Parenting Brasil: evento é um marco histórico da educação parental no país

17 palestrantes e cerca de 400 convidados participaram dos três dias do congresso. Evento de 2021 já tem data e palestrantes confirmados

1141
Congresso de educação parental: Jacque (da esquerda) e Ivana comemoram realização de evento pioneiro que discutiu o papel desse profissional na sociedade
Jacque (esquerda) e Ivana comemoram realização de evento que discutiu o papel do educador parental na sociedade | Foto: Daniela Ortiz
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

O Parenting Brasil – 1 º Congresso de Educação Parental chega a seu terceiro e último dia de evento, reunindo 17 palestrantes e quase 400 convidados, entre inscritos presenciais e a distância.

Um total de 70 pessoas compareceram ao Hotel Intercity Paulista, que sediou o congresso e teve vagas limitadas por questão de segurança sanitária, seguindo todos os protocolos de controle da Covid-19 determinados pelas autoridades de saúde do governo de São Paulo para a realização de eventos.

Mais de 300 participantes também assistiram às palestras virtualmente, entre psicólogos, educadores, coachings, mães e outros interessados na educação parental. A partir de segunda-feira (23), todos os inscritos terão acesso ao link com a cobertura completa das apresentações.

Para Ivana Moreira, publisher da Canguru News e idealizadora do evento, o congresso representa um marco histórico da educação parental no Brasil. “Estamos vivendo um movimento de transformação que não se resume a um evento de três dias, mas a algo muito maior e que atrai cada vez mais profissionais de áreas como educação e saúde, capazes de contribuir para relações familiares mais saudáveis e o desenvolvimento da sociedade.”

LEIA TAMBÉM: “É tão fundamental entender o que nossos filhos precisam”, diz a coach sueca Mikaela Oven

‘É preciso educar o mercado para ensinar a parentalidade’

Jacqueline Vilela, co-organizadora do congresso, que fundou e administra a Parent Coaching Brasil, também se diz muito contente com os resultados do encontro. “Estamos educando o mercado a ensinar a parentalidade. Como é algo muito pioneiro, a gente ainda precisa vir com esse discurso do que é educação parental, para mostrar aos pais seus benefícios. Esse desbravar ainda vai ter alguns anos para que aceitem melhor esse conceito, mas a tendência é que ele fique cada vez mais popular.”

Jacque foi uma das palestrantes do dia e falou sobre “O mercado de trabalho e marketing na educação parental”. Ela apresentou números da área, conceitos e técnicas do marketing essenciais para um bom posicionamento profissional e também destacou a importância de cada educador acreditar em si para fazer com que os outros acreditem também.

“A gente precisa se sentir competente primeiro para depois ser competente. Eu acredito que aquilo que eu ofereço vale cada centavo que as pessoas pagam para estar ali comigo, acredito na minha entrega.”

LEIA TAMBÉM: Parenting Brasil – 2º dia traz temas como comunicação não violenta e palestrantes como a inglesa Lorraine Thomas

Educadores têm de promover a conscientização das famílias

Na apresentação “Identificando a dinâmica de cada família”, a psicóloga clínica e educacional Cristiane Rayes ressaltou a necessidade dos psicólogos e educadores parentais promoverem a conscientização e o autoconhecimento das famílias, para que sejam capazes de perceber suas dificuldades e possam pensar em facilidades e estratégias para lidar com elas.

Segundo Cristiane, mais que querer que os pais sigam à risca todas as orientações e sugestões recomendadas pelos profissionais, é importante que os pais se sensibilizem com o assunto. “Muitas vezes, os pais têm acesso a muita informação mas não conseguem colocá-las em prática”, afirma a psicóloga. Em suas consultas, ela usa jogos e outros materiais terapêuticos para ajudar as crianças e os adultos a expressarem seus sentimentos e emoções. como bonequinhos . Então, uma maneira de tocar os adultos é  “Se o pai acredita que ser bravo, grita com o filho e mesmo bate nele porque acredita que essa é a maneira mais adequada de educá-lo, é preciso pensar em formas de mostar a ele que essa estratégia não é eficaz”, diz Cristiane.

LEIA TAMBÉM: Fotos e histórias da família são uma ótima forma de se conectar com os filhos

‘Cuidado, educadores parentais, nós temos a tendência a falar demais’

A professora e trainer em Disciplina Positiva, Bete P. Rodrigues, uma das palestrantes do último dia do congresso de educação parental, falou sobre o desafio do papel desse especialista que atua em uma profissão inovadora mas que sequer está regulamentada. “O educador parental é a pessoa que vai influenciar os adultos que, por sua vez, querem influenciar os filhos para um melhor relacionamento na família”, ressaltou a educadora.

Em sua apresentação, Bete falou das 10 competências que todo educador parental precisa ter, entre as quais, ser íntegro, conhecer seu público para ter empatia, praticar uma comunicação assertiva, ter habilidades sociais e pessoais, ser criativo, curioso, saber encorajar os outros e amar o que faz. Ela relatou a importância de conhecer quem são as mães e pais com quem o educador parental trabalha. “Cuidado, educadores parentais, nós temos a tendência a falar demais. Mas no se trata de passar um monte de conteúdo ao pais e explicar o passo a passo do que eles têm que fazer. É preciso saber se comunicar com eles para fazer chegar a mensagem e, muitas vezes, o silencio é suficiente para que a mensagem chegue”, afirma a especialista. Para Bete, uma boa escuta ativa pode ser mais poderosa até do que todas as formas de fala.

LEIA TAMBÉM: Pesquisa mostra como a culpa materna afeta os filhos

Congresso de educação parental:: Nathália Goulart falou sobre o papel das empresas na educação parental
Nathália ressaltou necessidade de maior paoio das empresas a mães e pais | Foto: Daniela Ortiz

Para cuidar de uma criança é preciso uma aldeia inteira (e as empresas fazem parte dessa aldeia)

O papel das empresas na disseminação da educação parental foi o alvo da apresentação de Nathália Goulart, coordenadora de comunicação da Bloom, uma startup que oferece benefícios corporativos a mães e pais. Trata-se de uma rede de apoio digital para as famílias, que dá orientações quanto aos cuidados dos filhos, favorecendo assim o desenvolvimento profissional dos colaboradores e o seu bem-estar físico e mental.

Nathália lembrou que as mulheres são as mais prejudicadas no mercado de trabalho pelas dificuldades em conciliar as demandas profissionais e domésticas. Uma pesquisa feita pela Bloom mostrou que quase 10 em cada 10 mulheres não conseguem equilibrar tais demandas. Segundo a coordenadora, criou-se um muro entre a vida pessoal e profissional, como se fossem coisas que não se misturam, “mas temos percebido que isso não existe: ir para o escritório e esquecer da casa, assim como ir para casa e fechar a janelinha do trabalho.” Para ela, as empresas têm percebido cada vez mais que é importante investir nos funcionários. Elas oferecem práticas como meditação e atividades físicas e culturais, mas parece que a parentalidade ficou escondida. Ainda são poucas as empresas que despertaram para esse desafio.”

De acordo com a profissional, há um aumento da extensão da licença-maternidade, auxílio-creche e outros benefícios a mães e pais, mas é preciso mais que isso. “Mães e pais precisam de uma outra lógica e ferramentas para que sejam bem sucedidos em casa e no trabalho. A coordenadora finalizou a palestra com um provérbio africano que diz que “para cuidar de uma criança é preciso uma aldeia inteira”, e isso inclui diferentes atores, inclusive, as empresas, explicou.

LEIA TAMBÉM: Parenting Brasil: como a educação parental pode transformar a realidade das famílias

Participantes elogiam organização do evento

Entre o público presente, estava a psicopedagoga Andressa Machado, que compareceu aos três dias do congresso de educação parental. “Aprendi muito com as ferramentas apresentadas e as histórias contadas, que mostram como as famílias podem ser protagonistas do próprio sucesso, o qual pode se entendido como a construção de uma família feliz”. Já a arterapeuta Daniele Coelho, que também participou de forma presencial do congresso, disse que as apresentações lhe proporcionaram grandes aprendizados. “Se a gente quer um mundo melhor, temos de começar dentro de nós essa mudança, plantando uma sementinha e acho que foi isso que me trouxe a esse evento”.

2ª edição do congresso de educação parental está confirmada para 2021

Durante o evento, a organização confirmou a data da segunda edição do congresso, que irá ocorrer nos dias 18, 19 e 20 de novembro de 2021. Foram antecipados também alguns dos palestrantes que estarão presentes, entre os quais, a psicopedagoga Isa Minatel, a pediatra mineira Dra. Filó, o psicólogo Alexandre Coimbra Amaral, a psicóloga e consultora educacional Rosely Sayão e o escritor e criador da Pedagogia Empreendedora, Fernando Dolabela.

LEIA TAMBÉM: “É tão fundamental entender o que nossos filhos precisam”, diz a coach sueca Mikaela Oven

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

2 COMENTÁRIOS

  1. Oi, Daniela, tudo bom? Que bom que você gostou do evento. Estamos todos muito felizes pela qualidade das apresentações e pela rica troca de experiências que o público proporcionou. Ano que vem tem mais! Obrigada! Um abraço, Verônica.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui