Educação Infantil e ensino remoto: diálogo entre escola e família é essencial

2
Ilustração azulada mostra garota pequena escrevendo em papel sobre a mesa. Ela está sentada em uma cadeira e usa dois livros para ficar na altura correta da mesa. O ensino remoto na educação infantil, situação surgida por conta do coronavírus, é algo temporário e pode funcionar se definido um bom roteiro às famílias
O ensino remoto na educação infantil, situação surgida por conta da pandemia do coronavírus, é algo temporário e pode funcionar se definido um bom roteiro para as famílias.

A pandemia causada pelo Covid-19 tem nos imposto situações nunca vividas e em decorrência dela, trazido também, conflitos e angústias filosóficas, conceituais e operacionais.

Um desses assuntos é a análise profunda acerca da Educação Infantil, sua finalidade e objetivos. Com a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) essa etapa se torna parte integrante da educação básica, estando no mesmo patamar de importância do ensino fundamental e médio. Quero ressaltar aqui que a educação infantil é a meu ver, imprescindível para o sucesso dos demais segmentos, é o fundamento do processo educacional. No entanto, precisamos entender também que ela só é obrigatória no Brasil para as crianças a partir dos 4 anos, decisão essa oriunda de uma emenda constitucional de 2009.

Muito se tem perguntado diante dessa crise sanitária sobre a relevância ou necessidade de praticar educação remota com essa etapa da educação básica. Se isso faz sentido, se é legal ou normatizado ou ainda se é benéfico ou não. Muito se tem perguntando, mas poucos estão se aventurando a afirmar isso ou aquilo, sabem o motivo? Porque é inusitado, não foi pensado e nunca vivido. 

Leia também: Unicef alerta para violência infantil durante isolamento social e divulga orientações

Partindo da própria BNCC que diz que a educação infantil “têm o objetivo de ampliar o universo de experiências, conhecimentos e habilidades dessas crianças, diversificando e consolidando novas aprendizagens, atuando de maneira complementar à educação familiar”, em outro trecho reforça ainda dizendo “ para potencializar as aprendizagens e o desenvolvimento das crianças, a prática do diálogo e o compartilhamento de responsabilidades entre a instituição de Educação Infantil e a família”, portanto cabe nossa reflexão acerca de que escola e família devem caminhar juntas, uma completando a outra, potencializando assim as aprendizagens. Diálogo é a chave nesse momento. 

Muito mais importante do que afirmarmos a legalidade dos atos sobre educação infantil e ensino remoto, está a necessidade de pais e professores caminharem juntos, apoiando ações pedagógicas a serem realizadas em casa. Acrescento ainda que essa mediação tecnológica feita pelo professor não será para sempre. É apenas uma parada estratégica por conta de uma crise sanitária. Sendo assim, breve estaremos no ambiente escolar e retomaremos as atividades específicas. 

Leia também: O choro na primeira infância

O que escolas e professores precisam nesse momento é entenderem que pais não são professores e que para o ensino remoto ser funcional nessa etapa, faz-se necessário um bom roteiro para as famílias. Uma bússola onde as atividades sejam explanadas e pormenorizadas para que pais e familiares possam dar continuidade em casa, à educação dos pequenos, que também é de responsabilidade deles. Agora não é tempo de mandar para casa, grandes dossiês (aliás nunca foi), verdadeiros tccs para serem realizados pelas crianças. É hora de trabalharmos os direitos de aprendizagem em casa, com atividades simples e funcionais. Lembrando que não é papel que faz a aprendizagem acontecer, é a experiência entre o indivíduo e o conhecimento. Experiências marcantes, que toquem o coração, atingirão realmente o alvo.

Se a carga horária remota será contabilizada pelos conselhos estaduais como trabalhadas efetivamente, não sabemos ao certo. Poucos conselhos explanaram sobre a educação infantil e até o momento. Mas de uma coisa sabemos: as crianças ganharão e muito realizando atividades dirigidas pedagogicamente, com intencionalidade, para seu crescimento integral. 

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. 

2 COMENTÁRIOS

  1. Diálogo é a chave nesse momento. Experiências marcantes, que toquem o coração, atingirão realmente o alvo. Mas de uma coisa sabemos: as crianças ganharão e muito realizando atividades dirigidas pedagogicamente, com intencionalidade, para seu crescimento integral. Importantíssimo esse trecho do texto. Sou
    professora da Educação Infantil. E tocar a alma e o coração com momentos dirigidos com intencionalidade de trocas, aprendizados, experiências e afeto mesmo que distantes é de grande valia. Claro que não se compara com a socialização propriamente vivida. Me encho de alegria em poder compartilhar com às crianças, os pais ou responsáveis um momento de amizade, solidariedade, companheirismo e dedicação.

  2. Boa tarde,
    Texto muito esclarecedor!! É uma pena que a maioria dos conselhos estaduais e municipais tem se calado sobre a normatização da educação infantil nesse momento dificil.
    Pretendo ficar acompanhando a pagina para acompanhar outras reflexões sobre o assunto.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui