Quarentena aumenta o risco da dependência virtual para os pequenos

Sociedade Brasileira de Pediatria divulga duas novas publicações sobre uso saudável de telas e dependência virtual

1651
Tempo dedicado às telas, como o garoto desta imagem que assiste algo pelo celular deitado em uma cadeira, é alvo de mais um alerta da Sociedade Brasileira de Pediatria
SBP também fala do excesso de tempo dedicado aos videogames ou jogos online
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Não é de hoje que o excesso de tempo dedicado às telas pelos filhos é motivo de preocupação para os pais. Mas o agravamento dessa prática durante a quarentena – seja com desenhos, videogames, estudos ou conversas – levou a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) a divulgar duas novas publicações que falam sobre uso saudável de telas e a questão da dependência virtual.

A entidade chama a atenção para a possibilidade de dependência digital e agravamento dos prejuízos causados pelo consumo exagerado dessas mídias, especialmente durante a atual crise. Para a presidente da SBP, dra. Luciana Rodrigues Silva, os pais devem redobrar os cuidados em relação à tecnologia e reavaliar a rotina dos filhos, para verificar se eles estão extrapolando no uso de equipamentos digitais (TV, notebooks, celular e outros). “As relações humanas precisam prevalecer, norteadas por afeto e compreensão, para que essa fase difícil seja superada em conjunto”, complementa a dra. Evelyn Eisenstein, coordenadora do grupo de trabalho sobre Saúde na Era Digital da SBP.

Leia também: Aumento de casos de miopia pode ter relação com uso de telas e rotina em ambientes fechados

A nota de alerta “Recomendações sobre o uso saudável das telas digitais em tempos de pandemia da Covid-19” elenca sugestões para este período de isolamento social e propõe que os pais estabeleçam também atividades fora das telas, para entreter, educar e desenvolver as habilidades dos filhos. Segundo a entidade, os pais devem reservar e delimitar um tempo para cada uma das áreas abaixo:

  • Afetividade: as crianças e adolescentes precisam conviver com amigos e demais parentes, mantendo ativo o círculo de afetividades. No entanto, é importante combinar um tempo mínimo e máximo para isto acontecer através das telas, sempre com algum acompanhamento.
  • Escola e atividades funcionais: o tempo dedicado às telas, para aulas, pesquisas e tarefas é variável em função da escola, dos equipamentos disponíveis e de outros fatores. É importante acompanhar a abordagem pedagógica e a qualidade de horas gastas com as aulas online. Estes fatos terão impacto no processo educacional e potencialmente na saúde, em casos de exageros.
  • Lazer: investir em jogos, brincadeiras e passatempos tradicionais. Os videogames, jogos online, filmes e aplicativos precisam ser sempre avaliados quanto à regularidade e à pertinência, conforme os critérios da Classificação Indicativa.
  • Convivência familiar: trocar experiências entre si, dialogar e conhecer. Este talvez seja o tempo mais precioso para observar e reconhecer o filho, em suas habilidades, valores, dificuldades e limites. Ocasião propícia para divisão de tarefas domésticas e criar novas formas de unir a família.
  • Saúde: respeitar as horas de sono adequadas para cada faixa etária e manter o horário habitual de ir para a cama; investir numa alimentação saudável e com horários pré-fixados para café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar, evitando ao máximo produtos ultraprocessados; e praticar ao menos uma atividade física regular, seja por meio de exercícios ou brincadeiras com movimentos ativos.

Leia também: 3 estratégias para promover o uso equilibrado de telas pelas crianças

Vício em videogame é classificado como doença pela OMS 

A SBP também divulgou o documento “Dependência virtual – um problema crescente”, em que fala dos possíveis agravos à saúde pelo excesso de tempo de telas dedicado aos videogames ou jogos online. “Gaming disorder” é inclusive o nome da doença que essa prática recebeu na mais recente Classificação Internacional de Doenças (CID-11), feita pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Falta de controle sobre o jogo (início, duração, frequência, intensidade), aumento da prioridade dada ao ambiente virtual em comparação com outras atividades diárias e a continuidade ou aumento do uso, apesar das consequências negativas, são as principais características dessa doença.

“Diante dos atuais acontecimentos globais e a pandemia, estamos ainda mais receosos com essa problemática. Os pais estão sobrecarregados e assim, inadvertidamente, acabam por admitir práticas exageradas que certamente trarão prejuízos para o desenvolvimento físico e psicológico dos seus filhos. Aparentemente inofensivos, os games são uma fonte recorrente de excessos. Não é razoável um jovem passar cinco ou seis horas por dia em jogos, mesmo na quarentena”, afirma a pediatra Evelyn Eisenstein. Ela afirma que um adolescente que tem aulas de ensino remoto em casa e ainda gasta outras quatro ou cinco horas diárias em redes sociais, pode desenvolver problemas graves. Veja quais são os principais prejuízos relacionados ao mau uso das tecnologias:

  • problemas de saúde mental, como irritabilidade, ansiedade e depressão;
  • transtornos do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH);
  • transtornos do sono;
  • transtornos de alimentação;
  • sedentarismo;
  • miopia e síndrome visual do computador;
  • transtornos posturais e músculo-esqueléticos.

Leia também: Deixar crianças em frente às telas pode não ser tão ruim, dizem especialistas

Para orientar o uso de telas por crianças e adolescentes a SBP recomenda:

  • Evitar a exposição de crianças menores de dois anos às telas, mesmo que passivamente. *Liberado apenas para o uso afetivo (contato breve com avós e familiares) gerenciado pelos pais;
  • Limitar o tempo de telas ao máximo de uma hora por dia, sempre com supervisão para crianças com idades entre 2 e 5 anos;
  • Limitar o tempo de telas ao máximo de uma ou duas horas por dia, sempre com supervisão para crianças com idades entre 6 e 10 anos;
  • Limitar o tempo de telas e jogos de videogames a duas ou três horas por dia, sempre com supervisão; nunca “virar a noite” jogando para adolescentes com idades entre 11 e 18 anos;

LEIA AQUI: Recomendações sobre o uso saudável das telas digitais em tempos de pandemia da COVID-19.

LEIA AQUI: Dependência virtual – um problema crescente.

Confira todas as orientações da SBP a respeito da COVID-19 e saúde pediátrica em: https://www.sbp.com.br/especiais/covid-19/

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui