Parenting Brasil: como a educação parental pode transformar a realidade das famílias

O primeiro dia do evento trouxe para o debate temas como a história da educação parental, a educação emocional e os comportamentos e as necessidades das crianças

1222
Parenting Brasil: como a educação parental pode transformar a realidade das famílias; Ivana Moreira durante Parenting Brasil
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Educação parental. Você já deve ter ouvido falar sobre esse termo, que propõe, de diferentes formas, construir um vínculo duradouro e saudável com as crianças, atendendo às suas necessidades de desenvolvimento. Embora a educação parental seja relativamente nova no Brasil – somente em 2010 a nomenclatura passou a ser usada por aqui –ela surgiu na Áustria há mais de um século, sendo levada para os Estados Unidos em meados da década de 1920 pelos austríacos Alfred Adler (psicólogo) e Rudolf Dreikurs (psiquiatra e educador).

A história desse movimento – quando surgiu, quem são os seus principais expoentes e as mudanças educacionais que trouxe na criação dos filhos – foi o tema da palestra da publisher da Canguru News, Ivana Moreira, na abertura do Parenting Brasil, 1o Congresso Internacional de Educação Parental. O evento começou hoje (19), na capital paulista, em formato presencial e a distância e tem como objetivo debater o papel da educação parental no desenvolvimento da sociedade e compartilhar informações sobre ferramentas e metodologias que fazem diferença no trabalho do educador parental.

“A gente pode transformar as famílias se explicar a mães e pais o poder do que eles falam, de como as atitudes e pequenos gestos impactam na vida de uma criança”, disse Ivana. Durante sua palestra, ela destacou modelos de educação parental conhecidos no Brasil, como a Disciplina Positiva – que tem como uma de suas pioneiras a professora, consultora educacional e colunista da Canguru News, Bete P. Rodrigues – e o Parent Coaching Brasil, fundado por Jacqueline Vilela, certificada em parentalidade consciente e em coaching para pais e co-organizadora do evento. “Nossa missão é transformar as relações familiares de forma positiva e duradoura, contribuindo para a construção de uma geração mais conectada com os seus valores e propósitos”, relata Jacqueline, que também faz parte da equipe de colunistas da Canguru News.

A aprendizagem que os erros e as frustrações proporcionam

A conexão entre pais e filhos também foi abordada pela psicóloga e fundadora da Escola de Inteligência, Camila Cury, em sua palestra durante o Parenting Brasil. Ela destacou a importância do vínculo para um relacionamento saudável entre pais e filhos, principalmente, nos momentos que parecem problemáticos. “As maiores chances que tenho de me vincular com meus filhos surgem quando eles me decepcionam”, afirma Camila. Segundo a psicóloga, erros, frustrações e mesmo perdas são todos processos de muito aprendizado. “A perda nos faz ter noção do que é a felicidade. Se você educa seu filho para ser feliz o tempo todo ele não saberá o que é ser infeliz e poderá não valorizar o que tem”.

Camila conta que não ter medo dos erros é um conselho que recebeu de seu pai – o renomado psiquiatra e escritor Augusto Cury, autor de 55 livros, publicados em 70 países e que já venderam mais de 30 milhões de exemplares. “Tenho a honra de ter tido um pai com uma educação excepcional, muito bem sucedido, mas que sempre me falou de seus erros e fracassos. “É muito importante ter uma educação que nos tire do perfeccionismo e possibilite perceber que há seres humanos educando seres humanos, que falam de suas dores, que transmitem as falhas e dores do percurso, fortalecendo assim o vínculo e encorajando o filho a seguir seu próprio caminho por mais desafiador que ele possa ser.” Camila finalizou a palestra elogiando a educação parental, “uma arte belíssima na aventura do autoconhecimento e da autorregulação quanto a como e o que falamos”.

‘A educação parental é uma arte belíssima na aventura do autoconhecimento e da autorregulação quanto a como e o que falamos”, diz Camila Cury.

LEIA TAMBÉM: Educar-se para educar – conheça a história da educação parental

Como ensinar aos filhos algo que os pais não tiveram

Na palestra “O que os pais não sabiam e agora precisam saber”, a biomédica Telma Abrahão disse que como educadora parental o seu papel é ser agente de mudança na sociedade. “Imagina como seria se nós tivéssemos tido uma educação emocional na infância?, questionou ela, referindo-se ao fato de que essa educacao é algo recente e que, embora os pais de hoje não tiveram acesso a ela na infância, devem aprendê-la para praticá-la com seus filhos.

Formada em biomedicina e com carreira de executiva em banco, Telma contou durante o Parenting Brasil como a experiência da maternidade a fez mudar de profissão e chegar à educação parental.

 “Quando meus filhos eram pequenos, eu tive muitas dificuldades com eles, eu era mandona, julgava, repetia padrões e perdia o controle. Até que, um dia, estava em casa tão exausta com a minha rotina de mãe que cheguei à conclusão de que precisava aprender algo novo. Foi quando comecei a estudar a parentalidade positiva e passei a praticar a empatia e a frear os meus impulsos, troquei gritos por conversa, parei de julgar as crianças por tudo.”

Para Telma, é preciso se dedicar para aprender. “Se você realmente quer contribuir na educação parental, mude você primeiro. Não precisa estar pronta. Você pode ir mudando no caminho, mas lembre-se que você tem que ser um bom modelo. Não pode falar para o filho não gritar se você continua gritando que nem uma louca”, concluiu ela durante sua apresentação no Parenting Brasil.

LEIA TAMBÉM: O que seu filho dirá sobre você daqui a 20 anos?

A escolha dos pais: reproduzir a educação que tiveram ou transformá-la?

A psicóloga especialista em Terapia Cognitivo Comportamental, Patrícia Nolêto, que trabalha há mais de 19 anos com psicologia clínica em atendimento a adultos e crianças, abriu o painel da tarde do Parenting Brasil para falar do impacto dos pais na personalidade dos filhos. Segundo Patrícia, todos nós, mães e pais, temos um modelo parental que é fruto não só do que somos, mas também do que recebemos dos nossos pais e estes, por sua vez, receberam de seus pais e assim por diante, como num elo de corrente. Dentre os diversos modelos parentais, há, por exemplo, pais que estimulam a autonomia, que impõem limites realistas ou que buscam promover a espontaneidade.

“Vamos entregar algo para nosso filhos, que vão entregar algo para nossos netos, como um corrente que começou muitos anos atrás e representa a historia da parentalidade da sua família. Então, frente a essa fato, cabe aos pais se perguntar qual elo da corrente ele quer ser?, comenta Patrícia.

Há pais que entregam exatamente o mesmo que receberam de seus pais e há outros que buscam se transformar e educar os filhos de forma diferente. “Nós não conseguimos mudar o que vivemos, mas conseguimos ressignificar nossa história e fazer um elo mais saudável para nossos filhos, entregando para eles não só aquilo que recebemos, mas aquilo que eles precisam para se tornarem adultos saudáveis”

LEIA TAMBÉM: Seu filho se ‘comporta mal’? Ele pode estar querendo lhe dizer algo

É importante observar o que a criança quer dizer com o seu comportamento

A coach e formadora sueca, Mikaela Oven, que vive em Portugal, foi quem encerrou o primeiro dia de palestras do Parenting Brasil. Mikaela apresentou uma tabela de cores, organizadas segundo a personalidade e o comportamento de cada criança, que ajudam os pais a definir as melhores estratégias para educar os filhos.

Tabela de cores das necessidades da criança:

  • Novas experiências (amarelo);
  • Reconhecimento (vermelho);
  • Segurança e controle (azul);
  • Conexão e pertencimento (verde).

Segundo Mikaela, muitos pais se preocupam com o que é certo ou errado fazer – convencer a criança a comer sopa ou ensiná-la a dormir, por exemplo – mas o foco da educação deve estar em atender às necessidades dos filhos, indicadas por trás de seus comportamentos.

“Existe uma necessidade em nós e nas crianças que cria uma emoção e que gera um comportamento. Quando nós conseguimos perceber as necessidades de nossos filhos, temos uma informação muito valiosa. O comportamento dele comunica alguma coisa mas a necessidade que está por trás nós precisamos satisfazer. Se a criança se sente desconectada dos pais, por exemplo, é preciso investir em mais tempo de qualidade entre pais e filhos, em fazer programas em família juntos, aproveitar as refeições para reunir a família. Saiba mais sobre a palestra de Mikaela aqui.

LEIA TAMBÉM: Momentos especiais: nesta quarentena, reserve um tempo diário para estar junto a cada um de seus filhos

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News, sempre no último sábado do mês, no seu e-mail.

Verônica Fraidenraich
Editora da Canguru News, cobre educação há mais de dez anos e tem interesse especial pelas áreas de educação infantil e desenvolvimento na primeira infância. É mãe do Martim, 9 anos, sua paixão e fonte diária de inspiração e aprendizados.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui