Videogames violentos e os riscos às crianças: 5 coisas que os pais devem saber

Veja o que dizem as pesquisas sobre esses jogos e como avaliar quais são indicados e definir limites para o seu uso

508
Menina joga videogame na tela da televisão
Pais devem observar como o jogo afeta a criança, se há mudanças no seu comportamento, por exemplo, após diversão | Crédito: depositphotos.com
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Muito se discute sobre os efeitos dos videogames violentos sobre as crianças e os adolescentes. Estudos mostraram que, a curto prazo, esses jogos podem aumentar o risco de comportamento agressivo. Porém, os riscos são pequenos e fatores como o ambiente familiar e a personalidade da criança também devem ser considerados, segundo afirmaram outras pesquisas. 

Por videogames violentos entenda-se aqueles que incluem representações ou simulações de violência entre humanos, em que o jogador mata ou causa sérios danos físicos a outro humano, segundo explica a psicóloga e professora da Brown University (EUA), Jacqueline Nesi, em sua newsletter Techno Sapiens. Ela dá como exemplos os jogos Call of Duty, Grand Theft Auto (GTA) e Red Dead Redemption 2, em que cenários de lutas, tiroteios, perseguições, bandidos e mortes são comuns.

Uma investigação feita na Universidade de Oxford, no Reino Unido, em 2019, indicou que entre 66-78% dos meninos adolescentes jogam jogos violentos, mas esses jogos oferecem uma oportunidade para se conectar com os amigos, tendo papel importante na vida social de algumas crianças.

A psicóloga diz que além dessa visão geral dos estudos sobre videogames violentos, é preciso levar em conta os gostos, opiniões e intuição dos pais, bem como o conhecimento que eles têm do filho. 

“Com essa combinação personalizada de dados, preferências e fatores infantis, os pais chegarão a conclusões diferentes. Alguns se sentirão à vontade com seus filhos jogando jogos violentos. Outros vão olhar para o trailer de um jogo de tiro em primeira pessoa e pensar que absolutamente não”, diz Nesi.

Diante desse debate de difícil consenso, a psicóloga elencou uma série de sugestões para ajudar os pais a analisar os jogos e decidir quais são mais indicados para os filhos. 

1. Acompanhe as pesquisas. Os videogames violentos provavelmente causam um pequeno aumento no risco de comportamento, pensamentos e sentimentos agressivos; mas não comportamento violento ou criminoso de longo prazo. Para algumas crianças, o impacto será insignificante; para outros, pode ser maior. Esses riscos devem ser considerados juntamente com a realidade de que participar desses jogos é parte importante da vida social de crianças e adolescentes.

2. Observe o seu filho. Ele é propenso à agressão? Tem problema para regular o seu comportamento? Seu grupo de amigos costuma ter problemas? Se sim, esse pode ser um motivo para cautela. Por outro lado, uma criança não agressiva com um grupo de amigos positivo pode estar mais protegida dos (pequenos) riscos. Preste atenção ao seu filho depois que ele brincar – como isso parece afetá-lo? Eles parecem entender a diferença entre videogame e violência na vida real? Você pode até considerar permitir que seu filho jogue certos jogos por um “período de teste” e fazer uma pausa em qualquer sinal de comportamento agressivo. 

3. Conheça os jogos. Tente jogar um novo jogo com seu filho nas primeiras vezes ou vê-lo jogar de vez em quando. Descubra se ele está brincando com amigos ou sozinho. Confira análises de jogos e classificações etárias em sites como o Common Sense Media . Pode ser útil aprender sobre diferentes níveis e opções de jogo, que podem ser mais ou menos violentos. Descubra se há um bate-papo também e defina-o como privado. Considere ativar ferramentas de controle parental presentes nos próprios jogos e em aplicativos de bate-papo como o Discord.   

4. Fale sobre isso. Explique quaisquer preocupações sobre videogames violentos para seu filho e ouça suas opiniões. Fale sobre os valores da sua família em torno da bondade, respeito e empatia. Pergunte como eles acham que os videogames afetam outras crianças de sua idade. Incentive-os a perceber quando os jogos são exagerados ou irreais.

5. Defina limites (flexíveis). Decida sobre as regras da casa – o que os filhos podem jogar, onde e quando fazer isso – sabendo que as regras irão evoluir à medida que as crianças amadurecem, novos jogos são lançados e os horários mudam. Talvez você decida jogo a jogo. Talvez você estabeleça limites para jogos violentos em casa, mas deixe seu filho brincar na casa de amigos. Ou talvez você permita que seu filho brinque, mas apenas quando for social (ou seja, brincando com outras crianças que eles conhecem). Pesquisas sugerem que a forma como estabelecemos limites também importa. Uma abordagem de apoio à autonomia para estabelecer regras – uma em que nossos filhos sintam que os tratamos como indivíduos e respeitamos suas opiniões – é particularmente eficaz.

LEIA TAMBÉM:

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui