Mãe atípica: ‘não sou guerreira nem heroína, sou humana’ 

A educadora parental Mônica Pitanga fala sobre os desafios e preconceitos enfrentados pelas mães de pessoas com deficiência e doenças raras

15
Mônica Pitanga e a filha Luisa durante apresentação de dança
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Quando minha primeira filha nasceu, eu ganhei um nome anexo já na maternidade: mãe “atípica”. Sou chamada assim por ter uma filha que tem uma doença rara e é uma pessoa com deficiência.  

A maternidade atípica é sobre o lugar social que eu ocupo por ter uma filha que é atravessada pelo preconceito, pela negação e a invisibilidade.  

Todas as mães que pertencem a esse grupo receberam junto ao diagnóstico dos filhos uma sentença de que a vida não seria boa a partir dali, nos obrigando a lidar diariamente com o medo, o julgamento e a solidão.   

O capacitismo – que é o preconceito e a discriminação que as pessoas com deficiência sofrem – é estrutural e, assim como o racismo, vem sendo construído ao longo da história. É ele que faz com que as pessoas olhem para minha filha, sintam pena e pensem que ela é uma coitadinha, um anjo especial ou exemplo de superação.  

E ao olhar para a minha filha como um fardo ou um problema, me chamam de guerreira e admiram a supermãe que eu sou. 

Mas a ideia de que a minha maternidade é divina e que Deus me escolheu para enviar um “anjo especial” é capacitista!  

Eu não sou guerreira ou heroína, eu sou humana. Tem dias que eu não me sinto uma boa mãe, estou cansada e preciso pedir ajuda. Em outros, tenho vontade de chorar, preciso me afastar e respeitar a dor. Tem dias que eu erro e me sinto péssima! 

A nossa maternidade só é vista como heroica porque temos que ser fortes para lutar diariamente pelos direitos dos nossos filhos e porque não existem políticas públicas que amparem as cuidadoras. 

 É mais fácil chamar de guerreira ou heroína do que mudar preconceitos e eliminar as barreiras. Mas esse lugar cansa! Eu queria poder ser apenas MÃE.  

Mãe atípica muitas vezes sabe mais da doença do filho do que o próprio médico. Somos terapeutas, psicólogas, professoras, enfermeiras, advogadas… São muitas funções!  

Você já parou para pensar que mãe atípica não pode morrer? Pois se ela vir a faltar, quem vai cuidar do filho ou filha que demanda tantos cuidados? Não temos o direito de descansar e nem de desistir!  

Na maternidade atípica muitas vezes ouvimos: “Deus não dá a cruz maior do que pode carregar” ou “você foi a escolhida, essa é a sua missão.”  Eu não acredito que ter uma filha com doença rara me garante um lugar no céu. Mas sempre digo que meus cinco filhos me transformaram e foi convivendo com eles que me tornei uma pessoa melhor e aprendi muito sobre quem eu sou hoje.  

Lá se vão 20 anos sendo mãe e as transformações continuam acontecendo. Acho que isso faz parte do existir. Em cada livro que leio, em cada curso que faço, em cada palestra que dou, em cada família que atendo – sigo sempre aprendendo e me transformando.   

A maternidade atípica foi o ponto de partida de muitas coisas que sou e faço hoje, mas eu continuo sendo a Mônica, que apesar de ter virado do avesso com a maternidade, não deixou de ter um nome, necessidades e sonhos próprios.  

Hoje meu trabalho é combater ideias e preconceitos através da educação. Criei uma comunidade de mães atípicas chamada “movimento mãe leoa”, onde a gente se acolhe, se apoia, se entende, troca informações e afeto, e se fortalece enquanto grupo. 

 Aprendi que o lugar de desconforto, também pode ser um lugar de expansão e que a mudança que queremos no mundo tem que partir da gente.  

Conheço muitas mães que a partir da dor se transformaram e estão trabalhando com consciência e responsabilidade a fim de criar seres humanos melhores para o mundo. Deixo aqui meu abraço a todas elas. 

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News, sempre no último sábado do mês, no seu e-mail.

Mônica Pitanga
Mônica Pitanga é mãe atípica e rara. Formada em Administração de Empresas. Certificada em Parentalidade e Educação Positivas, Inteligência Emocional e Social e Orientação e Aconselhamento Parental pela escola de Porto, em Portugal. Certificada também em Disciplina Positiva pela Positive Discipline Association. Fundadora da ONG Mova-se Juntos pela inclusão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui