O amor é uma escolha: manter um relacionamento requer cumplicidade e companheirismo

Muitas pessoas não conseguem ficar juntas e o motivo é simples. Debitam no outro uma conta que é delas mesmas.

6549
Relacionamento a dois, como mostra essa imagem em que casal forma um coração com as mãos, exige investimento, esforço, renúncia e doação
Estar ao lado do outro, mesmo nos tempos de ventos contrários, faz parte do relacionamento
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Neste mês de junho, comemoramos o dia dos namorados. No dia 06 de julho farei aniversário de casamento. São 23 anos namorando, faça sol ou faça chuva.

O tempo é um amigo que nos ajuda a conhecer melhor o outro, descobrir suas qualidades e usufruir de suas virtudes. No início, vivemos a fase do encantamento.

Mas, ele também é implacável diante das descobertas que fazemos. Descobrimos que o ser amado, idealizado, imaginado, simplesmente não existe. O que temos ao nosso lado é outro ser humano, dotado de falhas, problemas, frustrações. Em nada diferente de nós mesmos. Esta segunda fase, podemos chamar de fase da decepção.

Mas, na convivência a gente acaba descobrindo como equalizar prós e contras. E assim passamos à fase da maturidade no relacionamento.
Quando conseguimos perceber e compreender a fragilidade humana, nos tornamos mais tolerantes com o outro. Tomamos consciência de que para viver junto é preciso aceitar o outro exatamente como ele é. Se por um acaso a mudança vier, estaremos no lucro.

Um relacionamento a dois, para ser duradouro requer cumplicidade e companheirismo. Estar ao lado do outro, mesmo nos tempos de ventos contrários.

Leia também: Por que o relacionamento entre casais com filhos ficou mais difícil na quarentena

Mas os embates da vida não oferecem trégua. E no relacionamento a dois esta verdade se acentua ainda mais. Porque queremos ser felizes e às vezes ser feliz custa caro. Exige um preço, um investimento, exige esforço, renúncia, doação, contato, sair do isolamento, dar a cara a tapa, abrir o coração, expor feridas e desnudar a alma e principalmente olhar para si mesmo. Reconhecer as limitações, as falhas, os limites e mudar aquilo que pode estragar o relacionamento a dois.

Muitas pessoas não conseguem ficar juntas e o motivo é simples. Debitam no outro uma conta que é delas mesmas.

Querem que o outro as façam felizes, esquecendo-se de que felicidade é construção coletiva, é via de mão dupla, é participação do casal. É investimento a dois. O segredo para se manter junto é o foco no compromisso assumido. É a fidelidade ao amor prometido, é investimento cotidiano com gestos de gentileza, respeito e amor. Porque mesmo com os desafios, é possível viver feliz. Mais que um sentimento, o amor é uma escolha.

Leia também: Por que ‘divórcio’ está entre as buscas que mais crescem no Google

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis! 

2 COMENTÁRIOS

  1. Acho um tremendo erro jogar nas costas da outra pessoa a responsabilidade dela me fazer feliz. A felicidade deve estar em mim, o primeiro amor deve ser o amor próprio. Só assim estarei apta a viver bem uma vida a dois sem cobranças. Adorei o artigo. Obrigada por compartilhar conhecimento tão valioso

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui