Chorar faz o bebê ficar traumatizado? 

Procurar entender as necessidades do bebê para atendê-las faz com que se sinta seguro

213
Mãe olha para bebê que chora
Ao nascer, o bebê se comunica com os pais e cuidadores por meio do choro
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Toda mãe e todo pai querem dar o melhor para os seus filhos, e é comum que ao ouvir o primeiro sinal de choro do bebê, os pais tendem a acudi-lo imediatamente para atender às necessidades dessa pequena pessoinha tão indefesa e vulnerável. 

Quando o bebê começa a chorar, na grande maioria das vezes, é sinal de alguma necessidade que precisa ser sanada, como fome, fralda suja, cólica ou sono, por exemplo. Atender a essa necessidade é fundamental para criação de um vínculo saudável entre a pessoa que cuida (mãe, pai, babá, vovó, etc) e o bebê. 

O ciclo de choro e acolhimento cria as bases que o bebê precisa para se sentir seguro e possibilita um crescimento emocionalmente saudável. Quando esse ciclo é quebrado repetidas vezes e as necessidades do bebê não são atendidas, pode-se sim criar um trauma que irá impactar de forma importante a sua vida.

LEIA TAMBÉM:

Porém, cuidado! Isso não significa que se o bebê chorar um pouquinho porque você, por exemplo, precisou fazer xixi irá criar um trauma para a vida inteira. O único meio de comunicação do bebê no início da vida é através do choro e, às vezes, precisamos observar um pouco para entender exatamente o que aquele choro representa e procurar atender à necessidade apresentada por ele. 

Lembrando que há situações que não representam uma necessidade e sim refletem um comportamento, como as birras (em bebês mais velhos), e requerem uma abordagem diferente do acolhimento. 

Estudos mostram que pais que conseguem responder às necessidades adequadas dos bebês terão filhos mais independentes e saudáveis emocionalmente.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui