Plataforma disponibiliza gratuitamente documentários sobre infância e educação

Imagem do documentário
Imagem do documentário "O Começo da Vida"; título está disponível em plataforma de filmes.

Leia em 4 minutos

O Videocamp, plataforma online que possibilita a organização de sessões gratuitas de filmes com potencial de impacto, se juntou a alguns parceiros para disponibilizar gratuitamente documentários sobre infância e educação, abordando temas como importância do brincar, cultura e relações humanas. A iniciativa tem o objetivo de oferecer conteúdo de qualidade que possa ser visto em casa, sem que sejam feitas as sessões habituais da plataforma durante a quarentena pela pandemia de coronavírus. 

“Aqui no Videocamp, acreditamos na força dos filmes para transformar realidades. Mas acreditamos principalmente na solidariedade, na empatia e na potência que somos enquanto pessoas e coletivo. Esse é o momento de nos cuidarmos, de cuidar dos outros, e essas listas de filmes para assistir a qualquer momento é a forma que encontramos de contribuir com a sociedade”, explica Josi Campos, coordenadora da plataforma. 

Um dos parceiros na iniciativa é o Selo Believe Films, que disponibilizou documentários que tratam de diferentes realidades da infância e da educação, assuntos que podem interessar a pais e educadores. Para assistir, clique aqui. É preciso se cadastrar no Videocamp. Os títulos permanecerão gratuitos até o dia 25 de abril. Confira a lista: 

O Começo da Vida (2016, 97 min)

Investir na primeira infância é investir em uma sociedade melhor. O documentário convida todo mundo a refletir como parte da sociedade: estamos cuidando bem dos primeiros anos de vida, que definem tanto o presente quanto o futuro da humanidade? 

Leia também – 5 brinquedos de antigamente para divertir sua família nessa quarentena

Território do Brincar (2015, 90 min)

Um passeio pela geografia de gestos infantis que habitam brincadeiras de diversas regiões brasileiras. Durante dois anos, os documentaristas Renata Meirelles e David Reeks viajaram pelo Brasil registrando o brincar universal de meninos e meninas de diferentes realidades. 

Waapa (2017, 20 min

Propõe um mergulho inédito na infância Yudja (Parque Indígena do Xingu/MT) e os cuidados que acompanham seu crescimento. O brincar, a vida comunitária e as influências de uma relação espiritual com a natureza, são revelados como elementos que organizam o corpo-alma dessas crianças. 

Terreiros do Brincar (2017, 52 min

Retrata a participação de crianças em vários grupos de manifestações populares em quatro estados brasileiros e a sua relação com um brincar coletivo, intergeracional e sagrado.

Corações e Mentes – Escolas Que Transformam (2018, 4 episódios, 26 min cada)

Cultivar o protagonismo na educação formal é fomentar o poder transformador que habita em cada estudante, educador, gestor e família. A série mostra um novo olhar sobre a educação, sustentado por quatro pilares: criatividade, trabalho em equipe, protagonismo social e empatia. Aborda o universo de escolas que quebraram paradigmas em busca de modelos de educação inovadores.

Leia também – Crianças com problemas respiratórios: que cuidados tomar?

Nunca Me Sonharam (2017, 84 min

Os desafios do presente, as expectativas para o futuro e os sonhos de quem vive a realidade do Ensino Médio nas escolas públicas do Brasil.

Tarja Branca (2014, 79 min

As brincadeiras infantis fazem parte de nossa formação social, intelectual e afetiva. Mas será que ainda carregamos essa subjetividade brincante e cultura lúdica vivas dentro de nós? Será que a criança que fomos se orgulharia do adulto em que se transformou?

Longas e curtas de outros selos e produtoras, que tratam de outros temas, também foram disponibilizados no Videocamp e podem ser encontrados aqui

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter.

Jornalista formada pela Unesp. Foi trainee do jornal O Estado de S. Paulo e colaboradora em jornalismo da TV Unesp. Na faculdade, atuou como repórter e editora de internacional no site Webjornal Unesp e como repórter do Jornal Comunitário Voz do Nicéia. Também fez parte da Jornal Jr., empresa júnior de comunicação, e teve experiências como redatora e como assessora de comunicação e imprensa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui