Lorraine Thomas indica 8 hábitos (fáceis de aprender) para lidar com as emoções

Diretora executiva da The Parent Coaching Academy, a inglesa ensina hábitos saudáveis que ajudam a melhorar a relação parental

751
Lorraine Thomas dá dicas aos pais para ensinar filhos a lidar com as emoções
Lorraine Thomas dá dicas aos pais para ensinar filhos a lidar com as emoções
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

A inteligência emocional é um conceito desenvolvido pela psicologia, que diz respeito à capacidade de um indivíduo reconhecer seus próprios sentimentos e a habilidade de lidar com eles. Para adquirir essa inteligência é preciso exercitá-la. Porém, poucas vezes pensamos em como estamos nos sentindo emocionalmente e, no geral, tendemos a ignorar emoções que não sejam socialmente adequadas. Isso se deve em parte ao fato de que, na nossa infância, ninguém falava sobre isso muito menos nos ensinava a lidar com elas. Hoje, porém, a inteligência emocional já é mais conhecida, sendo inclusive trabalhada como conteúdo em muitas escolas.

Par ajudar as crianças a reconhecer suas emoções, o ideal é começar esse treino desde cedo com elas. Mas como exigir isso de pais que não sabem expressar e gerenciar essas habilidades? Pensando nisso, a inglesa Lorraine Tomas, consultora dos estúdios Walt Disney para filmes como “Divertida Mente” e diretora executiva da The Parent Coaching Academy, na Inglaterra, desenvolveu alguns hábitos saudáveis que devem ser inseridos na rotina, com o objetivo de ensinar pais e filhos a lidarem com seus sentimentos. As técnicas foram apresentadas durante sua palestra no congresso Parenting Brasil –1o Congresso Internacional de Educação Parental.

“Meu objetivo é ensinar hábitos fáceis para as famílias, pois a vida já é muito atribulada, tem muito estresse e pouco tempo e energia para lidar com situações difíceis”, explica Lorraine.

Ao saber manejar suas próprias emoções, os indivíduos desenvolvem resiliência, atributo muito importante para superar desafios e momentos complexos. “Meu objetivo é ensinar hábitos fáceis para as famílias, pois a vida já é atribulada, tem muito estresse e pouco tempo e energia para lidar com situações difíceis”, explica. Segundo a especialista, um hábito saudável pode ser estabelecido durante 30 dias, desde que o hábito seja feito com confiança, calma e persistência.

Para aprender a lidar com as emoções

Lorraine Thomas diz que ajudar os pais a lidar com as emoções e torná-los exemplos poderosos para os filhos pode fazer a diferença na vida família. Pensando nisso, a inglesa listou alguns hábitos para serem incluídos no dia a dia das famílias:

1. Administre as emoções a partir de hábitos saudáveis: a primeira etapa é reconhecer que os sentimentos são normais e naturais. Alguns podem ser mais dolorosos e difíceis, como a raiva, o medo e a tristeza, mas até mesmo eles são naturais. “Nesses tempos de covid tudo é muito dificil, muitos pais estão trabalhando de casa e tentando cuidar das crianças. Um pai uma vez me disse que ao final de um dia de trabalho, ia a cozinha e tomava um copo de vinho e que quando notava já tinha bebido a garrafa quase inteira. Ele percebeu que precisava quebrar esse hábito, porque não era saudável. Ele fazia para eliminar o estresse, mas sabia que não era saudável. Decidiu, então, dar a volta no quarteirão por dez minutos ao final de todo o dia de trabalho. E notou que quando voltava estava com outra perspectiva, tinha saído do escritório e voltado como pai. No outro dia, a filha pediu para ir com ele e eles compartilharam esse momento especial”, relata Lorraine. Com esse relato, a profissional demonstra como o ideal é lidar com as emoções (como o estresse) por meio de hábitos saudáveis (caminhadas).

2. Não puna as crianças por suas emoções: muitas vezes, os pequenos gastam muito tempo e energia tentando afastar emoções. Por exemplo, quando as crianças se sentem com medo ou raiva, eles acabam perdendo o controle. Quando, na verdade, deve-se ensinar as crianças a receber as emoções, gerenciá-las e aceitá-las.

Ela explica que nosso cérebro é dividido em duas grandes áreas, que ela chama de andar de cima e andar de baixo. O andar de baixo (região límbica) é o centro emocional do cérebro, quando sentimos raiva, a emoção entra com toda a força como uma corrente elétrica no cérebro. Já no andar de cima (cortex pré-frontal), é onde refletimos sobre as coisas, onde somos racionais e tentamos encontrar uma solução para os problemas.

Quando as crianças estão com raiva, elas recebem uma grande carga de energia, que faz com que elas percam o controle e percam a conexão com a parte de cima, a parte racional do cérebro. E essa reação química interfere no pensamento. Por isso, quando irritadas, é como se elas estivessem ouvindo uma voz muito alta na cabeça delas, e não adianta os pais tentarem acalmá-las, pois elas realmente não ouvem, por isso perdem o controle.

LEIA TAMBÉM: Não sentir, se desconectar das emoções, entrar no ‘modo avião’: isso é saudável?

3. Ensine as crianças a recuperar o controle: Lorraine ensina um método, conhecido como técnica ABC, que pode ser usado com crianças e adultos quando as emoções fogem do controle:

  • Aceite o sentimento, pense que é preciso nomeá-lo para domesticá-lo. Sendo assim, sempre tente dar um nome para a emoção que está sentindo no momento, assim você vai conseguir perceber o que está te incomodando.
  • Respire! Outro meio muito importante de voltar ao controle é respirando, sempre inspirando pelo nariz e soltando pela boca.
  • Conecte o seu andar de cima com o seu andar de baixo: pense nas escolhas que você tem, você sempre pode escolher o que pode fazer.

4. Escute seus filhos para que eles falem sobre suas próprias emoções: é importante que eles tenham esse espaço para falar dos seus sentimentos e também é essencial que os pais os ouçam. A profissional destaca três palavras importantes para aprender a lidar com as emoções: engajar, explorar e empoderar. Ou seja, é preciso ouvir sobre os sentimentos deles, se conectar com eles e ajudá-los a se sentir mais confiantes e positivos. Para isso, foque nos momentos em que eles conseguem lidar bem com as emoções desafiadoras, no lugar de destacar os momentos em que estão batalhando com às emoções dificeis.

5. Priorize o bem-estar familiar e faça um cronograma diário: é essencial que para o nosso bem-estar emocional exista uma rotina. “Estamos dormindo bem? Fazendo exercícios? Nos divertindo? Temos amor? Pense em você, quais desses hábitos você é melhor em praticar na sua família? E qual delas você precisa melhorar?”, indaga a consultora e coach emocional.  Lembre-se de que as pequenas coisas que fazemos significa uma enorme diferença para o nosso bem-estar.

6. Seja uma referencia de resiliência: mostre para os seus filhos que você está trabalhando para administrar as emoções desafiadoras. Explique que você não tem todas as respostas, mas está tentando melhorar isso. Compartilhe isso com as crianças e mostre a elas as ferramentas que está usando para mudar isso, pois eles também podem te ajudarem a lidar com isso. 

7. Cuidado com as telas: quais são seus hábitos com relação ao celular? Reflita sobre isso, principalmente se você quiser impor limites aos seus filhos. Uma hora antes de dormir é importante ter um tempo longe da tela, isso é importante para qualidade e quantidade de sono que você terá. 

8. Seja gentil com você mesmo: faça algo que seu eu do futuro irá agradecer. Quando tomar grandes decisões, seja getil com você mesmo, tenha compaixão. Lorraine ressalta que ser pai não vem com instrução, por isso eles não fazem tudo perfeito, mas fazem o melhor que podem.

Escolha um ponto para começar a mudança e lembre-se de fazer isso com confiança, calma e constância. Ela também aconselha que você compartilhe essa decisão com alguém, pois quando verbalizado, as chaces do hábito se tornar constante são muito maiores.

LEIA TAMBÉM: Reconhecer as emoções: quanto mais cedo os pais começarem, melhor

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News, sempre no último sábado do mês, no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui