As crianças só brincam ou também aprendem na Educação Infantil? 

Segundo a BNCC, a interação e a brincadeira são pilares do desenvolvimento infantil; é na creche e na pré-escola que se formam a base para o desenvolvimento de habilidades e conhecimentos adquiridos em etapas posteriores

136
Professora com os alunos no chão cantando; Crianças só brincam ou também aprendem na Educação Infantil?
O livre brincar é uma forma de aprender
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

O senso comum diz que “é fácil” trabalhar com crianças na Educação Infantil, afinal, elas só brincam. E muitas pessoas afirmam que frequentar a escola na primeira infância não é essencial pelo mesmo motivo. Afinal, se for para brincar, é possível brincar em casa. 

Será que os pequenos não aprendem nada mesmo brincando na escola? Essa dúvida é muito comum entre os familiares e tem lá motivos para existir. Para responder à questão, é importante conhecer o papel do brincar na primeira infância ao longo da história. 

O historiador francês da família e infância Philippe Ariès (1914-1984) afirmava que, na Idade Média, não havia um sentimento definido em relação à infância e a criança não era reconhecida em suas especificidades. Seu mundo se misturava ao do adulto, indiscriminadamente. Ao longo dos séculos, esse “mini-adulto” foi ganhando espaço próprio na família e na sociedade e o papel dos educadores neste processo foi fundamental. 

Mais recentemente, estudiosos da psicologia passaram a se dedicar à infância, despertando grande interesse por métodos de ensino-aprendizagem, e então, a criança se torna central na sociedade. O brincar, antes fortemente relacionado a uma espécie de instrumentalização da “criança-adulta”, passa a ser compreendido de maneira mais ampla, como linguagem, forma de expressão infantil. 

LEIA TAMBÉM:

As ideias da pediatra húngara Emmi Pikler (1902-1984), ícone do brincar livre e defensora da abordagem revolucionária no cuidado de bebês e crianças pequenas, são um bom exemplo. Para ela, a exploração é um importante propulsor do desenvolvimento nos primeiros anos de vida. Partindo desta perspectiva, a criança precisa realizar movimentos livres, cuja expressão seja fruto da atividade autônoma, iniciada por ela mesma. 

Atualmente, muitas perspectivas pedagógicas valorizam o brincar livre, a partir do qual a criança pode vivenciar, não apenas seu corpo físico, como explorar e conhecer seu entorno material e social. A educação brasileira muito caminhou para que, em 2017, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) fosse promulgada. 

O documento deixa explícito que a interação e a brincadeira são pilares do desenvolvimento infantil e a Educação Infantil é reafirmada como a primeira etapa da Educação Básica. Ou seja, na creche e na pré-escola também se aprende – e muito, e esta constitui-se a base sobre a qual se desenvolvem as habilidades e conhecimentos adquiridos em etapas posteriores.

Brincar como meio de aprender

Feito esse passeio histórico, fica mais claro compreender que o brincar é, não só a forma de expressão das crianças, como o meio pelo qual elas aprendem. Brincando, se relacionam consigo mesmas, com o mundo ao redor, com seus pares e com os adultos, desenvolvendo sua identidade e (re)criando cultura.  

Na escola, o brincar ganha contornos diferentes do “brincar em casa”. O brincar livre é supervisionado por educadores que se baseiam em conhecimentos científicos e pedagógicos para sua atuação. Partindo da intencionalidade educativa, promovem interação entre a criança e uma diversidade de materiais, situações sociais e suportes, ampliando suas possibilidades de desenvolvimento.

Brincar com água, com areia, com corantes. Brincar com música, com tecidos, com objetos. Brincar de secretária, de padeiro, de astronauta. E é justamente esse brincar mediado e supervisionado que justifica e qualifica a presença da criança na escola. 

Ao investir na Educação Infantil, valorizando a brincadeira como linguagem e como meio de aprendizagem das crianças, estamos proporcionando a elas experiências ricas e infinitas em possibilidades, que também são base para a aquisição de outras habilidades, como ler, escrever e calcular. Nem tudo pode (nem deve) ser ensinado e aprendido através da palavra do adulto, de forma transmissiva. A criança é um ser imitativo por natureza, e nada melhor que a brincadeira para comprovar isso. 

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui