Por que meu filho não dorme?

Pediatra, que é especialista em medicina do estilo de vida, fala sobre o que pode ser feito para garantir uma boa noite de sono

62
Menina deitada no sofá sem domir
Práticas de higiene do sono podem ajudar crianças que têm dificuldade para dormir
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

O sono dos bebês e das crianças é um assunto que traz muitas dúvidas aos pais e mães, principalmente em relação à efetividade desse período de descanso e à quantidade de horas dormidas de maneira interrupta. Segundo a pediatra e especialista em medicina do estilo de vida, Flávia Oliveira, o sono tem suas particularidades em cada faixa etária e contribui diretamente para diversas áreas do desenvolvimento infantil, como a organização da memória, do aprendizado e das emoções.

“O sono tem o poder de sedimentar todo o conhecimento absorvido, na parte visual, auditiva, tátil e motora. Mas o principal desafio está em garantir a quantidade necessária de horas de sono e de que maneira esse período pode acontecer de forma contínua. Até o terceiro ou quarto mês de vida, o bebê não tem capacidade gástrica para se alimentar e manter a saciedade por muitas horas, então, é normal que acorde para suprir essa necessidade”, explica Flávia.

A pediatra destaca que com o passar do tempo, o sono do bebê vai ficando cada vez menos fragmentado e ele vai dormindo menos horas durante o dia. Perto dos dois anos, seu sono já fica mais parecido com o dos adultos, mas ainda assim, são necessárias mais horas de descanso.

Número de horas de sono necessárias para cada faixa etária (incluindo sonecas):

Bebê recém-nascido – 16 a 18 horas/dia
Dos 4 aos 12 meses – 12 a 16 horas/dia
1 a 2 anos de idade – 11 a 12 horas/dia
3 a 5 anos – 10 a 13 horas/dia
6 a 12 anos – 10 a 11 horas/dia
Adolescentes – 9 a 11 horas/dia

Mas então por que meu filho não dorme?

Aos pais e mães que têm encontrado dificuldades para fazer seu filho dormir na hora certa ou na quantidade ideal para sua faixa etária, a médica esclarece alguns pontos referentes a cada etapa de desenvolvimento. Até os três meses de vida, por exemplo, ela explica que o bebê ainda não produz a melatonina, hormônio que contribui para a indução do sono.

LEIA TAMBÉM:

“Nessa fase é imprescindível deixar o ambiente com a iluminação adequada: durante o dia, com bastante luz natural, e à noite, ir aos poucos diminuindo a luz artificial, bem como os barulhos, para que haja essa compreensão sobre os períodos. Quando o bebê começa a produzir a melatonina, o sono vai ficando mais organizado, sua capacidade gástrica vai aumentando e a grade das sonecas vai se estabelecendo. Se a partir dessa fase começar a dificuldade para dormir, algumas práticas de higiene do sono podem ajudar”, ressalta.

Sobre a prática de higiene do sono, a pediatra comenta que muitas vezes essas iniciativas podem estar em desequilíbrio ou mesmo não existirem. No entanto, são essenciais para resolver o desafio de uma noite de sono tranquila e reparadora, não apenas para as crianças, mas também para pais e mães, que acabam sendo impactados com a agitação e falta de sono dos pequenos.

“O sono começa no momento que se acorda, ele será um reflexo de tudo que foi feito durante o dia, experiências, pensamentos, atividades. Portanto, para que as crianças durmam bem, é preciso garantir a exposição diária à luz solar, a hidratação e alimentação adequadas, reduzir a exposição às telas e avaliar o ambiente onde se dorme. O quarto deve ser arejado, com pouca iluminação, e a cama ou o berço, devem ser usados apenas para dormir. Nada de colocar a criança de castigo, por exemplo, no berço, por conta de um comportamento inadequado, ou então, ela irá associar aquele espaço como algo ruim e de fato irá relutar para dormir”, alerta a especialista.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui