Parentalidade atípica: e quando são os pais que têm alguma deficiência?

A educadora parental Mônica Pitanga chama a atenção para os estereótipos associados à criação dos filhos e fala sobre o filme Uma Família Extraordinária, que retrata o assunto

51
Cena do filme Uma família extraordinária
No filme Uma família extraordinária, pais têm deficiência intelectual
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Muito tem se ouvido falar no termo maternidade ou paternidade atípica para se referir à experiência de criar e educar filhos com deficiência. Mas não podemos esquecer que o termo parentalidade atípica pode abranger uma variedade de situações que não se encaixam nos estereótipos tradicionais associados à criação de filhos, incluindo famílias em que OS PAIS têm alguma deficiência. 

Recentemente, eu assisti a um filme baseado em uma história real que retrata essa situação: Uma Família Extraordinária, disponível no Amazon Prime, mostra a história de Bea, uma jovem que foi forçada a amadurecer muito cedo para aprender a lidar com o fato de que seus pais tinham deficiência intelectual. 

O filme mostra que a garota teve uma infância fora do comum e cheia de aventuras. Bea aprendeu a dirigir aos 10 anos, se mudou de casa diversas vezes e até chegou a morar em uma van com os pais, que se conheceram na juventude, se apaixonaram e decidiram se casar. O romance entre os dois dividiu a opinião dos familiares, que ficaram preocupados com a possibilidade de o casal engravidar e não ser capaz de cuidar de uma criança. Os pais do noivo sugeriram a esterilização, mas como não chegaram a um acordo com a família da noiva, acabaram desistindo.

LEIA TAMBÉM:

A atriz Samantha Hyde – que interpreta a mãe de Bea – é neurodivergente na vida real. Ela engravida e no início, os avós ajudam a cuidar da bebê. Μas chega uma hora que os pais decidem que querem morar sozinhos e levam a criança. 

O filme mostra algumas cenas inusitadas como o dia em que a filha, com uns 7 anos, acorda e sozinha faz o seu próprio café da manhã – cereal com leite – enquanto os pais dormem. 

A casa vive bagunçada e os papéis por vezes se invertem. Tem uma cena que mostra a filha tendo que lembrar a mãe que era hora de ir trabalhar e a ajuda a escolher e vestir a roupa mais adequada. 

Um momento importante é quando chega a hora da filha ir para faculdade e Bea se vê num dilema: mudar de cidade e ir atrás de seus sonhos ou ficar para cuidar dos pais que dependem da ajuda dela?

Apesar de ser considerada uma família diferente e até estranha por quem está olhando de fora, o filme mostra uma jornada marcada pela resiliência, criatividade e uma conexão única entre os três. Em várias cenas a gente percebe o clima de alegria e amor na casa.

Na vida real, eu conheço várias famílias onde o pai ou a mãe nasceu com alguma deficiência física, sofreu acidente ou desenvolveu uma doença degenerativa. 

Mas com deficiência intelectual, só tinha visto em reportagens e agora no filme. 

Existem três casos no Brasil de mães que têm Síndrome de Down, se casaram – duas delas com homens que também têm deficiência intelectual – e geraram filhos sem deficiência. 

A primeira é a Cíntia, mãe do Augusto que acabou tendo sua história contada em um livro: A filha Down em alto astral. 

A outra é Izabel Rodrigues, mãe de Cristinna, que teve como um dos principais desafios provar para os parentes que seria capaz de criar a filha. Sua história foi contada na revista Veja e em vários portais de notícias. E a terceira é a Maria Gabriela, mãe da Valentina. Nesses três casos, os avós colaboraram na criação das crianças, junto com os pais.  

A parentalidade atípica é caracterizada pela adaptação constante. Pais com deficiência ou que têm filhos com deficiência se veem aprendendo a inovar e adaptar suas abordagens para atender às necessidades que vão surgindo. Pode ser necessário desenvolver métodos de comunicação alternativa, estratégias criativas para brincar e até mesmo maneiras diferentes de realizar tarefas cotidianas.

Quero deixar aqui como indicação alguns perfis de pais que têm deficiência e compartilham suas experiências no Instagram:  @paiderodinhas, @nathaliasantos , @familiadaptada, @giganteleo e @ketly.vieira

Os filhos desses pais atípicos crescem em um ambiente que valoriza a empatia e o respeito pela diversidade. Eles aprendem desde cedo a aceitar as diferenças e a reconhecer a riqueza que a diversidade traz à experiência humana.

O amor demonstrado por esses pais é uma força motriz poderosa para superar as barreiras e dificuldades.

É importante lembrar que a comunidade desempenha um papel crucial na jornada dessas famílias. Apoiar a inclusão, promover a acessibilidade e cultivar um ambiente de compreensão são passos fundamentais para criar uma sociedade onde todas as formas de parentalidade sejam valorizadas e respeitadas.

Muitas vezes, criamos estereótipos em torno da parentalidade quando um ou ambos os pais têm uma deficiência. No entanto, convivendo e acompanhando essas famílias consideradas atípicas entendemos que a deficiência não define a capacidade de amar. 

E você, o que pensa sobre esse tema? 

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui