Coletivo busca dar apoio e acolhimento a pais atípicos

Grupo incentiva presença paterna na criação dos filhos, promovendo encontros para debater temas relacionados a deficiências, síndromes e transtornos

68
Pai atípico e filha com Síndrome de Down têm as mãos pintadas de laranja
Presença paterna faz toda diferença na vida dos filhos
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

A presença do pai tem grande importância na vida dos filhos, contribuindo para que as crianças se desenvolvam de forma plena e tenham relações saudáveis na vida adulta. Porém, a régua da paternidade no Brasil, no geral, é muito baixa. Tanto que o pai que troca fralda ou participa minimamente da rotina do seu filho é considerado por muitos um paizão. 

E há aqueles que sequer chegam a assumir a paternidade, haja vista o número de crianças que não têm o nome do pai em seus documentos. Em 2023, 172.289 bebês foram registrados apenas com o nome da mãe na certidão de nascimento, segundo dados do Portal da Transparência do Registro Civil, revelando um aumento de 5% em relação a 2022. E se focarmos nas crianças com deficiência, os dados são ainda mais desanimadores.  

Um total de 78% dos pais homens de crianças com deficiência e doenças raras abandonaram seus filhos antes de eles completarem cinco anos de idade, informa pesquisa do Instituto Baresi. 

Esses dados mostram o quanto a parentalidade atípica é desigual para pais e mães. Nasce uma criança com deficiência, nasce uma mãe atípica e um pai que se acha no direito de escolher ou não o exercer da sua paternidade. 

Nas famílias que enfrentam o abandono paterno, toda a carga do cuidar e gerir o lar fica sob os ombros das mães, que acabam na maioria abrindo mão de tudo pra cuidar da criança. 

A sociedade enxerga as mães atípicas como heroínas ou guerreiras, mas, na verdade, elas são mulheres cansadas e sobrecarregadas. 

LEIA TAMBÉM:

Na tentativa de mudar esse cenário, há um movimento de pais atípicos – eu entre eles – que, conscientes de seu papel, têm se reunido desde 2020, em meio à pandemia, para conversar sobre os desafios da paternidade em relação aos filhos com deficiência. 

Daniel “Zoia” Fernandes, pai dos trigêmeos Maria Flor, Benício e Pedro (sendo um deles uma criança com Síndrome de DiGeorge, conhecida também como Síndrome de Microdeleção 22q11), fez uma série de lives acerca de temas como inclusão, capacitismo e falta de representatividade paterna. 

A identificação com as temáticas debatidas fez com que outros pais atípicos entrassem no debate, incluindo pais com deficiência e filhos sem deficiência, o que resultou na fundação do Coletivo Pais Atípicos. O grupo possui uma formação horizontal, sem cargos hierárquicos, sendo as decisões tomadas democraticamente através de debates e votos verbalizados que ocorrem nas reuniões mensais de forma virtual. 

É importante destacar que, o Coletivo Pais Atípicos é um grupo apartidário e laico, embora seja compreendido que suas ações são gestos políticos na direção de melhorar as políticas públicas de inclusão. 

O coletivo conta hoje com 11 membros, sendo dez pais que são atípicos porque têm filhos com deficiência e um pai com AME (atrofia muscular espinhal) desde criança, que é pai de uma criança sem deficiência. 

Um dos principais objetivos do coletivo é o comprometimento em oferecer apoio a todos os pais, típicos e atípicos, que se sentirem tocados a participar e contribuir com atitudes propositivas no avanço das leis e no ativismo para difundir ações de conscientização da luta anticapacitista sobre as mais diversas deficiências, síndromes e transtornos. 

Além disso, o grupo faz o acolhimento e escuta ativa de pais em relação ao diagnóstico de seus filhos, trazendo reflexões acerca das paternidades e masculinidades em grupos de apoio e rodas de conversas. 

Convido todos a visitar o perfil @coletivopaisatipicos e para conhecer histórias de alegria, receios, desafios e conquistas desses pais que fazem o possível para deixarem um mundo melhor para seus filhos. 

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

Niltinho Ricardo
Pai preto de quatro filhos: Arthur, Heitor, Gael e Helenna. Também se apresenta como pai de autista, de gêmeos e padrasto da Anna. Fundador da comunidade paterna "The Dad’s Club", mediador de rodas de conversas reflexivas sobre paternidades e masculinidades, idealizador e host do Papo de Pai Podcast, e o coração pulsante por trás do IG @umPAPAIxonado.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui