Surto de gripe em São Paulo: crescem casos em crianças e adultos

Febre acima de 39°C e quadros de vômito, diarreia e dificuldade respiratória estão entre os principais sintomas, explicam pediatras; Prefeitura de São Paulo diz que diante do aumento de pessoas com sintomas gripais fará testagem rápida para identificar os vírus circulantes

26478
Adulto apoia mão na testa de menino e olha para termômetro na outra mão; Surto de gripe em SP: crescem casos em crianças
Comum entre os meses de maio e agosto, surto de gripe é atípico nesta época do ano, dizem especialistas
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Por Amanda Nunes Moraes e Verônica Fraidenraich – Assim como no Rio de Janeiro, que vive uma epidemia do vírus influenza A, estados como Bahia, Espírito Santo, Amazonas e São Paulo também veem crescer o número de casos de gripe em crianças e adultos nas últimas semanas.

Hospitais públicos e particulares da capital paulista confirmam o aumento de atendimento a pessoas com sintomas gripais e, em alguns deles, a presença do vírus H3N2, um subtipo do vírus influenza A, que está em circulação no Rio.

“Em São Paulo, já estamos vendo em grande aumento de casos de influenza H3N2, o vírus pode chegar em todo o Brasil”, diz a pediatra, educadora parental e nefrologista infantil Marcela Noronha.

A infectologista Nancy Bellei, professora da Unifesp e coordenadora da testagem do Hospital São Paulo, declarou ao jornal Folha de S. Paulo que nove pessoas foram hospitalizadas com o H3N2 entre segunda (13) e terça (14), somando 19 casos de internação em apenas uma semana, enquanto que em 2020 foram 12 casos registrados entre março e junho, período de pico da gripe.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, foram registrados 111.949 atendimentos de casos de síndrome gripal em novembro na cidade, sendo que dezembro, em 15 dias, já apresenta  91.882 atendimentos. Cerca de metade dos casos, em ambos os meses, são de suspeita de Covid.

No Hospital Infantil Sabará, a taxa de positividade dos testes para o vírus influenza A mais do que dobrou entre novembro e dezembro (de 13% para 29%) e já é a maior do ano. Em números absolutos, pulou de 2 para 13 casos, informa a reportagem da Folha.

À Canguru News, a Rede São Camilo disse não ter constatado um aumento nos atendimentos de pediatria, mas confirmou um crescimento de 59% nos atendimentos diários de pacientes com sintomas respiratórios, entre novembro e o dia 14 de dezembro.

Entre as queixas mais comuns provocadas pelo vírus H3N2 estão febre alta, dor de cabeça, dores nas articulações, nariz entupido, garganta inflamada e tosse. “Em crianças, a febre tende a ser mais alta do que nos adultos, com mais de 39°C. Elas também podem apresentar quadros de vômito, diarreia e até dificuldade respiratória”, aponta Patrícia Rezende, pediatra do Grupo Prontobaby.

Segundo especialistas da saúde, este aumento de casos de influenza ocorre fora de época, já que o pico das infecções dos vírus respiratórios acontece entre maio e agosto. Para Patrícia Rezende, o isolamento social, exigido pela pandemia do coronavírus, contribuiu para conter também a circulação do influenza, mas o afrouxamento das medidas fez com que esse vírus voltasse a circular com mais força neste momento, já que houve uma maior liberação das regras de prevenção nos últimos meses. “As crianças voltaram à escola e os pais ao trabalho. As medidas de prevenção da influenza são as mesmas que as da Covid: distanciamento social, uso de máscaras e higienização. Se os casos de gripe estão aumentando, é porque essas medidas não estão sendo seguidas com tanto rigor”, explica a médica.

Marcela Noronha diz que recentemente houve uma alta nos casos de influenza do tipo H3N2 principalmente nos Estados Unidos. “É provável que esta cepa tenha vindo do hemisfério norte, onde já tinha bastante casos”, diz a médica, que também é colunista da Canguru News.

Marcela Noronha, pediatra e colunista da Canguru News/ Reprodução

LEIA TAMBÉM


Vacina da gripe

A vacina oferecida nos postos de saúde pública contra a gripe tem em sua composição a cepa H3N2, porém, ela é diferente da que circula agora no Rio e em São Paulo. Chamada de Darwin, em referencia à cidade na Austrália onde foi inicialmente identificada, ela não está coberta pela atual vacina.

A composição da vacina oferecida a crianças e adultos nos programas de imunização muda todos os anos e para 2022 a Organização Mundial da Saúde (OMS) já prevê incluir o subtipo H3N2 Darwin do vírus influenza A. Essa vacina porém não estará disponível antes de março, e mesmo que a vacina deste ano tivesse a cepa Darwin, a imunização contra vírus respiratório não dura mais do que seis meses. Portanto, agora e o melhor a ser feito é seguir usando máscaras e manter distanciamento social.

Diferenças entre Covid e influenza A

De acordo com Nancy Bellei, o vírus H3N2 não provoca tantas mortes quanto a Covid-19, se comparados os mesmos grupos de risco. Contudo, os sintomas clínicos do influenza, mesmo que leves, são piores do que os da Covid leve. “O paciente tem febre alta, calafrios, mialgia e cefaleia importantes, mal-estar, fica sem apetite, não consegue levantar da cama. A maioria dos casos leves de Covid não tem isso”, diz Bellei.

Também é possível que a influenza evolua para quadros mais graves. “Cada organismo se comporta de um jeito com o vírus. Pode ser uma gripe mais leve, em que as crianças ficam bem, ficam ativas, ou pode ser uma gripe mais grave, em que elas podem até ter insuficiência respiratória e precisar de suporte de oxigênio”, relata Marcela Noronha. Se isso ocorrer, é importante que os pais busquem atendimento médico.


LEIA TAMBÉM


Cuidados a tomar com as crianças

Normalmente, as crianças levam aproximadamente 10 a 14 dias para se recuperar completamente da gripe, mas isso pode variar, como explica Noronha. “São uns três dias de febre e sete a dez dias de tosse, mas pode mudar muito, não tem um número mágico. Algumas vão tossir mais tempo, outras vão ter febre mais tempo. Cada indivíduo é único no seu sistema imunológico e vai responder ao vírus de uma forma diferente”, diz.

No entanto, existem algumas práticas que podem ajudar na recuperação da gripe e deixar as crianças mais confortáveis. “É fundamental manter a criança bem hidratada. Remédios antitérmicos podem aliviar sintomas de febre, mas é preciso tomar cuidado entre as doses, evitando fazer uma super dosagem”, afirma Patrícia Rezende. Lavar o nariz com soro também é muito importante, segundo Marcela Noronha, pois muitas vezes a criança não sabe assoar o nariz e isso ajuda a melhorar a tosse. Fazer inalação também pode trazer mais bem estar para os pequenos.

Para Patrícia Rezende, os pais não devem correr para a emergência nos primeiros sintomas, principalmente neste momento em que os hospitais são ambientes de alto contágio. “Primeiro faça contato com um pediatra. Se a criança não tiver sintomas graves, é só manter os cuidados em casa”, destaca a médica. 

Atenção a estes sintomas

Mas existem alguns sintomas que devem ser observados com atenção. “Se está fora do período de febre e a criança está muito prostrada, não quer fazer nada, está muito largadinha, ou com uma respiração muito ofegante, é preciso levá-la para um médico para que ela seja avaliada”, relata Marcela Noronha. O desconforto respiratório é um sintoma muito grave que não deve ser ignorado. “A dificuldade para respirar pode ser notada quando a barriguinha está entrando muito na respiração, por exemplo”, acrescenta Patrícia Rezende.

Segundo as especialistas, os pais não precisam ficar alarmados em relação ao influenza, o importante é que continuem seguindo o distanciamento social, uso de máscaras, higienização e outras medidas de prevenção já utilizadas contra a Covid-19. “Lavar o nariz com soro duas ou três vezes por dia é ótimo, pois estudos mostram que isso pode diminuir a quantidade de infecções de vias aéreas superiores altas, como a gripe”, ressalta Marcela Noronha. Além disso, é essencial manter os ambientes ventilados, evitar aglomerações e não levar as crianças gripadas para a escola, realizando o isolamento social. “Aquelas boas práticas que a Covid-19 nos ensinou realmente são muito efetivas”, adiciona a pediatra.

Patrícia Rezende, pediatra do Grupo Prontobaby/ Reprodução

LEIA TAMBÉM

Modelo 3D do Coronavírus e modelo 3D do vírus Influenza


Influenza x Coronavírus: saiba as diferença entre esses vírus respiratórios


Prefeitura de São Paulo fará testes rápidos em pessoas com sintomas gripais

Nesta quarta-feira (15), a Prefeitura de São Paulo informou ter registrado um crescimento de casos de pessoas com sintomas de gripe em suas unidades de saúde. Por conta disso, a rede municipal de saúde iniciará nesta semana a realização de testes rápidos em suas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs), Prontos Atendimentos (PAs) e prontos-socorros, no setor de triagem, para identificar os casos positivos de Covid-19. Será realizada a testagem pelo método antígeno em pacientes com sintomas gripais. A medida contribui para identificar os casos com maior rapidez e manter o monitoramento do paciente na cidade de São Paulo.

Em comunicado enviado, a prefeitura diz que a secretaria municipal de saúde da capital segue monitorando o cenário epidemiológico das doenças virais no município, entre elas o vírus influenza. Essa vigilância é feita por amostras de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e em casos de síndrome gripal por meio da coleta de secreção nasal de pacientes internados em hospitais e unidades de saúde, como AMAS, hospitais infantis e gerais, tanto público como privados.

“A identificação dos tipos de cepas virais circulantes permite avaliar o comportamento do vírus da gripe na cidade, subsidiando a secretaria municipal de saúde em suas ações de assistência, vacinação, campanhas de educação em saúde e demais intervenções pertinentes”, diz a nota da prefeitura.


LEIA TAMBÉM:


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui