Violência contra crianças de até 4 anos: SP, Rio e Curitiba têm piores índices do país

Projeto Primeira Infância Primeiro traz dados sobre cuidados, serviços e o desenvolvimento de crianças em todos os 5.570 municípios do país.

633
Violência contra crianças é altíssima em cidades como SP e RJ; menina pequena olha através de 'grades' de madeira
Número de notificações de casos de violência contra crianças de até 4 anos chama atenção em quase todas as capitais, diz estudo
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Há registros de violência contra crianças de até quatro anos em todas as capitais do país. Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Curitiba são as cidades com os piores índices. A informação é de levantamento divulgado hoje pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, que atua com foco no desenvolvimento de crianças nos primeiros anos de vida.

Quase 7 a cada 100 crianças sofrem atos de violência na capital paranaense, o maior índice do país. Na capital paulista e fluminense, o índice fica em torno de 5 crianças para cada 100 – cerca de 5% – caindo para 3% em Recife. Segundo a fundação, esses números se referem a notificações de casos de violência que  geraram atendimento médico ou hospitalar, mas pode haver muitos outros casos que sequer são notificados.

Os dados fazem parte do projeto Primeira Infância Primeiro, que reúne em um site informações e iniciativas de mais de 5 mil municípios brasileiros, com o objetivo de ampliar o debate em ano de eleições municipais e contribuir para a melhoria de políticas públicas para a primeira infância, fase que vai do 0 aos 6 anos de idade.

Leia também: Leia também: A importância da primeira infância para a formação da pessoa

Macapá tem altas taxas de mortalidade infantil e de adolescentes grávidas

Macapá (AP) é a cidade brasileira com dados mais baixos de violência contra crianças – foram 21 casos (0,06%) em 2018, ainda que esses números não sejam desprezíveis. Em compensação, essa cidade do norte do país apresenta índices elevados de mortalidade infantil para causas evitáveis e de adolescentes grávidas. Já o atendimento em creche públicas e privadas deixa a desejar: só atinge os 10% do total de crianças 0 a 3 anos, assim como em Roraima, bem menos que a média nacional de 35,6%.

No geral, o mapeamento mostra que a mortalidade infantil por causas evitáveis é grave no Nordeste: ultrapassa os 70% (de uma média nacional de 66,65%) nas cidades de Maceió, São Luis, Recife, Teresina, Natal e Aracaju.

A Fundação explica que embora a mortalidade infantil tenha diminuído muito nos últimos anos, o percentual dessas mortes de crianças de até 1 ano que são evitáveis ainda é muito significativo. O número de notificações de casos de violência contra crianças de até 4 anos, também merece destaque em praticamente todas as capitais. 

Leia também: 14 cidades brasileiras aderem a projeto que busca melhorar espaços públicos para as crianças

Ferramenta buscar nortear políticas públicas a favor das crianças

“Criamos essa ferramenta porque entendemos que para agir com consistência em benefício da primeira infância é preciso primeiro inteirar-se dos principais desafios no atendimento aos direitos das crianças em seu município e ter objetivos claros, metas factíveis para serem atingida durante o mandato”, diz Mariana Luz, CEO da fundação. 

No página do projeto é possível analisar 33 indicadores de cada município, com informações sobre saúde, educação, violência, gravidez na adolescência, mortalidade infantil, aleitamento materno, entre outros. Há também sugestões de diretrizes para ajudar os gestores a entender por onde devem começar e o que é mais urgente no tratamento das questões relacionadas à primeira infância, para que impactem positivamente na vida das crianças, suas famílias e toda a sociedade. 

Diversos estudos já mostraram que não há investimento na saúde, na educação, na economia e no âmbito da segurança pública tão eficaz quanto aquele feito para cuidar das crianças nos primeiros anos de vida – que frente a ações de proteção e cuidado tendem a se tornar um adulto com hábitos de vida mais saudáveis, com melhor desempenho na escola e maiores chances de empregos.

A plataforma usa dados oficiais de fontes públicas que cobrem as diferentes áreas relacionadas com as políticas públicas municipais para a primeira infância. A periodicidade de cada uma delas varia. As informações acessíveis na plataforma são as versões mais atuais a que se tem acesso. 

Saiba mais em https://primeirainfanciaprimeiro.fmcsv.org.br/

Leia também: Mapa da desigualdade infantil em São Paulo: cidade precisa acolher as suas crianças

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar nossa newsletter. É grátis!

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui