Crianças de até 6 anos serão as mais afetadas, a longo prazo, pela suspensão das aulas presenciais

As crianças pequenas têm menos autonomia para aprender por meio de aulas online

1123
Falta de aulas presenciais pode afetar principalmente crianças da primeira infância, como esse garoto que brinca com um trenzinho
Até aqui, o que se tem visto é muita improvisação, busca de soluções inviáveis, promessas e cobranças impertinentes

Leia em 3 minutos

A discussão sobre reabrir as escolas e retomar as aulas presenciais tem levantado muitos questionamentos quanto aos riscos e benefícios que essa medida pode trazer. Em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo, João Batista Oliveira, presidente do Instituto Alfa e Beto, recorda uma afirmação do ministro da Educação da França, Jean-Michel Blanquer, sobre o assunto: as consequências de não abrir as escolas são muito mais sérias do que a alternativa (de abrir).

Com base em evidências científicas de outras situações semelhantes à atual, em que as aulas presenciais foram canceladas devido à pandemia de covid-19, Oliveira levanta alguns ensinamentos.

Primeiro, ele diz que os danos tendem a incidir de maneira desigual sobre os alunos. “Primeira infância e alunos ainda não alfabetizados serão os mais afetados no longo prazo. São os menos autônomos para aprender. Há um momento certo para certas aprendizagens, especialmente no início da vida”, escreve o professor. Ao perder esse momento, pode haver um prejuízo à formação da criança. É na primeira infância, até os 6 anos de idade, que se formam cerca de 90% das conexões cerebrais. Esse período da educação infantil, portanto, serve de alicerce para o desenvolvimento dos indivíduos.

Leia também: Creche ajuda mais no desenvolvimento dos pequenos do que ficar em casa

Oliveira também ressalta que a recuperação deste período sem aulas presenciais se dará a longo prazo, não no imediato. “Aumentar dias e horas de ensino não se confirma como estratégia promissora, especialmente se consistir em mais do mesmo e, pior ainda, se implicar doses maciças que acabam prejudicando a retenção e fixação das novas aprendizagens”, orienta.

O especialista aponta ainda um terceiro aspecto: as estratégias que promovem saltos qualitativos de qualidade dependem de uma série de condições que não se encontram presentes no cenário educativo brasileiro, e, particularmente, no cenário e no horizonte das políticas educacionais e dos parâmetros dentro dos quais operam as redes públicas de ensino.

Segundo Oliveira, das estratégias que podem funcionar com ou sem pandemia, a principal tem a ver com o uso do tempo disponível. “É fundamental assegurar a frequência escolar – mais barata e mais eficaz de todas as estratégias, especialmente com alunos de maior risco de reprovação e deserção”, exemplifica.

Leia também: ‘Nenê do Zap’: campanha conscientiza sobre importância da interação na primeira infância

Para o presidente do Instituto Alfa e Beto, até aqui o que se viu tem sido muita improvisação, busca de soluções inviáveis, promessas e cobranças impertinentes: repor integralmente o calendário escolar e as horas-aula previstas na lei, apelar para as tecnologias.

“Nada disso parece ter chances de ajudar de maneira significativa a recuperar o tempo perdido. As evidências sugerem caminhos que, se bem planejados e implementados, podem ajudar a reduzir os prejuízos. E, quem sabe, fugir da improvisação, da mediocridade reinante, e promover estratégias mais eficazes, inclusive para a operação regular das escolas no longo prazo”, conclui.

No retorno às aulas, um ponto fundamental tanto para as escolas quanto para as redes de ensino será a avaliação do aprendizado dos alunos. A realização de diagnósticos para avaliar o conhecimento de cada criança é fundamental para lidar com as lacunas de conhecimento geradas nos meses em que as escolas permaneceram sem aulas presenciais, declara Oliveira.

Confira o artigo na íntegra aqui.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui