da licença parental para os pais a fim de que o casal possa sair para cuidar juntos dos filhos no período pós parto; democratização do acesso à terapia que ainda é muito elitizado a fim de melhorar a saúde mental dessas mulheres. 

Temos que lembrar que o trabalho do cuidado é fundamental para nossa economia funcionar. Essa é uma pauta que eu venho falando nos meus posts e palestras, e foi tema da redação do Enem 2023. O meu desejo é que o governo, os empresários e a sociedade de um modo geral, se empenhem em transformar essa narrativa de invisibilidade do cuidado em uma história de respeito, apoio, reconhecimento e compreensão. Pois cabe a cada um de nós ajudar a construir uma sociedade mais inclusiva,  justa e igualitária. 

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui