Como as escolas particulares estão se preparando para a retomada das aulas presenciais?

Instituições privadas implementam medidas para receber alunos, professores e funcionários em meio à pandemia do novo coronavírus

1310
Em sala de aula, crianças, de máscara, sentam em carteiras distantes umas das outras; imagem ilustra matéria sobre aulas presenciais em escolas particulares.
Algumas unidades da Maple Bear já voltaram a funcionar, com várias medidas para combater o novo coronavírus | Foto: Divulgação

Ainda há muita incerteza e discussão acerca da retomada das aulas presenciais em todo o Brasil. Enquanto pais, professores e funcionários demonstram preocupação com a reabertura em meio à pandemia e aguardam as decisões dos governos sobre a data de retorno, as escolas particulares já começam a se preparar para receber os alunos. 

A Canguru News ouviu 5 redes escolares espalhadas por diversas regiões do país para saber o que elas estão planejando para esse retorno. São elas: rede nacional de escolas bilingue Maple Bear; Colégio Renovação, em São Paulo; Colégio Positivo, de Paraná e Santa Catarina; Colegium, de Minas Gerais; e Rede Marista de colégios, com unidades em São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Distrito Federal e Goiás.

Em comum, todas as instituições ouvidas afirmaram que incluirão na rotina os seguintes procedimentos:

  • Uso de máscaras
  • Ventilação e limpeza frequente de ambientes
  • Higienização constante das mãos
  • Manutenção do distanciamento social
  • Medição de temperatura com termômetro digital
  • Desativação de bebedouros
  • Distribuição de álcool em gel por todo o ambiente escolar.

Abaixo, detalhamos melhor as providências que estão sendo tomadas por cada rede de ensino. Confira.

Leia também: E se eu não mandar meu filho à escola? Especialistas respondem dúvidas sobre o assunto

Colégio Renovação – Horários de entrada e saída diferentes para evitar aglomerações

Com três unidades na capital paulista e uma em Indaiatuba, no interior do estado, o Colégio Renovação, que atende crianças e adolescentes da educação infantil até o ensino médio, já está realizando as adaptações. No estado de São Paulo, a retomada estava marcada inicialmente para o dia 8 de setembro, mas foi adiada para o dia 7 de outubro – na capital, o prefeito Bruno Covas decidirá ainda neste mês se as aulas retornam em 2020 ou somente no ano que vem

“Todas as orientações e protocolos apresentados pelos órgãos de saúde estão sendo seguidos à risca”, afirma Sueli Conte, diretora geral e mantenedora do Renovação. Para isso, o colégio colocou placas de acrílico na sala de informática, na cantina e na recepção da escola; adquiriu termômetros digitais, totens de álcool em gel e tapetes sanitizadores; e instalou nebulizador na entrada para vaporização de alunos e colaboradores, mochilas e lancheiras. Quando a escola reabrir, além de usar máscaras e manter o distanciamento, os estudantes terão que levar a própria garrafinha de água para não utilizar bebedouros. Os alunos também terão vários horários diferentes para entrada e saída, para evitar aglomeração. 

Leia também – Até 46% dos alunos podem ter infecção por covid após 2 meses de aula, calcula simulador

Maple Bear – Modelo híbrido de ensino, com aulas presenciais e online

A Maple Bear, rede de ensino bilíngue com metodologia canadense, tem mais de 140 unidades em todas as regiões do país, englobando cerca de 30 mil alunos do ensino infantil ao médio. A rede contou com a supervisão da Sociedade Brasileira de Infectologia para planejar sua reabertura. Nas unidades da cidade de São Paulo, o Hospital Israelita Albert Einstein irá realizar uma auditoria de conformidade. A rede planeja o retorno gradual com a criação de uma escala de turmas e também usará termômetros e tapetes sanitizadores na entrada. Uma medida que chama a atenção é o uso de kits individuais, em que cada aluno terá seus brinquedos e seus materiais escolares, de higiene e de alimentação, para que não ocorram trocas ou compartilhamento de objetos. 

Seis unidades da Maple Bear, nos estados de Mato Grosso, Amazonas e Maranhão, já retomaram as aulas presenciais, em sistema híbrido – no Amazonas, a rede privada voltou a funcionar no dia 6 de julho e, no Maranhão, no dia 3 de agosto. No Mato Grosso, apenas algumas cidades autorizaram a reabertura. 

Para Cintia Sant’Anna, diretora acadêmica da Maple Bear, o fato de que as unidades voltaram em sistema híbrido, mantendo aulas virtuais, se mostrou fundamental, tanto para atender a famílias que não se quiseram mandar os filhos para a escola como para atender a redução de capacidade das salas. “A taxa de presença foi crescendo semana a semana, mas entendemos que o modelo híbrido deve prevalecer nos próximos meses”, explica. “Pela experiência que tivemos nas unidades que já retomaram aulas presenciais, o correto uso de EPIs (equipamentos de proteção individual), uma comunicação recorrente com os pais e treinamentos foram muito importantes para um retorno organizado”, afirma a diretora. 

Leia também – Justiça não autoriza abertura das escolas particulares de São Paulo em setembro

Colégio Positivo – Equipe de psicólogos com atendimento online para as famílias

Com 14 unidades no Paraná e Santa Catarina, que atendem da educação infantil ao ensino médio, o Colégio Positivo também vai manter as aulas online para seus alunos – e as aulas presenciais não serão obrigatórias. O Paraná ainda não tem data definida para o retorno escolar, já Santa Catarina deve voltar gradualmente a partir do dia 13 de outubro. A retomada do Positivo será gradual, alternando horários de aulas, dos intervalos, da saída e entrada de alunos. Atividades extracurriculares continuarão suspensas e os colaboradores da escola passarão por uma rotina de treinamento para que mantenham protocolos de saúde. 

O Colégio Positivo tem uma equipe de psicologia, coordenada pela psicóloga Maísa Pannuti, de prontidão para o atendimento online de pais e estudantes. Essa equipe desenvolveu uma websérie, gravada pelos professores, com dicas para a volta às aulas: preparo emocional, como agir durante a volta e o que fazer se bater a ansiedade. 

Foram realizadas reformas em algumas unidades para adaptar salas de aula e áreas comuns para o retorno. Demarcações no chão e sinalizações em cartazes e banners serão utilizados para orientar os alunos. Não serão utilizadas catracas nem ar condicionado. Cantinas e refeitórios permanecerão desativados – o aluno deverá levar o próprio lanche para consumir na sala. Segundo a assessoria de imprensa, entre reformas e aquisições de tapetes sanitizadores, termômetros, totens de álcool em gel, acrílicos de proteção para atendimento, máscaras de tecidos e faceshields, foram investidos cerca de R$ 50 milhões na adaptação das 14 unidades para a volta às aulas. 

As crianças mais novas, da educação infantil, deverão retornar depois das demais turmas e os protocolos específicos para essa faixa etária ainda estão sendo desenvolvidos. 

Leia também – A volta às aulas no mundo

Coleguium – Central de monitoramento no caso de febre ou outros sintomas

O Coleguium, que tem 18 unidades em Minas Gerais, estado que não tem data definida para o retorno escolar, elaborou um protocolo a partir de diretrizes de órgãos de saúde, que foi revisado e validado pela D’Or Soluções, empresa especializada em gestão de saúde e segurança do trabalho. O conjunto de diretrizes foi proposto pelo Eleva Educação, grupo do qual o Coleguium faz parte. A retomada será gradual, em fases. Na primeira, não poderão funcionar cantina, escolinhas (futebol e dança, por exemplo), ensino integral e áreas comuns externas e internas. 

As unidades também contarão com uma central de monitoramento e, em caso de febre ou outros sintomas, o aluno será encaminhado para uma sala de espera e a coordenação será avisada para que o responsável seja notificado. “As mudanças na rotina são grandes, mas necessárias para seguirmos o compromisso de zelar pela segurança e pelo bem-estar de todos”, diz Daniele Passagli, diretora geral do Coleguium Rede de Ensino. 

Leia também: O que a ciência diz sobre os riscos para as crianças na reabertura das escolas

Colégios Maristas – Circulação restrita pelos ambientes com escala de horários específicos para os educadores  

Com unidades no Distrito Federal, em Goiás, no Paraná, em Santa Catarina e em São Paulo, a Rede Marista de Colégios está estruturando toda a operação para receber alunos, professores e funcionários quando for permitido. Tanto no DF quanto em Goiás, o governo não anunciou uma data para o retorno das aulas presenciais. Os colégios estão ouvindo as famílias para elaborar as soluções mais adequadas para a reabertura. 

A Rede Marista de Colégios ressalta que conta com protocolo de segurança que tem chancela do Hospital Marcelino Champagnat e da Escola de Medicina da PUCPR e que contempla uma nova organização educacional, com parte das turmas em aulas presenciais e outra online. Em relação à educação infantil, os alunos estão sendo orientados a levar para a escola um kit com pelo menos três máscaras, álcool gel 70%, garrafa de água com bico, toalha para lanche e meia antiderrapante. Os colégios também estão organizando uma escala específica para que os profissionais da educação infantil não transitem em outros segmentos – assim, haveria um controle maior dos ambientes.

Leia também: Aulas online e maternidade atípica

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis!  

Jornalista formada pela Unesp. Foi trainee do jornal O Estado de S. Paulo e colaboradora em jornalismo da TV Unesp. Na faculdade, atuou como repórter e editora de internacional no site Webjornal Unesp e como repórter do Jornal Comunitário Voz do Nicéia. Também fez parte da Jornal Jr., empresa júnior de comunicação, e teve experiências como redatora e como assessora de comunicação e imprensa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui