Fimose nos meninos: maioria dos casos não exige cirurgia; saiba mais

Até os cinco anos de idade, esse problema costuma desaparecer em 90% dos casos

Fimose em meninos: maioria dos casos não exige cirurgia; saiba mais sobre essa condição; imagem mostra menino fazendo xixi na grama
A cirurgia é indicada em situações específicas como as de infecção urinária e infecções repetidas

Leia em 3 minutos

Você já deve ter ouvido falar da fimose, problema que acomete os meninos e que se caracteriza pelo excesso de pele recobrindo a glande – cabeça do pênis – dificultando a sua exposição e a limpeza do local. Essa condição se forma ainda na fase fetal, sendo comum na maioria dos meninos, porém, tende a desaparecer com o tempo. Segundo o Ministério da Saúde, aos seis meses de idade, 20% das crianças já apresentam a pele retrátil, o que significa que a pele consegue se soltar da glande. Aos três anos, cerca de 50% dos meninos já o retraem facilmente, e aos cinco anos isso ocorre em 90% dos meninos. “A retração total pode demorar até a puberdade (a masturbação se encarrega) em cerca de 5% dos meninos”, explica o pediatra Daniel Becker, do Rio de Janeiro, em post sobre o assunto em suas redes sociais.

Ainda assim, muitos pais ficam preocupados quanto a se o excesso de pele, conhecido como prepúcio, vai realmente se descolar da glande e se isso não vai trazer algum problema à criança como a infecção da pele. No entanto, os médicos ressaltam que em muitos dos casos não é necessária intervenção cirúrgica ou tratamento específico, tendo em vista que a condição pode se resolver naturalmente com o passar do tempo. Cabe ao pediatra avaliar caso a caso.

Para identificar se a criança possui fimose, deve-se puxar com as mãos a pele que cobre a cabeça do pênis. Facilmente, será possível perceber se a glande será completamente descoberta ou se algumas partes da pele ficam cobrindo a glande.

Daniel Becker diz que na maioria dos casos não há qualquer necessidade de intervenção na pele da criança. Seja cirúrgica, massagens ou exercícios. De acordo com o pediatra, as cirurgias são indicadas apenas em casos de infecção urinária, infecções repetidas, balonamento – casos extremos de fimose, quando o xixi fica retido na bolsa do prepúcio antes de sair – ou até mesmo, em rituais comuns praticados por judeus e muçulmanos.

Para o médico, os familiares devem, nos bebês, retrair a pele em direção ao púbis, mas sem forçar, e higienizar normalmente. Também vale deixar a criança mexer no pênis sozinha, como uma brincadeira, em banho morno.

“Fazer ”massagem” ou “exercício” para abrir a fimose é o pior erro. Pode causar microtraumatismos, com dor e inflamação, levando a uma piora do estreitamento”, comenta Becker.

O cirurgião pediátrico Elber Nordi, do Centro Pediátrico Eludicar, em São Paulo, informa que no caso de dúvidas e suspeita de fimose, os familiares devem procurar um especialista. “Essa avaliação é muito importante para poder diferenciar entre a presença do acolamento, quando a pele que recobre a glande é apenas colada, e a fimose, quando há uma dificuldade de expor a glande pela presença de um anel constritor”, comenta o cirurgião.

O Ministério da Saúde indica a cirurgia simples apenas em casos que a fimose persiste após a adolescência. Para o ministério, é necessária a retirada por dificultar a higiene do local, causando dor, inflamação, problemas no desempenho sexual quando adulto, infecção urinária e até câncer no pênis.

Elber tranquiliza os pais e diz que eles não devem se preocupar quanto à gravidade da doença. “O melhor é consultar o médico que acompanha seu filho e poderá orientá-lo adequadamente”, finaliza o médico.


Leia também: 5 dicas para responder às difíceis perguntas das crianças sobre sexo


Gostou do nosso conteúdo? Receba a Canguru News no seu e-mail. É grátis!

Jornalista formada pela UFRRJ, colaborou com diversos veículos de comunicação, inclusive, a revista Canguru News, em 2017 e 2018. Tem também experiência em fotografia e audiovisual. Antirracista, foca seus trabalhos na temática de raça e gênero. Acredita que a mudança acontece a partir da educação.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui