Com flexibilização da quarentena, mas sem escolas, 14% dos pais não terão com quem deixar filhos

Volta ao trabalho presencial pode fazer com que pais não tenham com quem deixar as crianças; Ministério Público do Trabalho recomenda conversa com empregador

1297
Criança brinca sozinha com carrinho em uma mesa, ilustrando matéria sobre com quem pais vão deixar as crianças para voltarem a ir ao trabalho.
Ministério Público do Trabalho (MPT) orienta tentar conversar com empregador. Foto: Freepik

Leia em 3 minutos

Várias cidades do país deram início à flexibilização da quarentena. E isso significa que mães e pais que estavam ficando em casa há alguns meses terão que voltar a se deslocar até os seus locais de trabalho. No entanto, a maioria dos estados brasileiros ainda não decidiu uma data para a reabertura escolar e a retomada de aulas presenciais, o que quer dizer que os filhos continuam em casa. Sem escolas e com a recomendação de que os pequenos não mantenham contato com os avós, já que os idosos são um grupo de risco para Covid-19, com quem os pais irão deixar as crianças? 

Dados de um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), divulgados pela TV Globo, mostram que 44% dos trabalhadores brasileiros cuidam de filhos menores de 14 anos. Com o retorno ao trabalho presencial e as escolas fechadas, 30% terão dificuldades para cuidar dos filhos e quase 14% não terão com quem deixar as crianças. 

Leia também – 8 livros que te ajudam a conversar sobre a pandemia com as crianças  

A incerteza de mães e pais em relação às crianças e aos seus empregos é uma das consequências da “reabertura”, que trará alterações de rotina para as famílias assim como a quarentena trouxe. Por isso, assim como no início da quarentena, é preciso se adaptar. Neste primeiro momento, em que os adultos são requisitados presencialmente em seus empregos e as crianças continuam sem ter aulas, é possível tentar conversar com o empregador para adaptar o trabalho à realidade que o funcionário está vivendo. 

Essa é a orientação do Ministério Público do Trabalho (MPT), segundo reportagem da Globo. O órgão se diz atento à situação de pais que não terão com quem deixar as crianças ao voltar para o trabalho, recomendando justamente a conversa, diálogo entre empresas e trabalhadores, na tentativa de haver uma flexibilização de horários ou de esquemas de trabalho. “Nós recomendamos, de modo geral, que se mantenha esses trabalhadores com responsabilidades familiares em casa, em um trabalho remoto”, afirma à Globo a procuradora Adriane Reis, coordenadora nacional da Coordigualdade do MPT. 

Leia também – Acidentes são a principal causa de morte de crianças no Brasil (e metade deles são domésticos) 

É mais difícil para as mães 

Os adultos não têm com quem deixar as crianças e acaba sobrando… para as mães. A tendência é que as mães acabem sobrecarregadas. Historicamente, as mães é que abrem mão de suas carreiras para cuidar dos filhos. Levantamento divulgado pela Catho, realizado em 2018 com 2,3 mil pessoas, indica que 30% delas fazem isso, enquanto, entre os homens, a porcentagem é de 7%. 

Além disso, apesar da recomendação do MPT, para as mães, o mercado de trabalho é sempre mais difícil. Estudo de 2017 da FGV, feito com 247 mil mulheres, apontou que, depois de tirar licença-maternidade, quase metade das mulheres perdem o emprego em até dois anos – e boa parte alega ter sofrido hostilidade no ambiente profissional desde a gestação. Há ainda relatos de mães que contam ter tido problemas ou conflitos no trabalho por ter que se ausentar porque o filho passou mal ou por ter que se atrasar por causa de algum problema com o filho. 

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis!

Jornalista formada pela Unesp. Foi trainee do jornal O Estado de S. Paulo e colaboradora em jornalismo da TV Unesp. Na faculdade, atuou como repórter e editora de internacional no site Webjornal Unesp e como repórter do Jornal Comunitário Voz do Nicéia. Também fez parte da Jornal Jr., empresa júnior de comunicação, e teve experiências como redatora e como assessora de comunicação e imprensa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui