Avós ajudam ou atrapalham?

Em pesquisa informal, o educador parental Mauricio Maruo analisa a relação dos avós com os netos em diferentes dinâmicas familiares

121
Avó abraça os netos
Avós podem resgatar vivências com os netos que não tiveram com os seus filhos
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Como anda a sua relação com os avós dos seus filhos? Hoje, o texto será sobre essa interação que para muitos é 8 ou 80.

Para escrever o texto, fiz uma pequena pesquisa nas minhas redes sociais e também conversei com alguns casais que sabia que tinham relações diferentes com os avós. Também cheguei a conversar com os próprios avós para saber suas opiniões e seus pontos de vista em relação aos cuidados com as crianças. No geral, posso afirmar que a pesquisa foi realizada com cerca de 60 pessoas entre mães, pais, avós e avôs.

A minha investigação tinha como objetivo analisar: avós ajudam ou atrapalham?

Pela pesquisa feita nas minhas redes sociais os resultados foram estes:

  • Quase 70% das pessoas afirmam que os avós ajudam.
  • Mais de 60% afirmam que os avós do lado materno são os que mais ajudam nas logísticas com as crianças (levar para escola, pegar da escola, dar almoço, etc).
  • Quase 60% das pessoas afirmam que os avós do lado paterno são os que mais respeitam e compreendem as orientações dos pais em relação à criação dos filhos (como não dar doces, não deixar muito tempo em telas, etc).
  • Quase 80% das avós comentaram que muitas vezes utilizam as mesmas formas de criação nos netos que utilizaram com seus filhos(as).
  • Mais de 70% dos avôs comentaram que brincam mais com os netos do que brincavam com os filhos.
  • As avós são disparadas as segundas cuidadoras oficiais das crianças, cerca de 95% dos entrevistados disseram isso, incluindo os avôs.
  • Cerca de 60% dos avôs não sabem direito como brincar com as netas. 

Esses são os dados coletados pela minha pequena pesquisa. Será que com esses dados conseguimos responder com segurança a pergunta do título da matéria?

LEIA TAMBÉM:

Acredito que não, pois como já havia comentado em outras matérias, cada família desenvolve dinâmicas diferentes de criação e nenhuma dessas dinâmicas é 100% igual à outra. Isso inclui a relação dessas dinâmicas com os avós, ou seja, não temos uma resposta concreta para a pergunta.

Porém, com os dados posso afirmar algumas coisinhas…

  1. A economia do cuidado é geracional, ou seja, direcionamos essa economia às mulheres por várias gerações.
  2. A sororidade entre as mulheres também é geracional, ou seja, existem mais conexões, depois que a criança nasce, entre mães e filhas, sogras e noras, do que pais e filhos, sogros e genros (conexões direcionadas aos cuidados com as crianças).
  3. Os cuidados com as crianças não são mutáveis, ou seja, quando tivermos netos, assim como nossos pais, tentaremos meter o bedelho na criação dos nossos netos.
  4. A época que vivemos é fantástica, pois cria uma oportunidade aos homens mais velhos de resgatarem vivências com os netos que não conseguiram viver com seus filhos.

Minha conclusão sobre este assunto é que os avós não ajudam e nem atrapalham, mas contribuem voluntária ou involuntariamente para o desenvolvimento emocional da criança.

Obs: Notem que eu não mencionei qual é a criança ‒ isso vale também para a criança interior que mora no coração de cada adulto.

*Este texto é de responsabilidade do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Canguru News.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui