Puberdade precoce entre meninas cresceu na pandemia, mostra estudo

Estresse e estilo de vida sedentário durante o isolamento social podem ter contribuído para antecipar mudanças fisiológicas que levam à maturidade sexual

246
Menina se olha no espelho
Isolamento social imposto pela pandemia contribuiu para fenômeno
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Um estudo publicado na quinta-feira (3) mostrou que as meninas entraram mais cedo na puberdade durante o isolamento social imposto pela Covid-19. Outras pesquisas já haviam feito essa constatação, relacionada aos primeiros meses da pandemia, sugerindo uma possível ligação entre o vírus e um gatilho para o início da adolescência. No entanto, este novo estudo, realizado na Universidade de Gênova, Itália, relaciona a puberdade precoce às condições determinadas pelo vírus e pelo isolamento social para contê-lo. O fenômeno teria sido motivado por fatores de risco como o aumento do uso de dispositivos digitais e a redução da atividade física diária, segundo o levantamento publicado no Journal of the Endocrine Society.

Os pesquisadores chegaram a essa conclusão após analisar dados de 133 meninas italianas que foram encaminhadas para uma clínica pediátrica, entre 2016 e 2021, porque seus seios começaram a se desenvolver antes dos oito anos de idade. Os estudiosos avaliaram a incidência da puberdade precoce antes e depois da pandemia e uma possível relação entre a Covid-19 e mudanças no estilo de vida. Foram encontrados 72 casos de puberdade precoce antes da pandemia (janeiro de 2016 a março de 2020) e 61 casos entre março de 2020 e junho de 2021, o que mostra um salto de dois para quase quatro novos casos por mês entre os dois períodos analisados.

A puberdade é considerada precoce quando uma série de mudanças físicas e psicológicas acontecem no corpo antes dos 8 anos de idade, nas meninas, e 9 anos, nos meninos. Nas meninas, ocorre o desenvolvimento mamário, seguido do surgimento dos pelos pubianos e axilares. Cerca de dois anos depois, vem o primeiro período menstrual. Já nos meninos, o principal marco puberal é o aumento do volume testicular, seguido do aumento peniano e do aparecimento de pelos pubianos e axilares.

LEIA TAMBÉM:

Durante a pandemia de Covid-19, o número de meninas com suspeita de puberdade precoce aumentou 1,79 vezes, informa o estudo. No geral, a obesidade é citada como sendo o maior fator de risco, porém, segundo os cientistas, existem achados que sugerem que outros fatores contribuem diretamente para a ativação puberal precoce. 

“Mais estudos são necessários para investigar como o uso crescente de dispositivos digitais, a redução da atividade física diária e as mudanças nos padrões de sono impactam na composição corporal e na distribuição de gordura e como isso influencia o desenvolvimento puberal das crianças. A avaliação das relações causais entre a pandemia de Covid-19 e a puberdade precoce/rapidamente progressiva requer estudos epidemiológicos e mecanísticos rigorosos de curto e longo prazo”, afirmam os autores do estudo.

As causas da puberdade precoce ainda não são claras e vêm sendo investigadas. Pesquisa desenvolvida na USP mostrou que esse fenômeno está relacionado à mutação genética do cromossomo 15. Agora, este estudo italiano descobriu que as meninas analisadas pela pesquisa passavam em média duas horas por dia usando celulares e 88,5% pararam de praticar atividades físicas. A partir disso, eles sugeriram que a luz azul das telas e a falta de exercício podem atrapalhar o desenvolvimento hormonal feminino.

O estresse também teria influência. “Há uma hipótese evolutiva interessante de que, quando as meninas estão muito estressadas, elas menstruam mais cedo para se reproduzir e proteger o futuro da espécie”, afirmou Mohamad Maghnie, autor do estudo, em entrevista ao tabloide britânico Daily Mail.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui