Infiltrados nos games: o perigo do assédio a crianças em jogos online

Manter um diálogo constante, orientar os filhos sobre riscos e denunciar usuários são formas válidas de lidar com o assédio virtual nos games

483
Infiltrados nos games: o perigo do assédio de crianças em jogos online; criança com fones de ouvido jogando jogo no celular
O assédio virtual é considerado um crime de acordo com o Código Penal e o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia em 10 minutos

Por Amanda Nunes Moraes e Isadora Noronha Pereira – “Minha filha estava jogando Among Us em uma sala aberta e começou a receber mensagem no chat de um desconhecido. Ele perguntou quantos anos ela tinha, se podia dar um beijinho. Ela usava o login ‘lindinha’. Daí ele escreveu ‘Oi lindinha, vamos nos conhecer?’”. Esse foi um episódio real vivido por Sabrina Laurentino, mãe de Isabella, 8 anos, no jogo online Among Us. 

“A partir desse episódio, fiquei bem preocupada e muito atenta a essa dinâmica dos jogos online”, diz Sabrina. Na época, a filha tinha apenas 6 anos e costumava jogar com os amigos. Entretanto, as salas abertas do jogo permitem que qualquer usuário entre na partida e, consequentemente, faça contato por meio do chat com os outros integrantes. Nesse contexto, muitos jogadores têm a possibilidade de realizar práticas mal-intencionadas, como o cyberbullying e o assédio virtual das crianças nos games. 

Os casos de Sabrina e Isabella não são isolados. Liana Poiani, mãe de Alice, 8 anos, vivenciou uma situação similar com a filha por volta de julho de 2020, já durante o período de pandemia. Ao baixar o jogo Roblox no computador, Alice recebeu mensagens em espanhol de um usuário desconhecido, pouco tempo depois de começar a jogar. O Roblox é uma plataforma voltada para os menores de idade e contava, em 2020, com 54% do público formado por faixa etária de até 13 anos. Portanto, deveria ser um ambiente seguro. Porém, já ocorreram casos de assédio e até abuso virtual dentro do jogo, provocados por adultos pedófilos que se infiltraram no game.

Liana não se lembra do conteúdo das mensagens, mas a aproximação do desconhecido já causou insegurança tanto nela quanto na filha. “Na sequência eu já removi o jogo. Fiquei preocupada pois foi a primeira vez que baixei um jogo pra ela no computador. Ela só tinha acesso a aplicativos bem simples e sem interação, que usava no meu celular”, explica. Após o caso, Alice não jogou mais no Roblox, e mantém interação em outros jogos apenas com os amigos que sabe que estão online no mesmo momento.

Infiltrados nos games: o perigo do assédio de crianças em jogos online; Banner do jogo online Roblox, com alguns personagens.
Apesar de ser um jogo com público infantil, o Roblox já foi alvo de usuários que praticam assédio virtual/ Reprodução

LEIA TAMBÉM


Riscos para a saúde mental

O assédio, seja virtual ou não, sempre pode causar prejuízos para a saúde mental de qualquer pessoa. Com as crianças não é diferente. “Ansiedade, depressão, medo, fobias sociais e reclusão social são os danos psicológicos mais comuns”, afirma o médico Victor Kurita, especialista na saúde mental e física dos gamers. Por isso, o médico alerta que os pais devem ficar atentos a qualquer mudança no comportamento dos seus filhos, desde alterações de humor até no sono e apetite. 

Para Sabrina Donatti, advogada e produtora de conteúdos digitais sobre maternidade e Direito, a solução não está em remover os games da vida dos filhos. “Proibir que a criança participe dos jogos ou culpá-la pelo acontecido não irá ajudar, somente fará com que ela não lhe conte mais nada e entenda que não será acolhida”, diz. Segundo Donatti, a chave está na comunicação e na atenção. “É importante manter conversas frequentes, procurando saber como foi o dia, perguntando sobre pontos positivos e negativos. Isso fará com que, aos poucos, as crianças se abram para contar sobre casos de assédio virtual”, recomenda. 

Victor Kurita concorda que os pais devem se manter sempre abertos para ouvir as reclamações dos filhos e disponíveis para auxiliar em qualquer conflito que as crianças estejam envolvidas. No entanto, também é indicado que os responsáveis busquem ajuda profissional. “Apoio e acompanhamento psicológico com a ajuda de profissionais é sempre necessário aos gamers, independente da intensidade e frequência dos ataques que sofreram”, aponta o médico.

Infiltrados nos games: o perigo do assédio de crianças em jogos online; logo do jogo Among Us
O jogo Among Us se popularizou especialmente na pandemia/ Creative Commons: reprodução

Assédio virtual é crime

A insistência, obsessão, perseguição e ofensa moral causada pelo assédio virtual são consideradas crimes, dispostos tanto na Lei dos Crimes Cibernéticos quanto no Código Penal. Inclusive, dependendo do conteúdo, pode ser tido como um crime de injúria, difamação ou calúnia. “Ele é tipificado como crime de honra e é importante que se tenha prints ou gravações de tela para poder se comprovar o crime”, acrescenta Sabrina Donatti. 

O assédio virtual também é contemplado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, incluído pela Lei nº 11.829, de 2008. De acordo com o Artigo 241-D, “aliciar, assediar, instigar ou constranger, por qualquer meio de comunicação, criança, com o fim de com ela praticar ato libidinoso” pode ter como pena reclusão de um a três anos e multa. “A atenção dos pais e a iniciativa de denunciar é primordial para que se consiga reprimir novos ataques”, reforça Donatti.


LEIA TAMBÉM


Como ajudar a combater o assédio virtual

Em casos de cyberbullying e de assédio virtual, as crianças ou os pais nunca devem ser colocados num lugar de culpa. No entanto, existem algumas atitudes que podem ser tomadas para contribuir ao combate desses ataques. Confira as dicas!

  1. Denunciar

    “Com as provas em mãos, a pessoa precisa provocar a autoridade pública, procurando o seu advogado ou indo direto fazer um boletim de ocorrência para que comece um processo de investigação”, afirma Sabrina Donatti. Para suspeitas de assédio e aliciamento sexual infantil, as vítimas podem recorrer ao Conselho Tutelar, Ministério Público e Polícia Federal. O canal de ajuda da Safernet pode orientar os responsáveis a reportar o crime às autoridades competentes. 
    “Caso seja um perfil fake, não tem problema, pois com a Lei do Marco Civil da Internet os provedores são obrigados a entregar os dados do usuário a partir de ordem judicial”, completa Donatti.

  2. Explicar os perigos do online

    A anonimidade que os jogos online permitem pode tornar o ambiente extremamente perigoso para as crianças. “Infelizmente estamos vivendo em uma sociedade onde o egoísmo, o egocentrismo e a possibilidade de criarmos avatares protegidos por uma tela de computador nos deixam vulneráveis a tais ataques”, afirma Victor Kurita. Por isso, é fundamental que os pais ensinem as crianças sobre os riscos que podem correr no chat dos games. Também é importante bloquear e reportar as mensagens inapropriadas de perfis desconhecidos. 
    Sabrina Laurentino também vê a dica como algo para os pais seguirem nos games: “Não proibir e sim ensinar, orientar sobre não saber com quem está jogando, qual idade real da pessoa. Explicar que pode ser um adulto com perfil falso para enganar as crianças”. Quanto ao bloqueio do usuário, a mãe conta que, no caso de Isabella, o próprio Among Us não oferecia ainda a possibilidade de bloquear por completo, mas a filha baniu o jogador da sala em que estava assim que percebeu as mensagens estranhas.

  3. Manter um diálogo constante

    “O diálogo aberto com seus filhos orientando que os ataques não tem cunho pessoal e que devem sempre se expressar quando houver um fato, são as melhores formas de amenizar tal problema”, ressalta o especialista Victor Kurita. Na visão de Sabrina Laurentino, a dica de manter esse diálogo constante e tranquilo com as crianças é uma boa forma de trazer mais consciência aos filhos sobre a existência das ameaças nos jogos, sem restringir suas atividades. 

  4. Orientar as crianças a não interagirem com desconhecidos

    Apesar dos usuários mal intencionados, jogar com os amigos ainda pode ser uma atividade possível e divertida para as crianças nos ambientes online. Mesmo após o episódio com o Roblox, Liana Poiani explica que a filha joga outro jogo, o PK XD, combinando um horário específico com amigos para entrar na plataforma e interagir em tempo real fora do jogo, evitando desconhecidos. “Aqui em casa, quando ela quer interagir, ela liga antes para a amiga e elas entram juntas para jogar. E se alguém diferente a chama, além de não responder, ela me avisa”.


LEIA TAMBÉM


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui