8 anos do Marco Legal da Primeira Infância: desafios persistem em áreas como educação e políticas setoriais

Sancionada em 8 de março de 2016, lei precisa avançar em questões como acesso e qualidade de creches e pré-escolas, e na criação de uma Política Nacional Integrada

64
Menino empina pipa ao ar livre
Marco destaca importância de políticas públicas que garantam os direitos das crianças na primeira infância
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Direito ao brincar, direito à cultura e ao lazer, direito à presença de cuidadores nos primeiros meses de vida, direito a cuidados médicos consistentes, direito de proteção contra violências. Esses são alguns dos muitos aspectos que constam do Marco Legal da Primeira Infância. Sancionada em 2016, a norma completa oito anos nesta sexta-feira, 8, e estabelece diretrizes para políticas públicas e garantias específicas que favoreçam positivamente o desenvolvimento das crianças de 0 a 6 anos de idade, que representa cerca de 8,9% da população brasileira, segundo o Censo 2022.

“O Marco Legal da Primeira Infância é uma norma abrangente que coloca as crianças em primeiro lugar. Ao estabelecer diretrizes para a formulação e implementação de políticas públicas voltadas para essa etapa, ele se conecta com as evidências científicas que destacam a importância dos primeiros seis anos de vida para a criança e toda a sociedade. Essa legislação representa um avanço significativo na proteção e no desenvolvimento das crianças no nosso país”, comenta Marina Fragata, diretora de Conhecimento Aplicado da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

Com mais de 40 artigos, o Marco Legal olha para o direito da criança tanto do ponto de vista de suas necessidades essenciais, como saúde, segurança e educação, quanto pela ótica dos direitos da criança em diferentes dimensões: o direito de ser ouvida no processo de elaboração de políticas públicas, o de ter espaços públicos adaptados para ela, o de ter tanto o pai quanto a mãe participando de sua vida, entre outros. No entanto, ainda há pontos para avançar. 

LEIA TAMBÉM:

Algumas das propostas do Marco Legal*:

  • Garantir às crianças o direito de brincar
  • Priorizar a qualificação dos profissionais sobre as especificidades da primeira infância.
  • Reforçar a importância do atendimento domiciliar, especialmente em condições de vulnerabilidade.
  • Ampliar a licença-paternidade para 20 dias nas empresas que aderirem ao programa Empresa Cidadã.
  • Envolver as crianças de até seis anos na formatação de políticas públicas.
  • Instituir direitos e responsabilidades iguais entre mães, pais e responsáveis.
  • Prever atenção especial e proteção a mães que optam por entregar seus filhos à adoção e gestantes em privação de liberdade.

Fonte*: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal

Desafios na educação: apenas 41% das crianças de 0 a 3 anos estão nas creches

Um dos maiores desafios é garantir que a expansão de vagas nas creches e pré-escolas seja feita de maneira a assegurar a qualidade da oferta, com profissionais capacitados, currículo e materiais adequados à proposta pedagógica. 

Segundo o Plano Nacional de Educação, 50% das crianças deveriam estar matriculadas nas creches até 2024. No entanto, de acordo com dados do Censo Escolar 2023, divulgados há duas semanas, somente 41% das crianças de 0 a 3 anos estavam nas creches. Além disso, menos da metade das escolas de educação infantil (41,8%) tem materiais para atividades artísticas, apenas 57,7% oferecem banheiros adequados para as crianças e 26,7% têm quadra de esportes.

“Tivemos avanços em termos de acesso em comparação com os anos anteriores, mas esse crescimento não alcança a todas as crianças de forma equitativa. Quando olhamos para a qualidade, chama a atenção a falta de infraestrutura que garanta às crianças oportunidades de brincar ao ar livre”, explica Marina. “Creches e pré-escolas de má qualidade podem impactar negativamente o desenvolvimento das crianças e ainda não temos dados – seja no Censo ou do SAEB (ainda não divulgados) – que avancem o olhar para dimensões importantes de qualidade, como as práticas pedagógicas.”

Política nacional integrada

Outro desafio está na criação de uma Política Nacional Integrada que, segundo o Marco Legal, será formulada e implementada mediante abordagem e coordenação intersetorial que articule as diversas políticas setoriais a partir de uma visão abrangente de todos os direitos da criança na primeira infância.

“Há importantes esforços em andamento nesse sentido, como a instituição de um grupo de trabalho no Conselho Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico – o “Conselhão” – para apoiar o governo nessa finalidade. Além disso, em âmbito estadual e municipal é crescente o número de planos de primeira infância”, afirma Marina.

Criado em agosto de 2023, o Grupo de Trabalho (GT) Primeira Infância é um grupo temático instalado no âmbito do Conselhão Seu objetivo é elevar a prioridade para a pauta na agenda do Governo Federal, de forma transversal entre os diferentes ministérios, e contribuir para a construção de uma Política Nacional Integrada para a Primeira Infância. 

“Uma política voltada às primeiras infâncias deve ser transversal e atuar como catalizador da equidade, ou seja, trabalhar para romper as marcantes desigualdades territoriais, étnico-raciais, socioeconômicas e outras presentes no nosso país. Não há como endereçar problemas complexos que alcançam as crianças como violência, a pobreza sem uma abordagem integrada.”

Por fim, é necessária uma medição periódica do investimento público nas políticas de desenvolvimento infantil. “O Marco Legal prevê que as políticas públicas tenham, necessariamente, componentes de monitoramento e coleta sistemática de dados. Isso precisa acontecer para que a sociedade saiba se o serviço ofertado às crianças e suas famílias está efetivamente tendo o impacto esperado e ajudar os governos a fortalecer as políticas a cada ciclo avaliativo de modo a garantir a continuidade e a melhoria das ofertas para a população”, finaliza Marina. 

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui