Cartilha orienta crianças com doença rara sobre a Covid-19

530
Imagem de fundo verde mostra vários coronavírus e traz o título Covid-19. Trata-se da capa da cartilha feita pelo Instituto Vidas Raras para orientar familiares e pacientes de doença rara quanto aos cuidados a tomar com o coronavírus
Cartilha do Instituto Vidas Raras orienta pacientes de doença rara a não deixar de tomar os medicamentos de rotina e manter contato com o médico

Leia em 3 minutos

Crianças com doença rara têm, em geral, baixa imunidade, e por isso estão mais suscetíveis à contração da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Para orientar esse público quanto aos cuidados que devem ter durante a pandemia, o Instituto Vidas Raras preparou uma cartilha que traz detalhes da doença e seus sintomas, mas também recomendações específicas para familiares, pacientes e seus cuidadores.

“Recebemos muitos questionamentos de pessoas com doença rara e seus parentes quanto a como proceder frente ao coronavírus – se elas podem sair de casa, ir ao hospital, que cuidados devem seguir, se precisam lavar muito as mãos ou lavar menos, perguntas desse tipo – por isso decidimos fazer essa cartilha”, explica Regina Próspero, vice-presidente do Instituto Vidas Raras, uma organização não-governamental que visa promover os direitos constitucionais de portadores doença rara em situação de vulnerabilidade social.

Leia também: Órgão de saúde da Inglaterra alerta sobre síndrome infantil que pode estar relacionada ao coronavírus

As pessoas que têm uma doença rara representam entre 6% e 8% da população mundial, dentre as quais cerca de 80% são crianças, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Com base nesses números estima-se que haja no Brasil cerca de 15 milhões de pessoas com doenças raras, a maioria de crianças. 

Quais cuidados as crianças com doença rara devem ter?

A cartilha explica que pessoas com doença rara e crônica têm de seguir os mesmos cuidados que toda a população, porém, devem ficar mais atentas, visto que a Covid-19 pode provocar nelas complicações de maior gravidade. 

Quem tem consulta médica e infusão deve ir ao hospital?

Para os pacientes que têm consulta médica ou necessitam tomar medicamentos por infusão (procedimento que faz a aplicação direta de fluidos na veia, por meio de uma agulha), a cartilha orienta a não interromper o tratamento se ele garante a melhoria e estabilidade da doença crônica. “A melhor coisa a fazer é ligar para o médico que acompanha o caso e verificar a segurança do paciente no local de tratamento”, afirma o manual.

Leia também – Pesquisa associa vacina BCG, dada em recém-nascidos, a menos mortes por coronavírus

Quais medidas adotar ao sair e voltar para casa?

Entre os cuidados ao sair de casa e retornar, a orientação para quem usa muleta, cadeira de rodas, bengala ou andador é para higienizar partes de alto contato das mãos e rodas. Há, ainda, dicas para manter a saúde mental e recomendações para quem convive com pessoas de risco como manter ambientes arejados, fazer a lavagem de roupas de cama com regularidade e dormir em quartos separados quando houver suspeita de infecção pelo coronavírus.

“A ideia é que a cartilha possa ajudar na qualidade de vida de uma pessoa com doença rara e foi feita numa linguagem simples que pudesse ser entendida por qualquer um”, ressalta a vice-presidente do instituto vidas Raras.

Veja aqui a cartilha completa.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter.  

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui