Identidade de gênero: por que escolas e famílias precisam discutir o assunto

"É essencial introduzir na formação dos professores, diretores e alunos conteúdos que os ajudem a lidar com a diversidade sexual de forma humana e consciente", diz a psicóloga Larissa Figueiredo Gomes, que assina esta coluna junto com Bebel Soares

2156
Identidade de gênero: por que escolas têm de discutir esse assunto; ilustração mostra 4 crianças montando um quebra-cabeça em tamanho real
A educação sexual é uma forma eficaz de prevenção e combate ao abuso sexual infantil
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Recentemente voltei a conversar com mães sobre educação e valorização dos professores e algumas delas mencionaram a chamada “ideologia de gênero”, expressão que não é usada por educadores mas que se fortaleceu em documentos religiosos e entre os que são contra a abordagem de identidade de gênero nas escolas .

Embora o assunto já tenha sido amplamente debatido em grupos de mães, ainda é preciso falar sobre isso. Em especial, pelo fato de que o Supremo Tribunal Federal (STF) iria votar no próximo dia 11 de novembro uma ação sobre “bullying homofóbico”, termo que se refere à discriminação de crianças e adolescentes por gênero, identidade de gênero e orientação sexual. Por causa dessa votação, diversos grupos religiosos se pronunciaram e buscam apoio para uma petição online contrária ao tema.

LEIA TAMBÉM: 6 livros que falam sobre abuso sexual (e ajudam a preveni-lo)

É fundamental, portanto, trazer à tona novamente essa temática para garantir que crianças e adolescentes não sejam discriminados de nenhuma forma.

Mais de 70% das violências sexuais acontecem em ambiente intrafamiliar. Logo, não podemos dizer que esse é um assunto que deve ser tratado apenas em casa, pois isso não garante a proteção das crianças. É necessário que a escola discuta educação sexual e que meninas e meninos aprendam sobre as partes íntimas e que o corpo deles é só deles e não pode ser tocado sem consentimento. “Meu corpo, minhas regras” é o lema que devem seguir.

É necessário que a escola discuta educação sexual e que meninas e meninos aprendam sobre as partes íntimas e que o corpo deles é só deles e não pode ser tocado sem consentimento.

LEIA TAMBÉM: Estereótipos de gênero na criação das crianças

Há um enorme equívoco em relação ao que é a educação sexual nas escolas. Não se trata de ensinar as crianças a fazer sexo ou escolher se elas vão querer ser meninos ou meninas. Pelo contrário, a educação sexual é uma forma eficaz de prevenção e combate ao abuso sexual infantil, em um país que sofre seriamente com isso e faz com que meninas de 10 anos tenham de ser submetidas a procedimentos de aborto após sofrer violência sexual.

Para falar com mais propriedade sobre essa questão e explicar o que é a identidade de gênero, convidei uma amiga, Larissa Figueiredo Gomes, psicóloga clínica, especializada no assunto, que trabalha na Atentia Atenção Médica, em Belo Horizonte. Segue abaixo o seu depoimento.

‘Queremos prevenir a violência sexual e o respeito ao corpo’

“O tema de identidade de gênero tem sido amplamente debatido ao longo dos últimos anos. Em 2011, o Ministério da Educação produziu um material denominado “Escola Sem Homofobia”, (http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2015/11/kit-gay-escola-sem-homofobia-mec1.pdf), em que discorre sobre a violência física e simbólica sofrida por pessoas que destoam do que chamamos de heteronormatividade. O conteúdo, basicamente, orientava os professores a ensinar seus alunos sobre o respeito às pessoas, independentemente de sua orientação sexual.

LEIA TAMBÉM: Como identificar sinais de abuso sexual no filho e ajudá-lo. Em vídeo: saiba quem são os abusadores

Porém, após uma leitura rasa deste material, figuras políticas resolveram combater o que eles nomearam “ideologia” de gênero. Importante salientar que este termo foi cunhado por eles e inexiste na literatura. Pejorativamente apelidaram o material de “kit gay”. Bradaram aos quatro ventos que o objetivo era ensinar às crianças que, mesmo nascendo do sexo masculino, eles poderiam escolher ser mulher e vice-versa. Como se isso fosse possível.

Este discurso imprudente gerou na sociedade brasileira comoção tamanha que pessoas que realmente se importam com o futuro de nossos jovens e crianças passaram a ser utilizadas como massa de manobra.

A expressão “gênero social” possui respaldo científico. Surgiu através de estudos antropológicos que provaram que seres humanos, ao longo do tempo, atribuem papéis sociais distintos a homens e mulheres. Assim, a categoria homem e mulher, diferentemente do sexo biológico (macho e fêmea), é uma construção social, que muda com o passar do tempo e está ligado ao contexto cultural em que os indivíduos estão inseridos.

LEIA TAMBÉM: Eles também querem falar de sexo: como lidar com a curiosidade dos pequenos

A questão de gênero gerou pesquisas sobre a condição de pessoas que possuem uma identidade de gênero que não coincide com a sua biologia, ou seja, pessoas que mesmo tendo uma anatomia que lhe vincula a um sexo biológico (macho ou fêmea) se identificam, desde a primeira infância, com os papéis sociais atribuídos ao sexo oposto – os transexuais.

Existem relatos de indivíduos que experimentam essa condição nos mais variados períodos da história e nas mais diversas culturas! E sim, inclusive em culturas não ocidentais (grupos de povos indígenas, chineses, indianos e árabes).

LEIA TAMBÉM: Sexualidade começa na infância – 4 dicas para lidar com o assunto em casa

Ao pesquisar e testemunhar a violência sofrida por estas pessoas, constatei a dura realidade de crianças e jovens que, por não se enquadrarem em um padrão de comportamento visto como “normal”, são violentados, das mais diversas formas, rotineiramente. Soma-se a isso o fato dessas violências serem negligenciadas e, algumas vezes, até estimuladas por “educadores” e família. Isso quando estes não são os próprios autores das agressões. Esse cenário torna evidente a importância de introduzir, na formação dos professores, diretores e estudantes, conteúdos que os ajudem a lidar com a diversidade sexual de forma humana e consciente, entendendo que independentemente da orientação sexual, todos merecem ser respeitados.

Informações equivocadas divulgam por aí que queremos convencer crianças a fazer cirurgia de mudança de sexo, forçar meninos a usar batom e meninas cortarem o cabelo. Isso não é verdade. Queremos mostrar que todos podem ser afetuosos e respeitosos. Queremos produzir oportunidade para todos serem o que quiserem (bailarinos, cientistas, médicos, astronautas, designer e o que mais vier). Queremos prevenir a violência sexual e o respeito ao corpo. Queremos ensinar que meninos também sofrem violência sexual.” (Por Larissa Figueiredo Gomes é psicóloga Clínica na Atentia Atenção Médica)

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

LEIA TAMBÉM: Padecendo no Paraíso: ‘Por que temos medo das questões de gênero?’

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui