Excesso de suor e odores fortes em crianças: o que é hiperidrose e bromidrose

Quando há excesso de transpiração e mau cheiro, crianças podem enfrentar constrangimentos; especialistas explicam sobre possíveis causas e tipos de tratamentos

2901
Menino de camiseta listrada colorida incomodado com o mal cheiro de um tênis que está segurando. Fundo verde com elementos roxos demonstrando o odor.
A hiperhidrose e a bromidrose são responsáveis pelo suor excessivo ou pelo forte odor em crianças
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Ainda que seja comum ver uma criança bastante suada após muita correria e diversão, algumas delas possuem maior predisposição a transpirarem excessivamente. O suor pode ser um motivo de vergonha entre os amiguinhos, sem contar o constrangimento do mau cheiro.

O suor é composto por água e pequenas quantidades de sais minerais, produzido pelas glândulas sudoríparas, localizadas nas camadas internas da pele. Sua principal função é a regulação da temperatura corporal, podendo ocorrer a liberação do suor também em momentos de estresse, raiva, nervosismo e medo. Porém, em alguns casos, a sudorese acontece sem a presença de nenhum desses fatores.  

Por ser a causa de desconforto entre as crianças e preocupação entre os pais, a Canguru News conversou com especialistas para esclarecer dúvidas relacionadas à transpiração infantil. A hiperidrose é o excesso de produção de suor, e a bromidrose é o mau cheiro persistente associado ao excesso de suor. Entenda as causas e diferenças entre as duas condições: 

Hiperidrose

A hiperidrose é caracterizada pelo trabalho excessivo das glândulas responsáveis pela produção do suor, resultando em uma produção maior do que o necessário, até mesmo em repouso. Ela se manifesta desde a infância e segue até a vida adulta, principalmente nas mãos, axilas e pés. Lápis escorrendo entre os dedos, uso constante de lencinhos para secar as mãos e chinelo escorregando podem ser indícios da doença. “O excesso de peso, ingestão de alimentos como alho ou cebola e algumas doenças específicas também podem fazer com que a produção de suor aumente” informa Paulo Telles, pediatra da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)

Apesar de não ser considerada grave, a hiperidrose pode ter impacto direto na autoestima das crianças. É importante que, antes da realização de um tratamento específico, sua causa seja investigada, para que assim o tratamento seja mais incisivo. “Antes do tratamento, a causa deve ser estabelecida. O exame médico, locais  do corpo onde ocorre, em quais situações do dia a dia ela se agrava e se existem doenças relacionadas são fatores que devem ser estudados”, relata Selma Hélène, presidente do Departamento de Dermatologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP). 

Em casos menos graves, o uso de antitranspirantes e medicamentos que buscam inibir o suor são suficientes. Já, quando existe um maior incômodo por parte dos menores, tratamentos mais elaborados podem ser realizados. “Para os casos mais graves existem procedimentos cirúrgicos, como a lipoaspiração da axila, uma cirurgia que visa inibir o nervo que causa suor excessivo na planta do pé e na palma da mão. A aplicação de toxina botulínica (botox) nas áreas onde o suor é excessivo também pode ser uma opção terapêutica”, revela Paulo Telles. A aplicação do botox pode ser eficaz por aproximadamente um ano para paralisar a ação do nervo que induz à produção do suor, explicam os especialistas.

Bromidrose

A bromidrose é caracterizada pelo mau odor persistente em algumas regiões do corpo, estando associada ao excesso de suor. O cheiro desagradável é causado por bactérias que vivem normalmente na derme. Essas bactérias, quando em desequilíbrio, se alimentam de nutrientes secretados pelas glândulas, de maneira que passam a produzir um odor forte e característico. As axilas, virilhas e peito costumam ser os principais focos da doença. 

“A bromidrose pode ocorrer por fatores genéticos, por excesso de transpiração, pela má higiene ou pela presença de bactérias no local. É preciso procurar um dermatologista para investigar a causa do mau odor”, afirma Maria Paula Del Nero, dermatologista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia. 

Segundo Paulo Telles, existem algumas medidas caseiras que podem ajudar no combate ao mau odor. “Os menores devem tomar banho diariamente, lavando muito bem as axilas, os pés e a região pubiana, principalmente após atividades esportivas. Também podem usar detergentes com ação antibacteriana, lavar a roupa com temperaturas elevadas para matar as bactérias que existem nos tecidos e dar preferência a roupas com tecido de fibra natural, pois absorvem melhor o suor.”

Os casos devem ser analisados individualmente por um especialista, que então irá direcionar o tratamento de forma específica e singular. Entre os tratamentos mais indicados pelos profissionais estão: uso de desodorantes antitranspirantes, uso de discos absorventes ou palmilhas, injeção de botox, iontoforese (aplicação de botox) e, em casos mais graves, cirurgias que reduzem a produção de suor. 

A bromidrose pode abalar seriamente a autoestima dos menores, que além de receberem tratamento dermatológico, também devem ser acompanhados pelos pais. “Informem-se, busquem bons profissionais para ajudar no acompanhamento e tratamento de seus filhos. Infelizmente, estas situações podem levar a constrangimento, problemas sociais e até bullying. Conversar com as crianças sobre o tema pode ajudar a prevenir estas dificuldades. Por isso, informar e trazer a possibilidade de tratamentos é muito importante” destaca Paulo Telles. 


LEIA TAMBÉM


1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui