37 segundos: filme vai muito além de uma cadeirante que luta contra suas limitações

A educadora parental Mônica Pitanga comenta sobre esse drama japonês que mostra a vida de uma jovem com deficiência, seus anseios, limitações e experiências de vida

646
Cena do filme 37 segundos
Reprodução de cena do filme 37 segundos
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

37 segundos, disponível no Netflix, é um drama japonês, lançado em 2020, que traz como protagonista uma jovem de 23 anos que tem paralisia cerebral e usa uma cadeira de rodas.

O filme é delicado, profundo e nos leva a inúmeras reflexões a respeito da inclusão e das relações que se estabelecem na família. Ele nos mostra que pessoas com deficiência têm os mesmos anseios de qualquer outro ser humano.

Um primeiro ponto importante trazido pelo roteiro é a questão do capacitismo ‒ preconceito contra as pessoas com deficiência ‒ que acontece dentro da família. Yuma é vista pela própria mãe como incapaz de se cuidar sozinha. A mãe, que se dedica quase exclusivamente à filha, acaba sufocando-a com a superproteção. Mas no decorrer do filme vamos entendendo que essa atitude dela está pautada em traumas e medos do passado.

A jovem desenha super bem, é criativa e sonha em ser reconhecida pelo seu talento de criar mangás. Mas mais uma vez enfrenta o capacitismo, quando sua chefe é quem recebe o reconhecimento pelo trabalho.

O filme também aborda uma questão que é um tabu: a sexualidade das pessoas com deficiência. O abandono paterno é colocado em jogo, ao mostrar um núcleo familiar composto por mãe e filha apenas.

Outro ponto importante que o filme traz e envolve as famílias que têm filhos com deficiência é a questão da dependência e do cuidado. Yuma é uma jovem que, como qualquer outra, quer sair sem a mãe , ter amigos, fazer escolhas e namorar. Em uma das cenas, sua mãe, bem nervosa, grita: “Você não consegue fazer nada sem mim!”. Por medo da mãe, ela começa a mentir e a relação vai ficando tão complicada que a filha acaba rompendo e fugindo de casa para viver outras experiências. 

Começa ali uma jornada de autoconhecimento. Ela precisa conhecer melhor o seu corpo, seus gostos, sua história, entender o seu passado, visitar novos lugares, descobrir novas pessoas e explorar o mundo. Essa parte do filme nos faz refletir que pessoas com deficiência precisam encontrar condições favoráveis (as cenas nos mostram que o Japão tem acessibilidade ) para conseguirem trilhar seus próprios caminhos. 

Ao querer entender o porquê do abandono paterno, a protagonista decide ir de encontro com a sua história e nesse processo descobre coisas importantes que a fazem compreender a postura da mãe. Isso foi necessário para que ela conseguisse perdoar, acolher e, mesmo com as diferenças, decidir seguir junto numa relação mais respeitosa.

Eu gostei do filme e acho que vale cada um dos 115 minutos de duração por ampliar o nosso repertório. Não se trata de uma história de uma cadeirante que luta contra suas limitações e ao final encontra superação. Mas, ao contrário, nos mostra uma jovem humana, bastante ciente das suas limitações, que passa por experiências boas e ruins como qualquer pessoa e cresce com elas. A paralisia não a define, sua pouca mobilidade não limita seus sonhos. Yuma não se contenta em sobreviver, ela quer e precisa viver.  

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

LEIA TAMBÉM:

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui