Discriminação e preconceito: que exemplos damos aos nossos filhos?

É no ambiente familiar que as crianças constroem seus valores, por isso é tão importante que os pais fiquem atentos à maneira como lidam com as diferenças, destaca o educador parental Ton Kohler

85
Crianças diversas brincam de cabo de guerra com corda
Crianças percebem as diferenças entre si, mas não se julgam melhores ou piores por isso
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Sempre gostei do pensamento de que as crianças ao nascerem são caixinhas vazias que a gente vai enchendo de coisas com o passar dos anos. Cada uma a seu modo, mas todas elas puras, inocentes, sem pinturas na embalagem, sem forma definida, sem rótulo algum, sendo apenas elas mesmas. 

Com o tempo, entendemos que essas caixinhas puras precisam receber algumas coisas, precisam de características, valores e personalidades. Então, com nossas atitudes, e a partir de tudo que cremos ser bom, passamos a personalizá-las. “O feijão preto é mais saudável que o fradinho ou que o branco”, “Não vamos colocar essa camiseta azul, pois isso é cor de menino”. De brincadeiras inocentes a valores reais intrínsecos ao ser humano, vamos moldando essas caixinhas com o que dizemos e como agimos. 

Muitos livros de educação parental trazem a máxima de que as crianças são excelentes observadoras e não tão boas intérpretes. Gosto de pensar que elas são boas observadoras e excelentes repetidoras. Adoram reproduzir frases e atitudes de adultos por buscarem, inocentemente, o desejo de pertencerem a aquele espaço ou lugar. 

E assim, vendo os pais fazerem, ouvindo eles dizerem, elas vão construindo em si seu julgamento de certo e errado. 

LEIA TAMBÉM:

Eu vi o filme Mogli, o menino lobo com as crianças e eles me perguntaram porque aquele bebê perdido na selva, quando encontrado por uma pantera, não sentiu medo dela. A resposta foi simples, em uma linguagem lúdica expliquei que aquele bebê ainda não percebia o conceito de medo que as panteras geram em nós adultos. 

Uma criança negra e outra branca percebem a diferença entre elas, mas sem o valor de serem melhor ou pior, superior ou inferior, são apenas crianças diferentes. 

O hábito de praticar a discriminação está relacionado aos valores e comportamentos que as crianças aprendem com os pais ao longo da jornada parental. Como você reage a um casal homoafetivo na mesa ao lado no restaurante é informação e conteúdo para geração de valor no seu filho que está no seu colo. A forma como você reconhece o trabalho de uma pessoa humilde que limpa o chão na presença do seu filho se torna referência em como lidar com pessoas de diferentes classes sociais. E isso vale para todas as discriminações presentes e assustadoramente praticadas em nossa sociedade. As crianças percebem a diferença, mas o critério de valor dessa diferença é dado pelos pais. 

Notem que pessoas que sofrem discriminação tendem a ser menos discriminatórias, pois muitas vezes pela dor, entenderam que as diferenças não são critérios de valor para superioridade ou inferioridade, que as preferências nos relacionamentos são gostos a partir de sentimentos, que a amiguinha com Síndrome de Down costuma agir diferente, e isso não é valor suficiente para ser mais ou menos.

O grande problema nesse contexto é o recurso que possui o educador, seja ele pai, mãe, professor, orientador ou técnico. A bagagem que ele recebeu e o conhecimento que adquiriu ao longo da vida determinarão a maneira responsável que trata as diferenças num país com tantas culturas, raças e credos como o nosso, e de fato, na primeira infância, quando as caixinhas ainda estão vazias, o conteúdo é absorvido de maneira profunda, pois tudo é novidade, é interessante, e acaba-se replicando tudo o que se vê e se ouve. 

Vale aqui, para nós, como agimos e abordamos as diferenças interpessoais na presença e na ausência de nossos filhos, o cabelo loiro e liso é realmente mais bonito que o preto e encaracolado do coleguinha? Tudo isso para eles é informação que os forma e os ensina, o que estamos passando?

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.


DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui