Habilidades socioemocionais: o menino de 13 anos que não se limpava no banheiro

Em live promovida pela Canguru News, a psicóloga Isadora Lacerda explicou como o histórico dos pais pode ter relação com o comportamento dos filhos; no encontro desta quarta-feira (9), terapeuta falará sobre como pais podem identificar se eles têm habilidades socioemocionais

706
Menino esconde rosto com as mãos
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Na primeira live da Canguru News para discutir aspectos da relevância da construção das habilidades socioemocionais na primeira infância, a psicóloga Isadora Lacerda, especialista em terapia cognitiva comportamental e certificada em disciplina positiva, contou sobre seu atendimento de um adolescente de 13 anos, que lhe impactou profundamente e foi a inspiração para que ela escrevesse um conto sobre o tema, preservando o sigilo do paciente.

Esse menino, com o nome fictício de Pedro, não era capaz de se limpar sozinho no banheiro, aos 13 anos de idade. Na escola, desenvolvia gagueira, por medo de se comunicar e pedir um lanche, e ficava com fome por toda a manhã. Casos extremos como esse revelam que faltou a essa criança desenvolver autonomia, autoconfiança, autoestima, algumas das habilidades socioemocionais mais fundamentais para a formação de um adulto psicologicamente saudável. O histórico dos pais, segundo a psicóloga, está diretamente associado ao comportamento da criança: um relacionamento superprotetor a impediu de conhecer e regular as próprias emoções. “Era tanta superproteção que o Pedro (nome fictício) não tinha visão sobre si mesmo.” A criança que não se vê, não tem a visão de si, achará que não é capaz de agir. E aí surgem a insegurança, o medo, a ansiedade, explicou. É por isso que as crianças precisam se sentir capazes, precisam ser estimuladas a agir na resolução de problemas simples do cotidiano.

“A infância é a base de tudo e é na infância, inclusive, que estão os nossos psicologicamente grandes traumas”, disse a especialista. Segundo ela, é fundamental o suporte dos pais em um processo de orientação para auxiliar as crianças e adolescentes a desenvolverem essas habilidades. “Ou os pais realmente vestem a camisa e formamos uma equipe, ou o tratamento pode até andar, mas vai morrer na praia em algum momento.”

De acordo com Isadora Lacerda, é preciso que os pais fiquem atentos a cada fase de desenvolvimento da criança e se perguntem: do que ela deve ser capaz agora? É fundamental, ela destaca, que a criança conheça as suas próprias emoções, as identifique, e saiba como reagir em cada caso, como picos de ansiedade. Para validar as emoções dos filhos, os pais precisam conhecer a si próprios e validar as próprias emoções, destacou.

“Os filhos vêm para ressignificar muitas coisas”, enfatizou a psicóloga.

Para a especialista, o debate sobre as habilidades socioemocionais envolve três pilares: 1) pilar emocional: a criança aprender a resolver, se conectar com suas emoções (o que está sentindo neste momento); 2) pilar social: habilidades de se relacionar com o mundo, com as pessoas; 3) pilar ético: relacionado com o agir positivamente no mundo; positivo aqui compreendido como o entendimento do que ser ético, agir com respeito, tolerância, aceitação.

Para Isadora, é preciso entender o histórico da infância dos pais para tentar ajudar os seus filhos. “É preciso investigar o que faltou para esse pai e para essa mãe para entender porque eles têm dificuldades de se conectar com o filho, dificuldades de dar limites. É preciso entender como foi a infância dos pais. A verdade é que tem muita dor, e talvez esses pais não estejam preparados para lembrar da infância”, disse ela, ao citar a dificuldade de trabalhar ao lado dos pais, que muitas vezes abandonam o tratamento dos filhos.

Para acolher as dificuldades do filho, os pais devem primeiro olhar para si mesmos, defendeu a especialista. “É o exemplo da máscara (de oxigênio) no avião: primeiro coloca em você, e só depois na criança. E por motivos óbvios: todo mundo pode morrer.”

Com os pais podem saber se possuem habilidades emocionais

A terapeuta Fabiana Nunes Ribas, na foto, com os filhos, é a convidada desta semana da série de lives promovidas pela Canguru News

Na live desta semana promovida pela Canguru News, a terapeuta de família e casais, Fabiana Nunes Ribas, falará sobre o papel da família no ensino das competencias socioemocionais. “As pessoas têm dificuldade em digerir suas emoções e entender suas questões emocionais. Acredito que é dentro da família que a gente precisa ter acesso a essa educação, o educar para o sentir, educar das emoções”, afirma Fabiana.

Com base no capítulo que escreveu para o livro “Habilidades socioemocionais – por que elas devem ser desenvolvidas na primeira infância”, ela dará orientações para ajudar os pais a identificar se possuem competências socioemocionais, que possam depois ser ensinadas aos filhos.

“No artigo que escrevi, falo das competências do “CHA”, que significam conhecimento, habilidade e atitude em ser, fazer, estar, e destaco como é importante que os pais se entendam dentro dessas competências”, explica a terapeuta.

Ela diz que perguntas-chave também ajudam os pais a avaliarem se têm essas habilidades desenvolvidas em seu eixo, enquanto pessoa. “Minha ideia (na live) é fazer um passeio no artigo e trazer essas reflexões nesse sentido, de como a família precisa agir, se colocar, responsabilizar, ter ação mais responsiva no desenvolvimento das habilidades socioemocionais, porque a gente não pode deixar isso só a cargo da escola, precisa ter essa ação mais responsiva em casa”, ressalta a terapeuta.

A série de lives sobre habilidades socioemocionais ocorrem todas as quartas-feiras de fevereiro, às 9 horas,no Instagram da Canguru News.


LEIA TAMBÉM:


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui