Alergias de verão: saiba como prevenir e tratar

Protetor solar, picadas de inseto e frutos do mar são alguns dos responsáveis por contribuir para a manifestação de alergias durante as férias de verão. Especialistas destacam os principais sinais de alerta e o que fazer. Confira!

333
Alergias de verão: saiba como prevenir e tratar; criança coçando o braço
Picadas de inseto são um dos principais responsáveis pelas alergias nessa época do ano
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Sol, calor, praia, viagens… As férias de verão são repletas de delícias para aproveitar em família. Mas, por outro lado, o clima quente, as picadas de inseto e os alimentos consumidos fora de casa são a combinação perfeita para o aumento das alergias. Além disso, com a mudança brusca de temperaturas entre os meses de dezembro e março, a imunidade do corpo tende a oscilar também, o que contribui para que as crianças fiquem mais suscetíveis à reações alérgicas.

Por isso, é fundamental tomar um cuidado redobrado com a saúde dos pequenos nessa época do ano e evitar qualquer susto durante as férias. Para ajudar os pais, especialistas destacaram as principais alergias que se manifestam no verão, quais são os principais sinais de alerta, como tratá-las e preveni-las. Confira!

LEIA TAMBÉM:

Dermatites

Uma das alergias mais comuns do verão, especialmente entre os pequenos, são as brotoejas. “Tratam-se de pequenas erupções na pele, que se não forem tratadas adequadamente, podem deixar manchas e a pele marcada. Surgem com o acúmulo de gordura e suor”, explica Antonio Condino-Neto, Presidente do Departamento de Imunologia da Sociedade Brasileira de Pediatria e Coordenador do Laboratório de Imunologia Humana do ICB-USP.

Na grande maioria das vezes, as brotoejas somem sozinhas. “Para preveni-las o mais indicado é evitar o contato direto com o sol, com produtos para a pele e banho quente. O uso de roupas mais leves também é indicado para evitar atrito com a região”, recomenda o especialista.

A dermatite atópica é outra entre as alergias mais recorrentes entre os pequenos no verão, que leva ao ressecamento e o surgimento de erupções na pele. Segundo Antonio Condino-Neto, o tratamento adequado deve ser realizado em conjunto com um dermatologista, que irá indicar pomadas e cremes para cada caso.

Além destas condições, é preciso ter atenção com os cosméticos como protetor solar, hidratantes e maquiagens. Esses produtos podem conter substâncias responsáveis por causar as dermatites de contato, caracterizadas por sintomas cutâneos como vermelhidão, descamação, bolhas, coceira intensa e sensação de queimadura. “O recomendado é procurar produtos dermatologicamente testados e/ou com selo da Anvisa, guardá-los em lugar protegido de luz e calor e nunca compartilhar itens pessoais, como maquiagem”, diz Clóvis Galvão, médico alergista e imunologista da Universidade de São Paulo e diretor da Clínica Croce.

Principalmente quem vai para a praia, é comum encontrar artistas que fazem tatuagens de henna na criançada. Mas, para o especialista, é preciso tomar cuidado com isso também. “Chamo atenção para essas tatuagens de henna, pois elas podem conter substâncias causadoras de alergias, principalmente para as crianças. No caso de qualquer sintoma, é importante falar com um alergista e imunologista”, alerta Galvão.

Picadas de inseto

No calor, especialmente em lugares abertos e cercados de natureza, é comum encontrar muitos insetos. As picadas, apesar de muitas vezes sumirem em poucos dias, também podem causar alergias nos pequenos. Clóvis Galvão destaca que é preciso se atentar às formigas, vespas e abelhas, pois as reações alérgicas ao veneno destes insetos podem ser letais. “Lesões que provocam coceira, mesmo fora do local da ferroada, além do inchaço de pálpebras, lábios e orelha, falta de ar e tosse indicam a necessidade de avaliação médica, pois são os sinais de uma possível anafilaxia, uma reação alérgica grave e possivelmente fatal”, alerta.

Para evitar as picadas, é importante que os pais apliquem repelentes indicados para a faixa etária dos filhos e busquem utilizar blusas de manga longa e calças compridas quando possível. Outra dica é colocar telas protetoras, somente abrir as janelas e portas após o nascer do sol e fechá-las antes do pôr do sol.

Alergia alimentar

Durante as viagens, é importante que a alimentação não seja deixada de lado. Os pais devem sempre oferecer comidas ricas em nutrientes e tomar cuidado com alimentos que podem causar mais alergias. “Sabe aqueles amendoins servidos durante o serviço de bordo de um avião? Eles podem desencadear uma alergia alimentar em pessoas sensibilizadas”, alerta Clóvis Galvão. Isso porque o amendoim faz parte dos oito alimentos mais alergênicos – os demais são: leite, ovo, soja, trigo, castanhas, peixes e frutos do mar, que são muito consumidos no verão, principalmente por quem viaja para a praia.

Mesmo quem nunca teve nenhuma reação a um alimento que sempre consumiu, pode desenvolver alguma alergia alimentar, por isso, pode ser mais difícil evitá-la. O principal é prestar atenção nos sinais de alerta. “Sintomas cutâneos, gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares fazem parte dos sintomas da alergia alimentar. A anafilaxia é o pior desfecho, portanto, ao menor sinal de alergia é preciso buscar atendimento médico”, recomenda.

Conjuntivite

Por fim, a conjuntivite alérgica é outra doença que pode surgir no verão, por conta do ressecamento ao redor dos olhos, causando uma irritação da conjuntiva, a membrana que protege o olho. Este tipo de alergia causa vermelhidão nos olhos, coceira e aumento das lágrimas. “Para tratá-la, é preciso hidratar a região, lavando-a com água corrente e fazendo compressas de água quente”, finaliza Antonio Condino-Neto.

LEIA TAMBÉM:

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui