Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna: UNICEF alerta para o tema em meio à pandemia

719
Mortalidade materna pode ser agravada durante pandemia, segundo UNICEF.
UNICEF alerta que mortalidade materna pode aumentar durante pandemia do novo coronavírus. Foto: Freepik
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Dia 28 de maio é o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. E também é o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher. A mortalidade materna, que pode ser considerada um indicador da saúde das mulheres, se refere àquelas que morrem durante a gravidez ou então nos 42 dias após darem à luz. 

Reportagem do Universa, do portal UOL, afirma que, no Brasil, entre 1996 e 2018, houve 39 mil óbitos maternos – 92% deles, evitáveis. De 2015 a 2018, o país registrou 85.433 óbitos de crianças de até um ano de vida acometidas por afecções originadas no período perinatal (como problemas relacionados ao trabalho de parto) e que também poderiam ter sido evitados. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), cerca de 2,8 milhões de gestantes e recém-nascidos morrem a cada ano no mundo, a maioria por causas evitáveis – o que pode ser agravado em meio à pandemia do novo coronavírus. 

Leia também – Crianças que se recusam a usar máscara: o que fazer?

Neste mês, o UNICEF fez um alerta em relação à pandemia de covid-19, infecção respiratória causada pelo coronavírus, e às medidas de contenção da doença: tudo isso poderia atrapalhar serviços de saúde vitais, como a assistência ao parto, por exemplo, o que colocaria milhões de gestantes e seus bebês em grande risco. Ou seja, as grávidas e os bebês nascidos durante a pandemia de covid-19 estariam ameaçados pelos sistemas de saúde sobrecarregados e pelas interrupções nos serviços. 

O UNICEF destacou que os países precisam garantir que as mulheres ainda tenham acesso aos serviços de pré-natal, parto e pós-parto e que recém-nascidos doentes tenham acesso a serviços de emergência, pois apresentam alto risco de morte. O órgão também ressalta a importância de que novas famílias tenham apoio para iniciar a amamentação e obter medicamentos, vacinas e nutrição para manter seus bebês saudáveis. 

Leia também – Brasil tem 5 mil crianças aptas para adoção e 36 mil pretendentes a pais adotivos

São esperados 116 milhões de nascimentos nos nove meses seguintes à declaração da covid-19 como pandemia, que foi feita no dia 11 de março. Por isso, a importância de governos e doadores manterem os serviços vitais para grávidas e recém-nascidos. O Brasil está entre os 10 países com maior número esperado de nascimentos neste período – a estimativa é que sejam 2,3 milhões. 

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui